O calculo de escada, sem dúvida, pode ser um trabalho estressante. Contudo, se uma escada for construída erroneamente, ela é considerada um erro grave em qualquer tipo de arquitetura, podendo até ter consequências na saúde das pessoas (principalmente no joelho). Por isso, é um trabalho importante para a obra.

Se você chegou nesse texto, meu amigo saiba você está com sorte! Pois vamos mostrar todo o procedimento necessário para criar um calculo de escada sem erro, podendo até mesmo servir em outros tipos de escadas.

Quais são os elementos presentes numa escada?

Você já se perguntou dos nomes dos elementos que fazem uma escada? Provavelmente nem sabia da existência disso, não é mesmo? A escada é composta por vários tipos de elementos que podem ser importantes para fazer cálculo de escada, pelos quais são:

  • Corrimão – Também chamada de mainel. Geralmente é uma barra de superfície lisa e arredondada presente no guarda-corpo da escada. Sua principal função é proporcionar tanto equilíbrio como apoio para o corpo do individuo que sobe ou desce uma escada;
  • Guarda-corpo – Assim como o corrimão, o guarda-corpo é responsável em garantir segurança, especificamente, impedindo que algum indivíduo despenque de um espaço elevado ou com desníveis. Esse elemento é um componente vertical visível ao longo da escada, embora sua função seja oferecer proteção às pessoas, o guarda-corpo pode servir também como decoração;
  • Patamares – Embora esse elemento não seja necessário em alguns tipos de escadas, ela serve como descanso quando uma escada consegue ultrapassar uma altura de 2,90m ou mais. Ela é aquela superfície horizontal com área maior em relação aos degraus, muito comum em escadas em zigue-zague;
  • Espelhos – O espelho é a superfície vertical que está frente do degrau. Além disso, é ela quem dar altura ao degrau;
  • Pisos – O último, mas não menos importante elemento da escada. É nela que colocamos o pé durante nossa subida e descida da escada. Pode ser denominada como degrau.

Fórmulas que facilitam a vida, a fórmula de Blondel!

Existe uma fórmula que faz ou fez terror na vida de muito estudante ou formado em arquitetura ou alguma área da engenharia: a Fórmula de Blondel, criado pelo  matemático Nicolas François Blondel.

Nicolas François Brondel (1618 – 1686) foi um diplomata, professor, matemático, militar, engenheiro civil, urbanista e arquiteto militar da França. Sim, como se pode observar, o homem com certeza não foi pouca coisa.

Durante suas viagens de diplomata pela Europa, observou como os soldados subiam e desciam rapidamente as escadarias dos quartéis. Nisso em mente, buscou criar a escada mais rápida, a mais eficiente e a mais segura para facilitar o movimento das tropas dentro dos quartéis.

Em suas observações e estudos, percebeu que o passo das pessoas em ritmo normal pode variar entre 63 a 64 cm durante uma caminhada. Porém, durante a subida de uma escada, se mudava o ritmo dos passos. Isso levou a conclusão de que o ritmo de caminhada pode aumentar ou diminuir conforme o tamanho da altura do degrau.

A Fórmula de Blondel se compõe basicamente na altura de 2 degraus acrescentados do valor da largura de 1 degrau. Seguindo esse raciocínio, encontramos a seguinte equação para fazer o cálculo de escada:

2 alturas dos espelhos + 1 piso ou profundidade = variação de 1 passo.

AVISO: a variação é entre 63 cm a 64 cm.

Então: 2E + P = 64 cm.

2E = Altura do Espelho

P = Profundidade

AVISO²: Não se esqueça de se lembra das normas de acessibilidade durante o cálculo da escada. Já que são exigidas por lei para todo tipo de construção, obra e até mesmo reforma. Afinal, a Fórmula de Blodel não considera as pessoas com deficiência físicas ou outros fatores que dificultam sua mobilidade ao usar escadas, em seu cálculo original.

Entendendo o cálculo de escada

A Fórmula de Blondel só ganhou forma após muitos estudos e observações empírica do Nicolas. Chegando à conclusão de que quando o degrau for aumentado 1 cm, o tamanho do passo encolhe 2 cm.

