Piso para garagem

Advertisements

O piso para garagem deve possuir algumas características básicas. Como a resistência a impactos, uma vez que veículos são bastante pesados. Caso possuam resistência contra arranhões, ainda melhor, pois as rodas do veículo tendem a causar marcas.

Pisos para essa área ainda devem ter característica antiderrapante. Do contrário, seria perigoso manobrar o carro no espaço. Além disso, é claro, o material escolhido deve combinar com a decoração de sua casa. Como geralmente a garagem se encontra na fachada, o piso fará imenso diferencial no visual do seu imóvel.

Acompanhe neste texto os tipos de piso e dicas para escolhê-lo!

Tipos de piso para garagem

A primeira alternativa de piso para a garagem é o concreto. Mais simples e a barato, a alternativa tem característica áspera, e, portanto, antiderrapante. No entanto, não basta apenas cobrir o solo com camada de cimento: o material deve ser queimado.

Queimar o cimento não tem nenhuma relação com o uso do fogo. O processo funciona por meio da aplicação de pó de cimento sobre a superfície de argamassa ainda mole. Ou seja, para montar o pavimento é necessário preencher o chão com uma mistura de cimento, areia e água.

Essa superfície terá aproximadamente 30 milímetros. Com o pavimento ainda mole, deve-se jogar o pó de cimento sobre ele. Em seguida, é preciso utilizar uma desempenadeira de aço, espalhando o pó uniformemente. Esse cuidado é fundamental, pois um piso mal queimado fica mais suscetível a buracos e esfarelamento.

Ao fim, o aspecto será bastante nivelado e liso. Ele pode permanecer com esse visual, ainda cinza, ou ser pintado. A pintura com tinta específica pode criar um design mais atraente da estrutura simples.

Pedras são também interessantes para aplicação no solo. Resistente, o material é uma das mais elegantes que um piso para garagem pode possuir. Especialmente porque existem muitas opções disponíveis no mercado. Como a pedra Miracema, que é um granito bruto em tons de cinza.

Já a pedra Goiana possui diversas pequenos pontos coloridos, em tons de ouro e prata. Enquanto isso, as pedras Portuguesas são aplicadas com vários rejuntes entre si, pois são pequenas. Essa aplicação garante ótimo atrito dos pneus do carro com o solo, evitando o escorregamento. O custo de qualquer pedra no chão é mais alto que outras alternativas. No entanto, a resistência e durabilidade do produto é enorme, valendo o investimento.

Ladrilho, concregrama e intertravado: vantagens e desvantagens

Também com ótima resistência e durabilidade, há o ladrilho hidráulico. Seu visual é semelhante cerâmicas, mas as peças são feitas de cimento. Antiderrapante, o produto pode ser considerado para pavimento das garagens, mas com uma ressalva: ele possui pequenos “poros”. Esses furinhos o tornam mais suscetível a manchas, uma vez que as sujidades se acumularão neles.

No concregrama, a principal característica é sua permeabilidade. A alternativa é a ideal para garagens abertas, em que o acúmulo de água precisa ser evitado. Isso uma vez que o piso é formado por partes de grama e cimento intertravadas. Os trechos de grama permitem a drenagem da água, enquanto a de cimento garante o resultado antideslizante.

Pisos intertravados também são drenantes. A superfície é montada por meio do posicionamento de diversas pedras juntas. As peças não recebem nenhum tipo de material “colante”, como a argamassa. Colocadas umas do lado das outras, elas se intertravam automaticamente. Quer dizer, se prendem ao pavimento. Para isso, é necessário somente construir bases laterais no piso. Essas bases serão as responsáveis por “empurrar” as peças umas contra as outras.

Os formatos das pedras, por sua vez, são os mais variados, podendo criar diferentes composições. Há, por exemplo, porções hexagonais, quadradas, retangulares, quadrados e outros.

Resistente e antiderrapante, o piso intertravados pode também receber trechos em grama. Nesse caso, o pisograma funciona como uma moldura de concreto que permite o crescimento de grama no seu centro. O resultado é um quadrado com bordas de cimento, e verde no meio. Essa opção tem capacidade drenante imensa, garantindo até 60% de permeabilidade do solo.

A cerâmica e o fulget

Bastante comum em qualquer espaço da casa, há ainda os pisos cerâmicos. Com diferentes texturas e desenho, as peças são as mais interessantes para criar uma decoração interessante. Afinal, seu aspecto pode imitar madeira, mármore, ser colorido, cheio de formas geométrica ou mais.

Existe, contudo, uma grande desvantagem em inserir a cerâmica na garagem: o barulho. O contato de atrito dos pneus com o chão provoca ruídos altos e pouco agradáveis. O material, de qualquer forma, é dos mais fáceis para a manutenção da limpeza. Basta apenas água, sabão e um pano limpo para a retirada de sujidades. É fundamental que os quadrados tenham acabamento antiderrapante.

