As instalações hidrossanitárias são parte fundamental de uma construção, sendo muitas vezes contratado um profissional a parte encarregado apenas destas instalações.

Se sua área de atuação não tem nada a ver com as instalações hidrossanitárias, não tem problema nenhum nisso, na construção civil há uma variedade de ramos para os profissionais se especializarem. Entretanto, nada te impede de conhecer ao menso o mínimo sobre as instalações hidrossanitárias, podendo assim ficar por dentro do projeto quando se deparar com um.

E, é pensando justamente nisso, em te deixar a parte ao menos do básico envolvendo as instalações hidrossanitárias, que nós montamos este artigo. Então, se quer ficar por dentro destes projetos, é só dar uma conferida até o final deste artigo.

Preparado? Pois então vamos lá!

As instalações hidrossanitárias

As instalações hidrossanitárias são aquelas que compreendem as redes hidráulicas, compondo água fria e quente, redes sanitárias, de esgoto, ventilação e até mesmo a rede pluvial.

Entretanto, é bom destacarmos que uma rede hidráulica é diferente de uma sanitária, e isso se deve ao fato das hidráulicas funcionarem sobre a ação de pressões, proporcionando assim o abastecimento nos pontos hidráulicos, enquanto as sanitárias baseiam-se no escoamento livre, através da gravidade, dependendo exclusivamente da declividade que você irá colocar nos condutos.

Abaixo vamos passar brevemente sobre os sistemas que compõem as instalações hidrossanitárias, para que assim você possa ter um conhecimento maior sobre cada um deles.

1 – As instalações de água fria

Nós chamamos de instalações de água fria todo o conjunto de tubulações, equipamentos, dispositivos e reservatórios que possuem como finalidade o abastecimento dos pontos de utilização da água em uma determinada edificação.

A NBR 5626 – Instalação predial de água fria dita que, tanto para água fria quanto para a água quente, as instalações hidráulicas sejam feitas levando em consideração uma declividade com relação ao fluxo de água, isto para, caso haja bolhas de ar nas tubulações, elas serão escoadas lá para o início da rede, caso estejamos falando de um reservatório. Bolhas que por ventura se impregnarem nas tubulações irão reduzir a seção do escoamento, podendo provocar problemas relacionados a vazão do sistema.

Os sistemas de água fria são classificados como: diretos, indiretos e mistos, sendo que:

Os sistemas diretos são aqueles em que o reservatório não é utilizado, e a água será abastecida pela rede pública diretamente para todos os pontos de utilização, conforme previstos em projeto. Este sistema é vantajoso devido ao seu custo ser menos elevado que os demais, entretanto, caso haja qualquer tipo de interrupção na rede, não terá água para a edificação.

Já nos sistemas indiretos, o reservatório de água é utilizado, de modo que o uso de água seja garantido mesmo com interrupções que possam vir a ocorrer pela rede pública. A caxa d’água receberá um dimensionamento específico ao tipo de construção e para a quantidade total de pessoas na residência, e claro, este cálculo será devidamente efetuado pelo engenheiro calculista da obra, ou ao menos teoricamente é como deveria ser.

Já os sistemas mistos, como o próprio nome já induz, é realizado tanto pelos sistemas diretos quanto pelos indiretos. Nesta situação o sistema direto ficará responsável pelo abastecimento de tanques, torneiras externas e demais pontos de utilização no térreo. Enquanto o sistema indireto será o responsável por abastecer todos os demais pontos de utilização que, por não contarem com pressão suficiente, não conseguem ser abastecidos diretamente, e também será responsável pelo abastecimento dos dispositivos de higiene, tais como torneiras internas e também chuveiros.

2 – As instalações para redes de ventilação

Pretendendo instalar um ar condicionado em seu cômodo para fugir do calorão? Então se liga só nessa dica que iremos te dar para aproveitar ao máximo o ventinho!

Redes de ventilação tem como função primordial manter toda a pressão atmosférica dentro das tubulações sanitárias, fugindo assim de problemas de sobrepressões e depressões, problemas estes que podem acabar influenciando na variação do nível dos fechos hídricos de elementos sifonados, tais quais as caixas sifonadas e os vasos sanitários.

