Como Cuidar de Violetas: Para Florir, Regar, Doentes, Podar

O primeiro cuidado a se tomar com a planta é escolher o local mais adequado para seu posicionamento. Violetas gostam de locais abrigados, e por isso são perfeitas para dentro de casa. Esse local abrigado, no entanto, não deve ser escuro, pois a planta precisa de luz para se desenvolver.

Se você gosta de um pouco de natureza e colorido dentro de casa, este texto sobre como cuidar de violetas é para você. Uma das mais vendidas do mercado, por serem baratas, as flores são ótima opção para todo mundo.

Se você tem pouco tempo, por exemplo, pode facilmente cuidar dessa plantação. Se é aficcionado por plantas, mas não tem tanta habilidade no trato com elas, também. E, claro, se você tem a jardinagem como hobby.

O que é a violeta?

A violeta é, basicamente, a queridinha do brasileiro! Ela pode ser encontrada em supermercados, feiras e até em lojas de variedades. O preço médio de um pequeno vaso é R$3,00, um valor ínfimo para levar um pouco de bem-estar da natureza para dentro de casa.

São muitas as espécies de violeta disponíveis no mundo. Só no Brasil, há mais de 250! A enorme variedade da planta acontece porque ela é amplamente hibridizada. Ou seja, seus produtores “cruzam” as características de diferentes tipos, e então obtém um novo. Por isso, é possível encontrá-las em cores como o violeta, lilás, azul, rosa, branco, e até bicolores.

Seu nome científico é Saintpaulia ionantha. As flores pertencem à família das gesneriaceae, e são caracterizadas por terem pétalas arredondadas. Suas folhas são igualmente arredondadas e pequenas, cobertas por pelinhos sensíveis ao toque. A planta não chega a grande altura: são apenas 15 centímetros, o que a torna perfeita para qualquer espaço da casa. Ou seja, é possível decorar a sala, o quarto, e até o banheiro, dando um pouco de colorido ao ambiente.

Por causa da hibridação comum, no entanto, as violetas podem acabar por apresentar algumas características diferentes, esporadicamente. Há tipos da planta, por exemplo, que ganham pétalas agrupadas, que tornam a planta semelhante a uma minirrosa.

Independentemente da espécie da flor, porém, seu manejo é simples. A planta também possui certa rusticidade, que garante a facilidade em cultivá-la. Suas floradas ainda costumam durar por quase todo o ano, mantendo o ambiente sempre colorido e bonito.

Veja também: Como cuidar de orquídeas em vaso

Tipos de Violetas

Como já citado, só no Brasil existem mais de espécies de violeta disponíveis ao consumidor. Três delas, porém, são as mais comuns nas casas, pois são mais fáceis de serem encontradas em lojas de variedades e supermercados.

Primeiro, há a chamada Amor-perfeito, ou Viola Tricolor. A espécie é das menores que existem, e traz flor delicada e atraente. Nela, há sempre três pequenas pétalas. Atrás dessas, cresce uma ou duas pétalas menores, como que envolvendo, ou “protegendo” as mais frágeis. O miolo amarelado é outra característica marcante da planta, e cria belo contraste na flor. Geralmente, é possível encontrar a espécie com pétalas amarelas, roxas, azuis ou brancas.

A Violeta-dos-campos, Viola Arvensis, também é comum. Suas flores podem ser muitas vezes coloridas, mas a que mais chama a atenção é a que possui flores brancas. Muito comum na Europa, a planta é a primeira a indicar a chegada da primavera no hemisfério Norte do planeta.

Claro, há ainda a Violeta-brava, ou Viola Canina. Sua cor mais marcante é sempre o azul, apesar de existirem pétalas de cores diversas. As flores dessa espécie surgem entre os meses de abril e julho. Suas pétalas são mais finas e separadas, dando aspecto mais rústico à flor.

Para tipos diferentes e mais “requintados”, com cores diversas, a melhor alternativa é ir diretamente à floricultura. Na loja especializada, além de encontrar maior variedade da planta, você poderá contar com um especialista no assunto. Assim, sua escolha será ainda mais acertada. Especialmente para combinar com sua personalidade, e com o espaço disponível para posicionamento da flor.

Como cuidar de violetas para florir?

São três os cuidados básicos para fazer a sua violeta florir: a iluminação, a irrigação e o vaso.

Vamos ao primeiro deles: investir na iluminação adequada da planta. Assim como qualquer outra, a violeta precisa da luz do sol para realizar fotossíntese, gerar energia e se desenvolver. Contudo, suas pétalas e flores não devem sofrer a incidência direta do sol forte. Em vez disso, tente colocar o vegetal à meia sombra, ou com algum vidro ou outro objeto bloqueando parte dos raios. Assim, a violeta receberá apenas aquilo que necessita.

