Laje Nervurada: Vantagens, Dimensões, Espessura

Advertisements

Na próxima vez que você entrar em uma grande edificação, olhe para o teto. Se ele for “dividido” em quadrados, ou tiver “buracos” quadrados por toda a sua extensão, a estrutura nada mais é do que é uma laje nervurada.

O sistema de laje nervurada é formado por concreto armado e pequenas vigas regularmente espaçadas. A camada de concreto armado é fina, e a distância entre uma viga e outra é sustentada por meio de fôrmas e vigas de aço. Como é mais leve, o material garante que essa sustentação é segura.

Outro ponto garantida pelo uso de material mais leve é a economia da construção. Isso uma vez que a quantidade de aço utilizada é cerca de 30% menor do que em lajes maciças. Ficou interessado pela opção? Acompanhe o texto e descubra mais sobre a laje nervurada!

Quais os tipos de laje nervurada?

Existem duas categorias principais de laje nervurada, cada uma subdividida em outras. As categorias-base são: as de lajes moldadas in loco, e pré-fabricadas.

No caso das lajes moldadas in loco, a estrutura é montada no canteiro de obras. A técnica garante a realização da obra em tempo médio, e não requer mão de obra especializada. Nessa categoria, é possível encontrar, por exemplo, a laje cogumelo.

Apesar de disponível também na versão maciça (inteira, com concreto), a alternativa pode contar com materiais inertes, formando a nervurada. Sua forma mais comum é a quadrada, mas também é possível utilizá-la em formato circular.

Já as lajes pré-moldadas são aquelas produzidas na indústria, passando por rígido controle de qualidade. Aqui, existe a laje com vigotas de concreto armado e lajotas cerâmicas. Ela consiste no uso da laje nervurada de forma unidirecional. Ou seja, suas divisões não formam quadrados, mas sim longos retângulos que só terminam na beirada do imóvel.

Numa laje treliçada, é possível contar com sistema constituído por uma laje nervurada também unidirecional. Nesse caso, porém, as vigotas são intercaladas com elementos inertes e capa de concreto. A vigota é uma fina viga de concreto utilizada na horizontal, para sustentação da estrutura da laje.

Veja também: Tipos de laje: Treliçadas, Nervuradas e Maciças.

Quais aplicações?

O uso da laje nervurada é indicado sempre que o imóvel requer um espaço maior entre seus vãos. Afinal, a alternativa permite a abertura bastante grande entre uma sustentação e outra.

Assim, teatros, auditórios e ginásios esportivos são alguns dos locais em que esse tipo de laje é utilizado. Assim como em estacionamentos e subsolos, em que o espaço maior é fundamental para manobra dos veículos.

Pode-se utilizar a nervurada para projetos de diferentes portes. Logo, um imóvel pequeno pode usufruir da opção, assim como grandes indústrias ou shoppings. As últimas edificações são as que mais recebem a estruturação.

De qualquer modo, esse tipo de laje não é indicada para ambiente em que há a atuação alta e concentrada de cargas.

Como é feita?

Para que uma laje nervurada seja montada, são necessários quatro componentes básicos. Primeiro, as vigotas pré-moldadas, já citadas como estruturas finas de concreto. Elas costumam ser mais empregadas em obras de pequeno porte, mas também podem ser indicadas para prédios maiores.

Em segundo lugar, é necessário contar com vigotas protendidas. Nesse caso, a estrutura de concreto possui barras ou fios em seu interior. Os elementos de protensão garantem maior sustentação da obra.

Ao mesmo tempo, é preciso contar com fôrmas. As fôrmas são normalmente feitas de plástico, e servem exatamente para dar ao teto o seu clássico visual dividido em quadrados. Além, é claro, da fôrma em tablado, ou seja, o molde em ferro que vai ser o apoio de toda a estruturação da laje.

Obtidos esses materiais, o passo a passo de construção inicia-se por meio da montagem do escoramento metálico e das vigas da obra. Em seguida, é colocado tablado sobre as escoras, e as fôrmas de plástico são inseridas lado a lado.

Logo após, deve-se prender uma faixa de madeirite na beirada da laje, e fazer a colocação das armaduras de metal. Os vergalhões e estribos são prendidos, e então faz-se a concretagem da laje. O concreto de ser nivelado e aguardar seu tempo de cura, quer dizer, de secagem.

