Como cultivar orquídeas?

Advertisements

Orquídeas são algumas das flores mais belas e delicadas que existem. Com alto grau ornamental, a planta é uma das preferidas pelos apaixonados pela natureza. E também por quem deseja dar um colorido especial ao lar. No entanto, é fundamental saber como cultivar orquídeas corretamente.

Tal como são belas, as orquídeas são trabalhosas de se cultivar. Seu crescimento e manutenção merece sempre atenção e cuidados especiais. Afinal, a maior parte das espécies da planta é epífita, ou seja, cresce presas em árvores. Essa característica permite à flor obter facilmente todos os nutrientes de que precisa da própria árvore.

Ao cultivar a planta em casa, porém, ela não terá um caule do qual se “alimentar”. O plantio doméstico é feito em vasos, e precisa oferecer condições bastante semelhantes às encontradas pela planta na natureza. É aí que entra a necessidade de se dedicar à planta, e ter prazer neste hobby. Do contrário, dificilmente as flores vão crescer fortes e bonitas.

Como cultivar orquídeas: informações básicas

Existem mais de 200 variedades de orquídeas no mundo. Grande parte delas é híbrida, ou seja, foi criada pelo Homem a partir do cruzamento de várias espécies da planta. De forma geral, a flor possui folhas de um verde intenso, quase brilhante, que indica sua saúde.

Já as cores da planta são as mais variadas. Suas pétalas aparecem em tons de roxo, branco, rosa, vermelho e muito mais, variando com a espécie cultivada. Sua floração também varia de acordo com a espécie, mas para ocorrer precisa contar com variação de temperatura entre o dia e a noite. A variação ideal é de 8° C.

Como citado anteriormente, as orquídeas requerem intensos cuidados para se desenvolver. Algumas delas, no entanto, são mais simples de cultivar. Como as Pleione, Phalaenopsis, Cattleya, Bletilla, Cymbidium, Odontoglossum e Paphiopedilum.

Para crescer saudável, as flores cultivadas em casa absorvem nutrientes e água por meio de sua planta-base. Neste caso, os substratos preparados especialmente para o plantio. Por isso, aliás, as espécies devem ser plantadas em vasos: suas raízes são aéreas, e não conseguiriam obter o que precisam se plantadas no solo.

Na hora do cultivo das orquídeas, você pode optar por realizar a plantação a partir das sementes. Assim, será possível acompanhar todo o processo de crescimento do espécime. Esse método, no entanto, é mais difícil, e requer cuidados redobrados. Logo, é mais interessante começar sua plantação por meio de uma muda.

Como cultivar orquídeas: dicas

O primeiro e dos mais importantes passos para cultivar uma orquídea é comprar uma muda. Isso significa que você não deve, nunca, coletar uma planta na mata. Inicialmente porque, em muitos casos, aquela espécie encontra-se ameaçada.

Afinal, ao longo dos séculos, muitas de suas amostras foram retiradas da natureza, o que diminuiu sua quantidade no ambiente. Dessa forma, tirar mais um espécime da natureza poderia prejudicar sua preservação.

Outro fator importante, nesse caso, refere-se à saúde da planta. Quando está em seu ambiente natural, a orquídea se adapta e obtém exatamente os nutrientes necessários para combater pragas e fungos. Se deslocada para um vaso, no entanto, ela terá que se readaptar. Assim, seu combate às pestes ficará comprometido. O resultado mais comum é que a planta morra antes mesmo de conseguir “vingar” no novo substrato.

É igualmente importante escolher a espécie de orquídea adequada à sua região. Algumas flores requerem clima tropical. Outras, precisam do frio mais intenso para se desenvolver corretamente. Assim, apenas a que se adapta ao clima do seu lar deve ser cultivadas. Para isso, você pode visitar a floricultura mais próxima e solicitar auxílio do especialista. Ele saberá indicar a planta adequada de acordo com a temperatura comum de sua cidade.