Tais medidas são pensadas para projetar uma escada confortável e pronta para uso, sem que necessite de esforço desnecessário para subir ou descer os degraus e segura. Partindo desse cálculo de escada, finalmente, podemos chegar à parte de medir os degraus.

Para um cálculo de escada bem feito, o degrau posto sobre um espelho deve ter sua altura entre 16 cm e 18 cm, e o pé de uma pessoa média deve ser de 25 cm.

Hoje em dia, a norma NBR 9050 – Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos deve ser incluída junta na equação de Blondel, já que é a norma de acessibilidade da ABNT. Em consequência dessa adição, para que a fórmula se enquadrasse melhor com a lei de acessibilidade na arquitetura, o cálculo de escada do Brondel sofreu algumas alterações:

Você é engenheiro(a)? Não está ganhando o quanto deveria?
Conheça essa oportunidade no mercado. Vistoria Cautelar de Vizinhança

Clique aqui

O piso precisar ter entre 28 a 32 cm.

O espelho precisa ter entre 16 a 18 cm.

Então a Fórmula de Blondel com a NBR 9050 ficará assim: 63 < 2E + P < 65

Essa fórmula também é conhecida como Fórmula Blondel-Abnt.

Calculando a altura do espelho

Para poder conseguir fazer o calculo da escada, precisamos do valor da altura do espelho. Para adquirimos esse valor, primeiramente, precisamos usar a medida mínima exigida de 28 cm para a largura do piso.

Utilizando a fórmula de Blondel:

2E + P = 64 cm

2E + 28 = 64

2E = 64 – 28

2E = 36

E= 36 : 2

E = 18 cm

Observando esse cálculo, se definiu 18 cm como o espelho dos degraus da escada, ou seja, a altura de cada degrau.

Calculando o número de pisos

Antes mais nada, devemos começar calculando o número de espelhos antes do calculo de pisos por m². Se a altura entre o pavimento anterior e o superior, for de, por exemplo, 2,7m (270 cm) então ficará mais fácil achar o número de espelhos necessários para uma escada de qualidade e que cumpra os requisitos da lei de acessibilidade.

Divida a altura total (simbolizado pelo H) pera altura dos degraus (Espelhos, simbolizados pelo E) que definimos como 18 cm. Ficando assim:

Números de espelhos = H/E

Números de espelhos = 270 : 18

Números de espelhos = 15

AVISO³: O número de espelhos não é igual ao número de pisos de uma escada. Para calcular o número de pisos corretamente, só basta lembrar-se da seguinte frase: “o número de pisos é sempre uma unidade menor que o número de espelhos”.

Por exemplo, se temos 20 espelhos e queremos calcular o número de pisos, só devemos lembrar que o cálculo para saber a quantidade de piso será sempre E – 1. Portanto, nesse caso, necessitará de 19 pisos.

Você é engenheiro(a)? Não está ganhando o quanto deveria?
Conheça essa oportunidade no mercado. Vistoria Cautelar de Vizinhança

Clique aqui

Encerrando

Realizar o cálculo de escada conforme as normas técnicas pode ser realmente um monstro irritante nos seus estudos ou até mesmo no trabalho. Afinal, é uma atividade que exige uma educação técnica adicional para ser realizada com eficiência; aonde até mesmo universitários ou estudantes já formatos na área de arquitetura ou engenharia devem estudar com bastante afinco os detalhes das regras da Fórmula de Brondel-Abnt.

Pelo fato de que, não seja incomum a teoria ser diferente da prática, podendo se tornar um trabalho árduo e irritante, tomando o tempo da obra. Em casos assim, é necessário revisitar a norma técnica que rege o cálculo de escada.

Portanto, o trabalhador precisar ser bem preparado para a tarefa, e não pode, de jeito nenhum, errar o cálculo da escada, além claro de ter bastante conhecimento nas normas de acessibilidade.

Eaí? Gostou do texto? Então compartilhe nas suas redes sociais ou em qualquer rede de contato que tenha!

Write A Comment