Piso flutuante: Vantagens, Cores, Como Instalar?

Advertisements

O revestimento do piso é uma das últimas partes de uma obra, e por isso uma das mais esperadas. Na hora de montá-lo, são diversas as opções no mercado, que permitem diferentes efeitos dentro do imóvel. Dentre todos, um dos mais interessantes é o piso flutuante. Aliá,s para reformas, ele é um dos mais indicados. Não conhece a opção? Acompanhe nesse texto, e descubra como utilizá-lo!

Piso flutuante: o que é?

O processo de instalação de um piso geralmente envolve o nivelamento do chão, argamassa e piso. No caso de troca de um já existente, é comum a retirada do pavimento existente, e só então a instalação de um novo. Haja trabalho! Para facilitar esses processos, então, é possível utilizar o piso flutuante, que tem instalação rápida e facilitada.

Piso flutuante consiste num material instalado geralmente sobre um já existente. Suas peças são encaixadas sobre si, e geram um pavimento bonito, nivelado e novo, sem a necessidade de retirada do anterior. Algo que também caracteriza a opção é sua semelhança com a madeira, que muitas vezes o faz ser confundido com o material.

Um piso flutuante se destaca principalmente por seu aspecto visual. Se bem instalado, seu resultado é bastante bonito. Também oferece sensação de bom acabamento, além de aconchego. O produto é também resistente, podendo durar décadas sem a necessidade de trocas ou reparos. Existem quatro tipos de piso flutuante: o laminado, vinílico, carpete e madeira estruturada. Cada um será explicado em breve neste texto. Continue acompanhando!

Vantagens do piso flutuante

A primeira vantagem em utilizar o piso flutuantes está justamente na sua semelhança com a madeira. Bonito como o material original, esse pavimento é também mais barato. Ambos têm a capacidade de criar um espaço aconchegante e visualmente agradável, principalmente se combinado corretamente com o restante da decoração.

Outro benefício desse tipo de pavimento é sua velocidade de instalação. Como as peças do piso se encaixam, não é necessário nenhum tipo de material de fixação, como a argamassa. Isso torna o trabalho de montagem muito mais simples e rápido. Além disso, a opção dispensa a necessidade de retirada de um piso já existente, podendo ser instalado sobre ele. Além de economizar tempo, neste caso, o consumidor economiza dinheiro pago à mão-de-obra e evita sujeira.

Quando bem aplicado, o piso flutuante também proporciona bom isolamento. Tanto acústico, quanto térmico. Isso porque, na sua instalação é utilizada manta sob o pavimento. Essa manta tem a capacidade de conservar som e calor dentro do imóvel, evitando, inclusive, que ruídos atrapalhem os vizinhos. Por isso, ele se faz ainda mais interessante para apartamentos, em que outros moradores estão tão próximos. Em dias frios, o material também conserva calor, evitando que o toque seja desconfortável e frio ao indivíduo.

Finalmente, o material é barato. Tanto se comparado à madeira “original”, quanto a outros pavimentos, como o porcelanato.

Desvantagens da opção

Como citado anteriormente, o piso flutuante oferece ótimo isolamento acústico, preservando os sons dentro do imóvel. Essa característica, porém, também pode incomodar. Afinal, como o som não “escapa”, acaba por ecoar dentro de casa. Assim, se você tem crianças em casa, ele pode não ser a melhor alternativa. Afinal, a constante queda de brinquedos, por exemplo, poderá provocar o “dobro” do barulho original.

Outra desvantagem desse tipo de assoalho é sua pouca resistência à água. Quando algum líquido cair sobre a superfície, é indicado realizar a secagem o quanto antes. Do contrário, a água poderá penetrar o piso e causar manchas e até estufamento. Por isso, aliás, esse tipo de pavimento não é indicado para ambientes úmidos, como a cozinha ou o banheiro.

Como é feita a instalação?

Apesar de mais rápido que outras opções, a instalação do assoalho flutuante requer alguns cuidados especiais. Por isso, é fundamental que ele só seja montado por um profissional especialista. Principalmente porque é necessário fazer o nivelamento adequado do solo antes do posicionamento das peças. Como conhecem bem os materiais, os indivíduos capacitados também conseguem diminuir o desperdício do produto para quase zero. Assim, há maior economia de valores.