Outro cuidado importante diz respeito à irrigação da planta. Uma violeta deve ser constantemente regada, mas não de forma excessiva. Se o seu substrato permanecer encharcado, pode ocorrer o desenvolvimento de fungos e bactérias, que prejudicarão as raízes e todo o desenvolvimento da flor. Afinal, o vegetal não conseguirá absorver adequadamente os nutrientes do solo.

Por isso, sempre mantenha o substrato úmido, mas cuidado com o exagero. O ideal é observar o vaso no dia a dia, para verificar o melhor momento para rega.

Finalmente, invista no vaso correto. As melhores peças costumam ser as de barro, pois permitem a manutenção de uma umidade constante e interessante à planta. As violetas também podem ser cultivadas no chão, mas o solo precisa ser bem drenado. Além disso, a localização da plantação deve, mais uma vez, avaliar a incidência do sol sobre a flor. Pode ser difícil encontrar um lugar fixo que possua essas características, de drenagem e sol, mas é possível fazer avaliação detalhada da opção, inclusive com o auxílio de um paisagista.

Como cuidar de violetas?

Apesar do trato com as violetas ser simples e fácil de integrar ao cotidiano, a planta merece atenção dedicada. Seu cultivo requer sempre atenção e periodicidade, para que ela floresça saudável e bonita.

O primeiro cuidado a se tomar com a planta é escolher o local mais adequado para seu posicionamento. Violetas gostam de locais abrigados, e por isso são perfeitas para dentro de casa. Esse local abrigado, no entanto, não deve ser escuro, pois a planta precisa de luz para se desenvolver.

Deste modo, é fundamental colocar o vaso num local abrigado do sol e da chuva. Isso porque a exposição direta ao sol pode queimar as folhas e flores da planta. Já a chuva, ou qualquer tipo de umidade exagerada, permite o desenvolvimento de fungos que atacam o vegetal, podendo inclusive matá-lo. Nesse caso, as flores também pode murchar a melar, criando aparência e cheiro pouco agradável.

Logo, o correto é posicionar a violeta próxima a uma janela que recebe bastante luz, mas que não deixe a planta receber raios solares diretamente. Ou seja, os raios devem ser filtrados ao menos pelo vidro da janela.

É importante evitar também o vento, pois a herbácea é bastante delicada. O ambiente ideal para a violeta deve possuir temperatura em torno de 25º C. Veja também: Tipos de Palmeiras

Lugar de violeta é no vaso (de barro)

Outro cuidado importante ao cultivo da planta diz respeito ao seu vaso de plantação. Normalmente, as violetas são vendidas em pequenos vasos de plástico, principalmente as disponíveis em supermercados. O vaso plástico, no entanto, é limitante ao desenvolvimento da planta, pois é difícil até mesmo manter sua umidade adequada. Assim, uma dica é transplantar o espécime para um vaso de barro.

O tamanho do vaso pode ser variado – depende muito do número de violetas a serem plantadas, e da sua preferência. A escolha pelo vaso de barro, no entanto, é sempre acertada porque o barro consegue absorver parte da umidade da planta. Assim, a cada regagem, o vaso retém o excesso de umidade para si, impedindo que as raízes da violeta apodreçam.

Para o transplante do vegetal, é preciso seguir um passo a passo. Primeiro, é preciso inserir no fundo do vaso de barro uma pequena camada de pedras. As conhecidas britas, ou pedrinhas de cascalho, podem funcionar.

Em seguida, é preciso preencher o vaso com uma terra “fortificada”. A mistura para essa etapa deve ser feita com 2 partes de terra comum, 2 partes de terra vegetal e 1 parte de vermiculita. A vermiculita é um remédio indicado para combater pragas. As “partes” da mistura vão ser definidas de acordo com o vaso a ser preenchido. É importante ainda inserir na mistura meia parte de húmus ou adubo, hidrogenado e rico em potássio.

Após preencher o vaso até a metade com essa mistura, você precisa transplantar a planta. Suas raízes devem ser posicionadas no centro do recipiente. Em seguida, complete o vaso com o restante da mistura de terra e complementos.

Veja também: Tipos de orquídeas

Vasos, jardineiras e solo

Para finalizar, é necessário regar a planta de forma generosa. A água deve chegar até o pratinho: isso significa que a água já o suficiente. Essa primeira rega vai permitir que a planta se adeque melhor ao novo espaço. Mas cuidado com o acúmulo de líquido no prato: coloque sempre areia no recipiente. Assim, não haverá a possibilidade da água se acumular e permitir a reprodução de mosquitos. Principalmente o Aedes Aegypti, transmissor de doenças perigosas como a dengue, a febre amarela e o chicungunha. Você poderá perceber a quantidade ideal de água quando o composto ficar úmido.

No entanto, é preciso cuidado especial ao molhar o vaso, cuidado que você conhecerá logo mais. Continue acompanhando o texto “Como cuidar de violetas?”.

