Se quisermos testar algo, precisamos coloca-lo à prova. Afinal, como podemos saber se algo tem a resistência necessária para aguentar a pressão do dia-dia sem antes passar por uma prova rigorosa? Até o corpo do concreto precisa realizar uma “prova” para comprovar sua capacidade total. Esse procedimento é realizado usando o corpo de prova concreto.

Quer entender melhor o que é um corpo de prova?

Pois então é só continuar lendo!

Corpo de prova concreto? Pra que serve isso?

Para se testar a resistência e elasticidade do concreto, é necessário realizar teste para verificar se suas qualidades estão adequadas para o uso. Por isso, são retirados amostras de corpo de prova de concreto para a realização de ensaios.

Antes de mais nada, é importante salientar o fato que os procedimentos para moldagem e cura, retirada de moldes e também a colocação e transportes dos corpos de provas são todos regidos na norma NBR 5738:2015. Portando, sempre é bom ler a norma nua e crua para evitar qualquer duvida.

Primeiramente, a construtora precisará moldar seis corpos de prova por lote de caminhão entregue na obra. Os corpos de provas de 10×20 são para o teste de resistência contra compressão, já os de 14×30 são para testes de elasticidade.

Os moldes devem possuir o formato cilíndrico e ter altura igual ao dobro do diâmetro. Dependendo do tipo de concreto e da dimensão dos agregados utilizados neles, os diâmetros podem ser de 10, 15, 20, 25, 30 ou 45 centímetros.

Já para os concretos convencionais ou compostos por agregados com dimensão máxima característica igual a 25 mm, pode utilizar moldes de dimensões de 10 cm de diâmetro e 20 cm de altura.

Os testes podem ser realizados pela concreteira, mas o melhor caminho a seguir é o recolhimento de amostra feita pela construtora, para realizar teste em laboratórios independentes.

Normas, leitura obrigatória

Para total entendimento do uso do corpo de prova concreto, é necessário gostar de ler bastante. Pois a NBR 5738:2015 é composta de oito normas para realizar todo o regimento necessário para que os ensaios e o corpo de prova sejam aplicados corretamente.

  • ABNT NBR 9833, Concreto fresco – Determinação da massa específica e do teor de ar pelo método gravimétrico;
  • ABNT NBR 12142, Concreto – Determinação da resistência à tração na flexão de corpos de prova prismáticos
  • ABNT NBR 12655, Concreto de cimento Portland – Preparo, controle, recebimento e aceitação;
  • ABNT NBR 15146-1, Controle tecnológico de concreto – Qualificação de pessoal. Parte 1: Requisitos gerais ;
  • ABNT NBR NM 33, Concreto – Amostragem de concreto fresco;
  • ABNT NBR NM 36, Concreto fresco – Separação de agregados grandes por peneiramento;
  • ABNT NBR NM 47, Concreto – Determinação do teor de ar em concreto fresco – Método pressométrico;
  • ABNT NBR NM 67, Concreto – Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone.

Fiscalizando o corpo de prova

Para a realização de testes no corpo de prova é requisitado contratar um laboratório que possua autorização do Inmetro. Além disso, é recomendada também a preparação de um funcionário da equipe para acompanhar os serviços feitos pelo laboratório.

Esse funcionário deve possui conhecimento técnico de cada passo para que certificar que as amostras retiradas estão sendo feitas da maneira correta, para que tudo saia conforme a norma técnica.

Ainda mais, é necessário que seja separado um local da obra fechado e bem arejado para a moldagem e armazenamento dos corpos de prova até que sejam transferidos para o laboratório. O funcionário designado para a tarefa de certificar as retiradas do molde deve prestar atenção no moldador na hora de retirar a quantidade de amostra, afinal, não queremos nada saia conforme a norma.

A razão pelo qual toda essa vistoria seja realizada é por causa dos possíveis erros de amostras que podem ser coletadas. Por isso, uma pessoa a mais fiscalizando é sempre uma boa garantia.

Preparação do molde

A preparação do molde deve seguir certos procedimentos que estão presentes na norma ABNT NBR NM 33:1998. Para que tudo saia perfeito, é necessário seguir cada um desses passos.

  1. As porções de amostras devem ser recolhidas enquanto o concreto estiver dentro da betoneira;
  2. Depois de feito o passo 1, o tempo máximo para a moldagem deve ser de 15 minutos, nada mais que isso.
  3. As diferentes porções das amostras devem ser misturadas com concha metálica ou uma pá, em um recipiente ou superfície limpa e não absorvente. Esse procedimento todo é para tornar a amostra uniforme;
  4. A moldagem não pode sofrer nenhuma interrupção;
  5. A moldagem deve ser feita próxima do local onde os corpos de provas serão armazenados nas próximas 24 horas.
  6. Após feita toda a moldagem, os corpos de prova devem ser cobertos por uma material impermeável não reativo e não absorvente.

Cuidado com a fôrma

Podemos até ter feito todo o procedimento da maneira correta na hora da retirada da amostra, mas isso não é tudo.

É importante também a verificação da fôrma, para que ela esteja em perfeitas condições, dimensões corretas e deve ser feita de aço ou de outro material não absorvente e que não reaja com o cimento Portland.

Além disso, é importante lubrificar essa fôrma com uma fina cama de óleo mineral. E quando digo fina, é fina mesmo! Nada de exagerar, para não misturar na hora de colocar o concreto e no final arruinar o resultado do teste.

Armazenando corretamente os moldes

Todo o procedimento é para evitar qualquer prejuízo ao teste final do corpo de prova, inclusive, até na hora do armazenamento certos cuidados são necessários.

Primeiramente, o armazenamento dos moldes deve ser feitas dentro de uma casa nas próximas 24 horas, em uma base plana e seca, evitando raios solares e pingos de chuva/goteiras.

E nada de bater ou causar acidentes ao produto! Se nem vibrações podem ocorrer com o corpo de prova, imagina um cachorro andar por cima dele? Seria um caos.  Por isso, protegê-lo contra quaisquer ameaça advinda de pancadas ou outros tipos de contato é um dever essencial.

Assim que houver passa o período de 24 horas, os corpos de prova devem ser transferidos para o laboratório, onde serão guardados em câmaras úmidas até serem ensaiados.

Tudo deve ser organizado

Atire a primeira pedra quem já se esqueceu de etiquetar a comida guardada no freezer e acabou pegando pote de sorvete pensando que era chocolate, mas na verdade era apenas feijão cozido.

Triste, não é? Por isso, é importante que os corpos de provas sejam identificados praticamente imediatamente à sua moldagem, para que possibilite localizar o lote de origem e as partes da construção onde fora empregado.

Concreto não passou o que acontece?

As poucas certezas que tenho nesse mundo são: a morte, o ciclo da vida e os defeitos.

Infelizmente, o concreto pode ter algo errado, seja por defeitos vindos do fabricante ou por qualquer outro motivo.

Por isso, se os resultados dos testes do corpo de prova de concreto foram  negativos, e isso é bom, melhor resultados negativos aqui do que em obra. Mas, caso este mesmo concreto já tenha sido utilizado em obra, a estrutura deve ser avaliada ou demolida parcialmente, dependendo do nível do resultado.

Conclusão

O corpo de prova concreto é importante para evitar que prejuízos e acidentes ocorram após o termino da obra. É aquele negócio, um material defeituoso só produz coisa defeituosa. É preferível que o concreto apresente falhas em seu teste de resistência do que já em obra, acredite, a dor de cabeça é muito menor!

Porém eu já aviso: a leitura das normas é essencial para evitar qualquer tipo de dúvidas ou mau entendimento.

Escreva um Comentário