O processo de instalação do revestimento flutuante começa com a preparação do piso. Ele precisa ser nivelado, especialmente nos pontos em que houverem “buracos”. Depois, o soalho recebe uma manta feita de polietileno, que possui aproximadamente dois centímetros de espessura. Logo depois, é posicionada lona plástica, que funcionará como o material impermeabilizante do solo.

Há casos em que, é interessante instalar logo depois uma manta de EVA. O material será ao responsável por potencializar o isolamento acústico e térmico do ambiente, e só será utilizado se este for o objetivo. Em seguida, as tábuas que vão compor o piso flutuante são serradas segundo projeto de pavimento. Posicionadas na mesma posição que a parede principal do cômodo, elas são colocadas lado a lado, de forma que se seguirem juntas.

Em cada um dos cantos de cada parede, é necessário deixar um centímetro de espaço disponível. Isso porque a madeira “falsa” costuma se expandir. A brecha deixada vai permitir essa dilatação sem que o nivelamento da superfície seja prejudicado.

Por esse motivo, inclusive, é indicado que a montagem seja realizada num dia com temperatura entre 18 e 20 graus Celsius. A taxa de umidade do ar ideal para esse mesmo dia gira em torno de 50% e 60%. O piso, no entanto, poderá ser instalado normalmente mesmo que não hajam essas condições disponíveis.

Piso vinílico: o primeiro piso flutuante

O piso vinílico é um material produzido por meio do policloreto de polivinila, conhecido como PVC. O produto está disponível no mercado em formato de mantas, réguas e placas, sendo que para áreas mais extensas as placas e mantas são as mais indicadas, por serem maiores.

Um pavimento deste tipo é protegido por resina de poliuretano. Logo, ele tem característica anti alérgica bastante interessante, sendo ideal para instalação nos quartos. Afinal, não vai provocar qualquer tipo de alergia nos ocupantes do espaço, mesmo à noite, em que casos desse tipo são comuns.

Materiais desse tipo também não são muito suscetíveis a manchas. A menos, é claro, que um líquido permaneça por tempo demasiado sobre ele. Nesse caso, é provável que marcas acabam por aparecer. O piso ainda risca se abrasão for forte, como a de um móvel pesado sendo arrastado. Em situações comuns, porém, não costuma apresentar grandes problemas.

Uma desvantagem do vinílico é que sua cor desbota com a incidência do sol. Nesse caso, o produto acaba por aparecer com a cor “queimada”, pouco atraente no visual do imóvel. Caso aconteça, é necessário trocar as peças para garantir uma nova tonalidade vivaz. Desse modo, é interessante instalar o piso de PVC apenas em locais que não tenham incidência solar direta, mesmo que para isso seja necessário inserir uma cortina na janela.

Por fim, o piso suporta bem a água, mas não deve nunca ser submerso. Assim, ele não é indicado para áreas como o banheiro, ou para áreas externas. Em sua limpeza, um pano úmido já será o suficiente.

O piso laminado

O pavimento laminado é um que possui materiais derivados da madeira em sua composição. Materiais como o HDF (painel de madeira de alta densidade) e o aglomerado. Essa composição cria certa incompatibilidade das peças com a água, uma vez que a absorção de líquido pode manchar e estufar o assoalho. Por isso, líquidos que caírem sobre a superfície devem ser logo limpos.

Para seu visual brilhante e bonito, o produto recebe uma camada decorativa cheia de resina. Ele está disponível em formas de réguas, que podem ser instaladas sozinhas, se encaixando, ou então por meio do uso de cola sem cheiro. A melhor escolha será realizada pelo profissional responsável pela obra, de acordo com o piso já presente e o espaço a ser coberto.

Uma vantagem interessante do piso laminado é sua mobilidade. Isso quer dizer que, se você for mudar de casa, poderá desmontar seu piso e levá-lo para cobertura do pavimento do novo imóvel. O material, de qualquer forma, deve se posicionado em ambientes secos, e com a temperatura amena. Logo, é indicado para cômodos como o escritório de casam quartos e salas.