Quando o concreto seca, o responsável pela construção retira o escoramento da estrutura, mantendo-a apenas a cada 1,5 m², aproximadamente. Essa distância varia de acordo com o projeto do imóvel. Em seguida, retira-se o tablado no qual as formas foram apoiadas, e ainda essas fôrmas. O resultado é dos “buracos” visíveis e clássicos. Depois, basta finalizar o escoramento da estrutura.

Dimensões da laje nervurada

As dimensões de uma laje nervurada varia de acordo com o projeto e tamanho do imóvel desejado. De qualquer forma, é possível estabelecer medidas base para esse tipo de construção.

Segundo a norma NBR 6118:2003 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), por exemplo, a resistência característica do concreto à compressão deve ser, no mínimo, igual a 25 MPa.

Já as nervuras devem possuir pelo menos 5 cm. As nervuras são os espaços entre um “buraco” e outro desse tipo de lado, as partes de concreto. Quando há armadura de compressão, essa medida deve ser de, no mínimo, 8 cm.

Espessura da laje nervurada

Quando as cubetas (fôrmas) são retiradas da estrutura, resta uma camada superior de concreto na laje. Essa camada é chamada de mesa, e deve ser maior ou igual a 1/15 da distância entre as nervuras. Essa medida será sempre de pelo menos 3 cm. Isso se não houverem tubulações embutidas na laje.

Caso hajam tubulações, porém, essa medida cresce. O diâmetro da tubulação deve ser de, no máximo, 12,5 mm, e a mesa precisa possuir ao menos 4 cm.

Como as formas possuem diversos formatos disponíveis no mercado, fica difícil definir a profundidade de cada “buraco”. As definições aparecem no projeto de construção, e devem obedecer as normas vigentes (NBR’s 6118, 15200 e 15575-3). A espessura da laje e da nervura também é determinada pela dimensão da fôrma.

Em relação à altura da laje nervurada, pode-se estimá-la com base no vão da estrutura. A altura deve ser correspondente a 1/25 a 1/30 do maior vão da obra.

Laje nervurada vão

Os grandes vão existentes em estruturas de laje nervurada são possíveis graças à leveza do material. Isso uma vez que a opção diminui consideravelmente o uso do concreto e do aço. As medidas entre cada vão costumam girar entre 7 e 9 metros. Ou seja, entre uma viga ou outra, há ao menos este espaço disponível para trânsito de pessoas e veículos.

Ademais, esse tipo de laje promove pés-direitos bastante altos. Assim, além do espaço horizontal, existe grande espaço vertical no ambiente interno. Além da amplidão, essas características garantem boa performance acústica e térmica ao espaço.

Laje nervurada cálculo. Como Calcular?

Na hora de calcular corretamente o projeto de laje nervurada, é fundamental contar com o auxílio de um profissional. Um engenheiro ou arquiteto são os mais indicados para essa etapa. Além da medição entre vãos, quantidades de material necessária e mais, o profissional vai calcular a quantidade de cubetas, fôrmas, necessárias para a execução do plano.

Para isso, é necessário conhecer a altura da fôrma, sua espessura, altura da mesa e fôrma somadas, e largura da nervura. O número de colunas e linhas também é considerado, e ao fim vai indicar o número de fôrmas necessárias para a construção.

Laje nervurada: formato

Além das diversas formas físicas de fôrma (quadrada, retangular etc.), as lajes nervuradas podem ser classificadas de acordo com o posicionamento de usa vigas. Nas lajes bidirecionais, são utilizadas quatro vigas maciças à sua volta, de modo que suportem bem toda a estrutura. As cubetas são colocadas de modo que as vigotas formem ângulos de 90°.

Quais as vantagens?

Como citado até aqui, uma das principais vantagens da laje nervurada é a economia de materiais e de custo da estrutura. Afinal, a quantidade de aço e concreto utilizada é bem menor do que nas lajes maciças.

Graças a essa quantidade menor de material, a obra também gera poucos resíduos. Ou seja, é mais sustentável que as demais. Ao mesmo tempo, a mão de obra não precisa ser especializada, economizando novamente no custo final.