Além disso, é interessante cultivar mais de um tipo de orquídea de uma só vez. Isso porque as plantas florescem apenas duas vezes ao ano, e cada espécie em uma época diferente. Por exemplo: para sempre ter seu espaço florido, você pode obter a espécie A, que floresce mais comumente em janeiro e junho; a espécie B, que tem flores em fevereiro e julho; a C, que desabrocha em março e agosto, e assim por diante.

Como cultivar orquídeas: vasos

Existem dois passos fundamentais que todo cultivador deve tomar antes mesmo de adquirir uma muda de orquídea. São eles: adquirir vaso e substrato adequado. Esses dois componentes são mais que fundamentais para o crescimento da planta.

O melhor tipo de vaso para plantação de orquídea é o de barro. Apesar de ser comum a plantação da espécie em vasos de plástico, eles não oferecem as condições adequadas ao crescimento da flor. As peças de barro, por outro lado, são mais que ideais: eles garantem alta absorção de água. Garantem também o enraizamento adequado do vegetal.

As peças de barro, porém, devem possuir furos laterais. Por meio destes furos, as raízes da planta poderão melhor se desenvolver e “respirar”. Ao mesmo tempo, os buracos serão os responsáveis por promover a drenagem do excesso de água.

Caso prefira, o consumidor também pode utilizar os chamados xaxins de palmeira como vasos. Os xaxins são recipientes produzidos com fibras orgânicas, livres de substâncias tóxicas ou químicas. Eles conseguem promover grande absorção de nutrientes pela planta.

Se você é um admirador das orquídeas, provavelmente já ouviu dizer o quanto o substrato é importante para seu cultivo. O substrato é o componente que vai oferecer nutrientes à planta, além de garantir sua umidade ideal. Ao mesmo tempo, o componente permite a sustentação da planta e sua boa aeração.

Todas essas condições deverão ser semelhantes às que a flor encontraria em seu habitat natural. Assim, é interessante utilizar como substrato fibras de coco, esfagnos e cascas de pinus. É igualmente possível utilizar a mistura entre areia, perlita e casca de alguma árvore.

Como cultivar orquídeas: diferença entre cultivo e arranjo

Neste momento, você talvez esteja se perguntando sobre os vasos de vidro ou cerâmica. Afinal, as peças são bastante comuns na decoração. Para orquídeas, no entanto, eles não são adequados.

Vasos de vidro não oferecem a quantidade de ar ou umidade adequada à planta. Nem a possibilidade de que as raízes cresçam de forma aérea. Por isso, eles só são indicados para compor arranjos para decoração, ou seja, para posicionar uma orquídea dentro de casa.

Um arranjo de orquídeas deve ser montado com as flores, argila, folhas e casca de pinus (ou musgo). Para sustentar a flor, será necessário utilizar vime e presilhas. O processo consiste no seguinte:

  • Posicionar a argila dentro do vaso;

  • Cortar o caule da orquídea e moldá-lo;

  • Com as presilhas, prender o caule da flor no vime;

  • Fixar o vime na argila;

  • “Esconder” a argila com as folhas, cascas ou musgo.

Como é possível notar, o arranjo não oferece nenhum tipo de substrato à planta. Nenhum nutriente, nada que ofereça a umidade necessária ao seu crescimento. Assim, a planta num arranjo tem “prazo de validade”, utilizada apenas para a decoração durante alguns dias.

Como cultivar orquídeas: passo a passo

Apesar de não ser exatamente trabalhoso, o passo a passo para a plantação de uma orquídea merece cuidado. É por meio dele que a planta vai obter todas as condições necessárias para crescer forte e bonita.

Primeiro, é necessário adquirir uma muda – como já citado, diretamente de uma floricultura ou produtor da planta. Em seguida, você deve retirar a orquídea “mãe” do seu vaso original, se possível transformando-a em várias mudas diferentes.

Antes do plantio, é necessário lavar as raízes da planta. Para isso, você precisa inserir a raiz sob um leve fluxo de água corrente de uma torneira. Delicadamente, passe os dedos pelas raízes, retirando parte dos fragmentos e partes mortas.