Para que riscos sejam evitados sobre a superfície, é interessante instalar feltro nos pés dos móveis, mesmo os mais leves, como cadeiras. Na hora de limpar a superfície, o mais eficaz costuma se utilizar o aspirador de pó. Um pano úmido com pouco detergente é igualmente interessante, pois permite fazer o assoalho voltar a brilhar.

Veja também: Curso de azulejista

Carpete de madeira

O chamado carpete de madeira, por sua vez é um material recoberto por finas lâminas de madeira. Disponível em réguas finas, que são instaladas juntas e se prendem mutuamente, o pavimento é indicado para locais de circulação menor, como closets e quartos.

Dentre todos os pisos flutuantes, o carpete é o que possui a maior semelhança com a madeira real. Isso torna o ambiente bastante aconchegante e confortável, além de proporcionar conforto térmico potencializado.

Utilizar do carpete de madeira, porém, é também possuir um revestimento com pouquíssima resistência à água. Sua resistência também é menor que a de outras opções. Primeiro, porque ele está mais propenso a riscos, inclusive os provocados por móveis. Assim, é necessário cuidado dobrado ao arrastar das peças pela casa.

Piso de madeira estruturado

A última opção de piso flutuante disponível no mercado é o piso de madeira estruturado. O pavimento é formado por madeira maciça junta a lâminas de celulose. São essas lâminas que simulam a aparência de madeira real. Apesar de tão próximo visualmente, porém, o material é muito mais barato que a madeira de verdade, e permite a instalação sem gastar muito.

A durabilidade desse tipo de assoalho é de aproximadamente 60 anos. O período, no entanto, pode facilmente aumentar se o cuidado com ele for grande. É preciso, por exemplo, instalar feltro sob os móveis, e evite arrastá-los. O acúmulo de água também deve se prevenido, pois a madeira pode absorver o líquido e inchar.

Veja também: Pisos para área externa

Visual dos produtos

Na hora de escolher o piso flutuante ideal para seu imóvel, mais do que analisar seu tipo, você precisa considerar seu visual. Cada um dos produtos possui visual diferente, que pode se adequar melhor à decoração e móveis já existentes na sua casa.

O piso vinílico, por exemplo, tem visual mais “inteiro”, uma vez que geralmente é instalado por meio das mantas. Isso cria aspecto mais liso e contínuo no chão. O resultado é muito interessante principalmente para quando existe grande espaço livre, sem móveis no caminho. Isso porque cria um aspecto de maior amplitude do cômodo.

Já o piso laminado é composto por grandes e compridas tábuas. Assim, seu visual é menos “cortado”. Ele também cria certa amplitude de espaço, principalmente se escolhido numa cor mais clara. Peças em tons mais escuros, porém, também trazem vantagens, criando maior elegância e requinte ao ambiente.

No caso do carpete de madeira, seu brilho característico dá à decoração um charme a mais. A sensação de aconchego em espaços cobertos por ele é grande, tal qual a variedade de “estampas” e padrões da madeira.

Finalmente, o piso de madeira estruturado é geralmente formado por réguas pequenas de madeira. Isso cria aspecto mais “cortado” do chão, tornando o assoalho extremamente aos pisos de madeira comum. Ele também possui brilho característica, principalmente se limpo com a ajuda de cera específica para o pavimento.

Piso para banheiro

Você deve ter notado que não indicamos nenhum dos pisos flutuantes para o banheiro. Afinal, as peças que imitam madeira podem manchar e inchar com o contato intenso com a umidade. Isso não significa, porém, que não é possível investir num belo piso para a casa de banho.

Indiscutivelmente, a melhor opção de pavimento para esse cômodo ainda é a cerâmica. Fácil de limpar e pouco derrapante, o material não absorve água, nem é danificado por ela. Considerando que existem diversas cores, texturas e estampas para o produto, a decoração do ambiente pode ser produzida do modo que o consumidor desejar.

Além desse, as pastilhas também podem ser utilizadas no ambiente úmido sem preocupação. As pastilhas são pequenos “quadradinhos” de cerâmica, e conseguem criar visual delicado. Sua utilização também dá ar retrô ao cômodo, dando personalidade incrível ao espaço.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.