Se você deseja uma cerâmica sem barulho, pode escolher a emborrachada. Naturalmente antiescorregamento, o pavimento pode ser executado por meio de placas emborrachadas, montadas como um quebra-cabeça. Ou ainda por meio da pintura emborrachada em algum piso já existente. No entanto, a opção tende a sofrer mais arranhões e acúmulo de sujeira.

Finalmente, há o fulget. Também chamado de granilite lavado, o produto tem textura áspera e antiderrapante. Ele é produzido por meio da mistura entre o cimento, aditivos e granulados de pedras de várias cores.

Seu aspecto é bastante bonito, formado por pequeninas pedras. A limpeza da superfície também é muito fácil, podendo ser feita com água e sabão. A cada um ano, deve ser realizada lavagem mais “intensa”, com jato de água. Em seguida, é interessante aplicar resina impermeabilizante. O produto vai impedir que a água da chuva deteriore o solo.

Renovar o pavimento é igualmente simples. Nesse caso, é necessário apenas aplicar nova camada de fulget, e ele se torna “novo em folha”.

Que material não utilizar?

Dentre todas as alternativas de piso disponíveis no mercado, é fundamental evitar aqueles que escorregam. Afinal, a manobra do seu veículo na garagem seria dificultada. Ainda assim, é comum perceber o uso do porcelanato nesses espaços.

O porcelanato é um material bastante resistente. Se destaca, no entanto, por sua beleza, sempre brilhante e lisa. Vendido em grandes placas, o material é nobre e interessantíssimo à decoração. No entanto, tenha cuidado com a escolha: como é escorregadia, é melhor substituir a opção por outras, tão bonitas quanto, mas antiderrapantes.

Ainda assim, é possível utilizar o porcelanato na área externa, e não perder em segurança. Para isso, é necessário escolher tipos específicos do material. Como o chamado porcelanato natural, que é pouco escorregadio. Bastante resistente, ele possui visual mate, ou seja, mais fosco. O resultado é um ambiente que transmite, inclusive, a sensação de aconchego. Assim, quando o carro não estiver posicionado, a garagem pode se tornar um agradável espaço para descanso.

Porcelanatos “ext”, de qualquer modo, são os mais interessantes para áreas externas. Com superfície abrasiva, o produto não escorrega. Mesmo que esteja molhado, a chance de derrapagem é pequena.

Como escolher o piso para garagem

Na hora de escolher o piso para sua garagem, é fundamental ter atenção a alguns aspectos. Como a já citada característica antiderrapante do material, uma vez que ele será o responsável por manter a segurança de manobras.

Reflita ainda sobre o posicionamento de sua garagem. Quando visível da rua, ou por toda e qualquer visita que chega em seu imóvel, é interessante criar um ambiente mais bem decorado. O piso cerâmico ou porcelanato podem atender bastante bem a esta situação.

Caso a garagem fique mais “escondida”, o piso mais simples pode ser sufi ente. É o caso do cimento queimado, ou o fulget. Em todo caso, é essencial combinar o visual da garagem com o restante do imóvel. Você pode fazê-lo por meio da definição das cores, ou ainda pelo aspecto mais moderno ou rústico. Assim, a composição final da sua casa será bastante bela.

Em casos de garagens cobertas, a escolha não é tão limitada. Para espaços expostos ao sol e à chuva, no entanto, é mais interessante escolher pavimentos drenantes. Como os de material intertravados, com pedras naturais ou Portuguesas.

Para qualquer piso fabricado, ou seja, não naturais, é necessária atenção ao seu nível de resistência. É o caso da cerâmica ou do porcelanato, por exemplo. O ideal é que o produto sempre possua resistência PEI 4. A característica garante que ele será resistente ao alto impacto de veículos e do tráfego de pessoas. Também costuma ter limpeza mais fácil.

Cuidados especiais com o piso para garagem

A qualidade dos materiais também deve ser bem observada. É importante adquirir peças com empresas especializadas e confiáveis. Você precisa ter a certeza de que está pagando pela resistência adequada, o que será obtido por insumos de fabricação de bom nível.

Ou seja, atenção à marca do piso. Uma empresa conhecida tem maior chance de agradar. Na dúvida, converse com o vendedor da loja de materiais de construção. Ele poderá sugerir a melhor alternativa ao seu imóvel.

Contrate ainda profissional especializado na instalação do piso escolhido. Apenas com o conhecimento adequado o indivíduo poderá entregar bom resultado. Sem falhas, sem marcas, e com durabilidade garantida.

Se não for bem posicionado o piso pode, por exemplo, afundar com as altas cargas de um carro. O desgaste, nesse caso, é também amis intenso, e poderá levar inclusive à quebra das peças.

Lembre-se ainda de fazer a manutenção adequada do pavimento. Cada tipo de piso para garagem tem especificações específicas de lavagem, indicadas pelo fabricante. Geralmente, porém, água, sabão líquido neutro e um pano limpo costumam ser suficientes. Ainda é possível aplicar produtos como para a impermeabilização do espaço.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.