Logo depois, é hora de investir no vaso adequado. Seja de barro ou xaxim, o recipiente pode receber uma camada de brita, de argila expandida ou isopor. Essa etapa é opcional, mas pode garantir uma sustentação mais intensa à planta.

Em seguida, deve-se posicionar o substrato. O componente já deve estar umidificado, e precisa ser inserido no vaso até aproximadamente metade do recipiente. Isso porque será necessário ainda inserir a muda no vaso, assim como pouco mais de substrato.

Após essa preparação, você precisa acomodar a muda. Ela deve ser posicionada não no centro do recipiente, mas em um de seus cantes. A brotação nova da flor, ou seja, a base do maior pseudobulbo, precisa ser voltada ao centro do vaso. Isso vai garantir que ele tenha espaço mais amplo para se desenvolver.

Por fim, complete as bordas do vaso co substrato. Também é necessário adubar a planta. Citaremos a melhor forma de realizar essa fase em breve. Continue acompanhando o texto!

Como cultivar orquídeas: plantio por semente

Como abordamos, o cultivo das orquídeas também pode ser feito por meio de suas sementes. Apesar de mais complicado, há quem prefira esta opção, uma vez que ela garante maior dedicação ao hobby.

Nesse caso, o consumidor precisa adquirir todo o necessário para o plantio (vaso com furos, substrato, adubo) e as sementes. Aqui, o vaso deve ser preparado como no plantio com muda. No momento em que a planta seria inserida, no entanto, deve-se utilizar apenas poucas sementes. Elas devem ser “plantadas” no substrato, e receber fertilizante em seguida.

Quando a planta, então, desenvolver raízes, é necessário retirá-la do vaso e dividir suas raízes. Essa criação das mudas vai garantir que vários espécimes se desenvolvam. Necessário ainda investir mais no substrato logo após a transferência.

Como cultivar orquídeas: adubação

Existem diversos tipos de produtos ideais para a adubação das orquídeas, e cada um é indicado para uma fase diferente para o crescimento das plantas. Existem tanto versões químicas, que requerem maior cuidado, quanto orgânicas.

A muda de orquídea, por exemplo, pode ser fertilizada por meio do adubo DUBO 08-45-14. Ele ajudará a planta a crescer e a se enraizar. Mudas também podem receber uma colher de chá de farinha de osso mensalmente. O componente deve ser inserido na beirada do vaso, e vai fortalecer o crescimento da flor.

Para o desenvolvimento das folhas e da floração, são indicados os adubos minerais com formulação NPK. Eles são práticos e baratos, e fornecem Nitrogênio (N), Fósforo (P) e Potássio (K) à planta. Devem ser utilizados, no entanto, em conjunto com adubos orgânicos.

Os adubos orgânicos são aqueles obtidos por meio de resíduos vegetais e/ou animais. As plantas possuem maior facilidade em absorvê-los. Além da farinha de osso, é possível utilizar a torta de mamona e o Bokashi. O Bokashi é um fertilizante composto pela mistura de vários adubos orgânicos.

Independentemente do tipo de fertilizante escolhido, é importante respeitar sua regularidade. Ao contrário do que se imagina, o adubo exagerado pode matar a planta, em vez de nutri-la mais.

Neste caso, é indicado realizar a adubação apenas uma vez por mês. Isso porque as versões naturais de fertilizante demoram tempo para se decompor, garantindo nutrientes por um grande tempo. Ademais, o exagero poderia acumular muitos gases, liberados pela decomposição, e “sufocar” as raízes das orquídeas.

Já os adubos químicos podem ser aplicados geralmente a cada 15 dias. Cada tipo do produto, de qualquer forma, possui tempo adequado diferente. Assim, é importante verificar as instruções do fabricante e segui-las à risca.

Como cultivar orquídeas: adubos químicos

Orquídeas não estão naturalmente acostumadas a adubos químicos. Logo, é fundamental redobrar o cuidado com a aplicação desse tipo de componente. Do contrário, a planta pode facilmente morrer.