Como há grande espaço entre os vão, outro benefício da laje é o espaço criado para trânsito. É possível trafegar com carros e até grandes veículos, sem muitos problemas para manobras. Por isso, ela é ideal para garagens, estacionamentos, e para locais como hospitais, clubes e outros.

Existe também grande durabilidade e segurança nesse tipo de estrutura. Isso porque as peças não têm perigo de corrosão. As vantagens ainda incluem sua facilidade de montagem e desmontagem e a velocidade de execução da obra.

Quais as desvantagens?

Apesar desses benefícios da laje nervurada, existem desvantagens em utilizar a opção. Desvantagens essa que devem ser consideradas no momento da escolha por essa ou outro tipo de laje.

É o caso, por exemplo, do aumento da dificuldade em combinar o sistema a outros. Como instalações hidráulicas ou vedações da estrutura. A montagem da estrutura ainda é requer o cumprimento de um maior número de operações. Apesar de mais rápido, o sistema pode dar pouco mais de trabalho.

Ao mesmo tempo, é necessária maior atenção no momento da concretagem da superfície. Afinal de contas, não deve haver, de modo alguns, espaços vazios nas nervuras entre as cubetas. O concreto é fundamental para manter a segurança da estrutura, uma vez que sua quantidade será bastante menor do que nas lajes comuns. Considere ainda que as cubetas podem se movimentar durante a concretagem, e por isso é essencial fazer seu posicionamento preciso.

Com isopor

Até aqui, explicamos todo o processo de realização da laje nervurada “clássica”, aquela que possui “buracos” ao fim do processo. No entanto, existe também a opção de laje que não possui buracos, mas sim “divisão” visível em quadrados. Nesse caso, parte do processo de construção é bastante diferente.

Esse tipo diferente de nervurada é criada a partir do uso de blocos já prontos. Esses blocos podem ser feitos de três materiais principais: de isopor (também chamado de EPS ou poliestireno expandido); de blocos cerâmicos; ou de blocos vazados de concreto.

Qualquer desses blocos, já fabricados, são levados à obra e posicionados do mesmo modo que seria feito com as fôrmas do outro método. São então fixados, recebem estrutura de aço e são concretados. Ao fim, nenhum dos blocos é retirado, mas sim compõe a superfície interna do imóvel.

>> Veja também: Laje de isopor: É segura? aguenta peso? Vantagens e desvantagens

Dentre todas, a laje nervurada com isopor é a que proporciona maior equilíbrio. Primeiro, térmico, uma vez que o EPS não absorve muito o calor do sol. No caso da acústica, o material garante que os sons de fora do imóvel não adentrem o espaço, e que os do interior não “escapem” para fora.

Peças de isopor possuem densidade de aproximadamente 13 kgf/m³. Ou seja, elas são mais leves que qualquer outro material, e potencializa ainda mais a leveza já característica da laje nervurada. Pelo mesmo motivo, as peças têm fácil transporte e montagem, pois são mais práticas de serem carregadas.

Devo utilizar Laje nervurada?

Na hora de escolher o melhor material para a sua laje, é necessário considerar uma série de fatores. Como o espaço desejado entre os vãos, pois existem outras opções de teto para construções semelhantes. Importante ainda considerar a altura desejada do pé-direito, e a praticidade necessária para a obra.

Independentemente da sua preferência, porém, você deve sempre contar com o auxílio de um profissional. Ele será o responsável por estabelecer o melhor projeto, realizar os cálculos necessários, indicar todo o material e mão de obra para a construção e mais.

Poderá, ao mesmo tempo, esclarecer as informações sobre vantagens e desvantagens ao seu caso e, caso necessário, sugerir outro tipo de laje. Não se prenda à laje nervurada: se outra for mais interessante, ela poderá ser “substituída” em seu projeto. O importante é obter o melhor resultado possível à sua obra.

Agora de você já sabe tudo sobre laje nervurada, procure um engenheiro ou arquiteto de confiança e solicite um projeto. Indique qual seu objetivo final e suas ideias iniciais e, junto com o especialista, lapide as informações. Assim, você poderá economizar tempo, materiais e dinheiro.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.