Se o objetivo é cultivar várias violetas, uma possibilidade é transferir as plantas para uma jardineira. Nesse caso, porém, não é preciso colocá-las no vaso de barro. Selecione vários vasos, de plástico mesmo, e posicione-os todos dentro de uma jardineira. Depois, cubra tudo com casca de pínus, de modo que apenas as pétalas do vegetal fiquem visíveis. Ou seja, você deverá esconder os vasinhos, pois assim será criada a impressão de que as plantas foram plantadas diretamente na jardineira.

Também é possível cultivar as violetas diretamente no solo. No entanto, é difícil encontrar um espaço que tenha todas as condições necessárias: luz correta, proteção contra o vento, possibilidade de adubação. Um jardim de inverno pode ser adequado, mas vai necessitar de cuidado maior. Se você possuir o ambiente ideal, no entanto, a opção pode ser bastante agradável ao visual de casa.\

Veja também: Plantas para interiores

Como adubar a violeta?

Para manter a violeta forte e saudável, é essencial oferecer a ela os nutrientes adequados. É com esse objetivo que é feita a adubação. No mercado, há fertilizantes específicos para a espécie, que oferecem exatamente o que o vegetal precisa. Esse adubo deve ser aplicado uma vez por semana, ou então segundo a indicação do fabricante.

Além desses fertilizantes, é interessante utilizar húmus de minhoca e farinha de osso, alternadamente. Nesse caso, você pode aplicar um desses compostos também uma vez por semana. O ideal é dar intervalo de 3 a 4 dias entre cada adubagem, intercalando entre os três tipos de adubo.

Além do adubo, é interessante manter a periodicidade de aplicação de formicidas no vaso. Caso esse passo não seja realizado, a planta pode ser atacada por fungos, uma vez que é bastante suscetível a eles. Se a violeta for infectada, a melhor alternativa é descartá-la e adquirir outra. Isso porque o remédio para tratamento da doença só é vendido com receita de um engenheiro agrônomo, enquanto uma nova planta pode ser adquirida facilmente, e por valores bem baixos.

Regagem da planta: cuidados especiais

Como todo vegetal, a violeta também precisa de água periodicamente para se desenvolver. Por isso, é necessário regar a regagem cuidadosa da planta. A umidificação dela deve ser feita três vezes por semana no verão, mas apenas um vez por semana no inverno. O ideal é marcar no calendário os dias para o banho do vegetal, para que a terra tenha tempo de secar até a próxima. A periodicidade definida “acostuma” a planta.

Uma dica igualmente interessante é utilizar água ligeiramente morna para a regagem. Como a retirada do chuveiro. A irrigação em água fria pode acabar manchando as folhas da herbácea.

A água deve sempre ser aplicada na terra, e não nas flores ou folhas da planta. O cuidado é ainda mais importante durante a florada da violeta, pois a água pode melar as flores.

Caso você tenha receio em despejar a água diretamente no vaso, pode inserir o líquido no pratinho e deixá-lo lá durante a noite. A raiz planta fará a absorção do líquido necessário, e o restante pode ser jogado fora. Principalmente porque o excesso de umidade pode apodrecer as raízes. Após isso, lembre-se de preencher o vaso novamente com areia, para evitar a reprodução dos mosquitos.

Minha violeta “morreu”. O que faço?

Seguindo todas as dicas de como cuidar de violetas, suas plantas facilmente terão uma vida saudável e flores bastante bonita. Após certo tempo, porém, é mais que comum que a herbácea deixe de florescer. Nesse caso, porém, você não precisa descartar o vaso: dá para revigorar a espécie!

Para isso, é necessário retirar todas as folhas da violeta. Inclusive se houverem pequenas folhas, ainda em nascimento. O resultado desse processo será apenas miolo da planta, que deverá ser regado continuamente. Nas três semanas seguintes a esse processo, não devem ser feitas adubagens. De quatro a seis semanas, então, a muda de violeta voltará a florescer.

Essa revitalização da herbácea pode ser feita até três vezes. Depois, no entanto, ele se torna inútil, e a solução será adquirir uma nova planta. Ou então formar novas mudas da flor, transferindo apenas seu caule para outro vaso. Veja também: Como cuidar de orquídeas em apartamento

Por fim, em qualquer das etapas do processo de cultivação ou revigoramento, tenha atenção ao aspecto da sua violeta. Se aparecerem manchas queimadas na planta, ela provavelmente foi intoxicada por algum produto químico. Nesse caso, é importante fazer o revigoramento dela, como explicado anteriormente. Se as folhas se tornam amareladas, pode haver excesso de luz, ou falta de nutrientes. Aqui, mude o vaso de lugar e invista na adubação. Elas costumam ser suficientes para tornar a flor bela novamente.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.