Portanto, é interessante utilizar apenas adubos químicos que sejam solúveis em água. Essa característica vai garantir que a planta receba apenas ao necessário da substância. Adubos granulados tendem a causar queimaduras nas raízes da orquídea.

Para preparar o adubo, você deve realizar um processo semelhante ao de coar café. Assim, deverá primeiro selecionar a garrafa em que será inserido borrifador. Em seguida, coloque um filtro de café sobre a boca da garrafa. É preciso inserir algumas colheres do produto no filtro, e então passar a água por ele. Os fabricantes especificam melhor as quantidades ideais nas embalagens.

Este processo vai evitar que o borrifador seja obstruído pelos grãos de produto químico. Também vai diluir o componente, garantindo que eles sejam utilizados na quantidade que a planta suporte. Depois, basta borrifar toda a planta com a mistura.

Além destes, existem no mercado opções de “Misturas”, ou seja, adubos que possuem componentes orgânicos e minerais, juntos. As misturas têm bastante versatilidade, e podem oferecer quantidade ainda mais interessante de nutrientes à planta.

Como cultivar orquídeas: cuidados

Finalizado o processo de plantação da muda, ou semente, a orquídea vai crescer. Mas não sozinha: além da necessidade de adubação contínua, são necessários outros cuidados com a planta. Como o promover de sua irrigação regular.

Orquídeas devem ser irrigadas sempre que for necessário manter o vaso úmido. O intervalo entre cada regagem varia pela temperatura do ambiente. Por isso, é necessário acompanhar de perto a quantidade de água no vaso: caso ele já esteja seco, é hora de molhar a flor novamente. De qualquer modo, costuma ser necessário irrigar a cada três dias.

Contudo, o vaso não deve ser encharcado. O excesso de água pode matar a planta. Assim, não é indicado inserir nenhum pratinho sob o vaso. Ao acumular água, o prato poderia provocar o apodrecimento das raízes.

Ao mesmo tempo, permitiria a proliferação principalmente do Aedes Aegypti, transmissor de doenças como a Dengue e o Chikungunya. Logo, deve-se deixar a planta escorrer a água pelos buracos do vaso de barro.

Ainda é preciso oferecer à orquídea a luminosidade ideal. A planta deve ser sempre banhada pelo sol, mas apenas em dois momentos do dia. Primeiro, pela manhã, até as 9h. Depois, no fim da tarde, após as 16h. Essa luz é essencial para o florescimento do vegetal. No entanto, a exposição contínua e ininterrupta ao sol é bastante prejudicial.

Uma orquídea também precisa contar com um ambiente arejado. Isso não significa, no entanto, colocá-la sob ventos fortes. A ventilação exagerada pode quebrar a planta.

Para manter a flor vida, o consumidor deve mudá-la de vaso, transplantá-la, a cada três anos. Isso vai garantir a renovação do espaço e dos nutrientes à flor.

Como cultivar orquídeas: pragas e doenças

Todos os cuidados citados anteriormente vão diminuir o risco de pragas e doenças atacarem sua orquídea. Quando o consumidor mantém a umidade da planta ideal, por exemplo, evita o acúmulo de umidade. Esse acúmulo poderia favorecer o desenvolvimento de fungos.

Dentre todas as pragas comuns das plantas, a mais comum nas orquídeas é a cochonilha. O pequeno organismo suga a seiva da planta, e pode facilmente matá-la. Os “bichinhos” podem ser catados, um a um, da planta, ou então combatidos por meio de fórmulas naturais. Como o própolis, óleo de Neem ou a simples podamento do vegetal.

Produtos químicos também podem combater a praga, mas são indicados apenas em último caso. Afinal, eles vão afetar todas as caraterísticas de crescimento da flor.

Após eliminar a praga, é importante mudar a orquídea de vaso e substrato. Isso dará maior segurança de que não há resíduos dos organismos.

Caso sua plantação de orquídeas tenha várias espécies, é interessante ainda fazer plaquinhas para cada uma. As plaquinhas devem conter o nome da planta, e podem indicar também seu padrão de regagem e flora.

Se possível, você também pode deixar espaço para marcar os dias de rega e de adubação. Assim, será mais fácil obter o controle dos cuidados com a planta. Outra opção é fazer essas anotações em outro local, como um bloco de papel ou no smartphone. Para um jardim colorido e bonito, o cuidado com as orquídeas deve ser constante e regular.

Como cultivar orquídeas: principais erros

Quem cultiva orquídeas, mas anda “desavisado”, costuma cometer erros básicos. Erros estes que comprometem o desenvolvimento e a beleza da flor, e até o próprio bolso.

É comum, por exemplo, que as pessoas descartem toda a muda de orquídea após algumas floras. Afinal, a planta morre após certo período, certo? Errado! A maior parte das espécies de orquídeas pode florescer a partir de suas antigas hastes. Por isso, em vez de jogá-las fora, você pode continuar a irrigá-la e adubá-la. Com o tempo, ela irá gerar uma nova flor.

Todavia, apenas hastes verdes devem ser mantidas. Caso o cabinho esteja seco, é preciso podá-lo. Para a poda, são necessários ainda dois cuidados importantes.

Primeiro, é necessário esterilizar a tesoura que será utilizada. Isso pode ser feito por meio de um maçarico, ou pela chama de um fogão. Em seguida, o consumidor deve esperar a lâmina esfriar, utilizá-la para a podamento, e esterilizá-la novamente para o corte de outra planta. Essa nova “limpeza” vai evitar a transmissão de doenças de um vegetal para o outro.

Em segundo lugar, a planta precisa receber cicatrizante logo após a poda. O método vai ajudar em sua recuperação. Entre os cicatrizantes naturais, o mais eficaz é a canela em pó, que deve ser aplicada apenas na haste cortada.

Outro desacerto comum acontece em relação ao vaso da planta. Como dito no início deste texto, é sempre importante inserir as plantas em vasos de barro, ou em xaxins. Mantê-las em recipientes de plástico vai impedir seu desenvolvimento.

Em algumas situações, a planta extrapola o limite do vaso. Porém, isso não deve ocorrer: é importante que você mantenha a plantação ao menos dois dedos abaixo da superfície do vaso.

Como cultivar orquídeas: atenção aos sinais!

Finalmente, todo cultivador de orquídeas deve ter atenção ao visual de sua planta. Cada tipo de modificação indica um problema diferente que, se cuidado a tempo, pode garantir a sobrevivência da flor.

Pontos pretos na folhagem por exemplo, costumam indicar a falta de água, de nutrientes ou a queimadura pelo sol. Assim, é preciso analisar em qual desses aspectos o vegetal está sendo prejudicado, e consertá-lo.

Folhas enrugadas, por sua vez, indicam a falta de água, enquanto buracos nas folhas são sinal de ataques por fungos. Com a folhagem escura, a planta indica que está recebendo pouca luz. Se o bulbo do vegetal estiver encolhido, a orquídea provavelmente está convivendo com água e nutrientes insuficientes.

Com a presença de folhas amarelas, o problema é o excesso de água, ou então a falta de nutrientes. Por fim, manchas geralmente indicam ataques de fungos ou bactérias. Nestes casos, você pode tentar resolver o problema utilizando detergente diluído em água. A mistura deve ser utilizada para lavar as folhas e raízes. Após o processo, você precisa colocar a planta 24h na sombra, lavá-la e replantá-la. Caso não seja possível plantá-la em outro vaso, lave o que você já possui com bastante água, sabão e cloro.

Como cultivar orquídeas: tipos das flores

Agora que você já sabe como cultivar orquídeas e mantê-las fortes e bonitas, é hora de escolher a sua. São tantas espécies! Para te ajudar, listamos vários tipos de orquídeas neste texto. Acesse e escolha sua preferida!

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.