Um erro comum é pensar que, como o objetivo com uma rede de ventilação é a circulação de ar, então a declividade para com estes condutos é desnecessária, certo? Errado! A NBR 81 60 – Sistemas prediais de esgoto sanitário – Projeto e execução, dita que toda rede de ventilação que você for instalar deverá possuir uma declividade mínima de 1%, isso fará com que todo e qualquer tipo de líquido que por ventura vier a ser introduzido nesta rede escoe para os ramais de esgoto, evitando assim que água possa vir a acumular dentro dos condutos de ventilação.

3 – Para as redes de esgoto

Definitivamente você precisará prestar uma atenção maior nas redes de esgoto, ninguém gosta de quando elas entopem e do odor desagradável que emana dali.

Redes de esgoto funcionam através do escoamento livre, ou seja, para o seu funcionamento adequado a declividade utilizada nos condutos é primordial. A NBR 81 60 – Sistemas prediais de esgoto sanitário – Projeto e execução também traz algumas recomendações com relação a declividade para estes condutos:

Para ramais de esgoto e descarga:

Você é engenheiro(a)? Não está ganhando o quanto deveria?
Conheça essa oportunidade no mercado. Vistoria Cautelar de Vizinhança

Clique aqui

  • Ø 75 mm ou menor, adotar uma declividade de 2%
  • Ø 100 mm ou maior, adotar uma declividade de 1%

Para coletor predial e subcoletor:

  • A declividade nunca poderá estar abaixa das que foram indicadas acima
  • A declividade máxima que você poderá utilizar é de 5%
  • Tenha em mente que, quanto maior for a declividade que você utilizar, maior também será a capacidade para condução de um conduto específico que possua a mesma bitola.

4 – Para redes pluviais

A água da chuva também é considerada aqui, tanto que a NBR 10844 – Instalações prediais de águas pluviais – Procedimento, estabelece justamente os parâmetros para a declividade das calhas e também para condutores horizontais com seção circular.

É bom sempre ficar atento ao declive em redes de escoamento livro, isso pois, o desnível que é gerado pelo ponto inicial e o final da rede pode acabar alterando toda a declividade, o que se faz necessário a verificação da altura, de modo a averiguar se ela esta de acordo com a rede de drenagem urbana.

Principais cuidados nas instalações hidrossanitárias

Quando estiver já com a mão na massa e executando as instalações hidrossanitárias, é importante que tenha em mente alguns cuidados a serem tomados, sendo eles:

  • Quem for o encarregado pelas instalações hidrossanitárias deverá ter sempre em mão o projeto que foi devidamente elaborado pelo engenheiro responsável, e é claro, deverá seguir este projeto a risca;
  • O tipo de instalação deverá ser respeitada, tendo em vista que uma instalação predial se difere de uma industrial e assim por diante;
  • A utilização apenas de produtos devidamente normatizados e de qualidade é importantíssimo, assim como a sua utilização para determinadas instalações hidrossanitárias. Tubos de CPVS, por exemplo, são os mais indicados para pontos de água quente, por não serem corroídos pelo cloro, perderem uma menor quantidade de calor e dispensarem isolantes térmicos;
  • Atenção especial com relação a pressão;
  • Necessário conhecimento das Normas por parte de todos os envolvidos com as instalações hidrossanitárias.

Normas para instalações hidrossanitárias que você deve ficar de olho

Acima nós citamos que é importante que todos os envolvidos com as instalações hidrossanitárias tenham conhecimento das Normas que as regem, e é claro que não poderíamos deixar de citar quais, afinal, são estas Normas:

As instalações hidrossanitárias e as cores

Sim, as cores tem uma grande importância quando o assunto é instalações hidrossanitárias, pode acreditar. O que acontece aqui é que o auxilio visual das cores é de extrema ajuda para definir a finalidade das tubulações.

Abaixo trazemos uma tabela onde você poderá ter uma ideia maior de como essa coisa das cores realmente funciona quando o assunto é instalações hidrossanitárias.

Instalações Hidrossanitárias e as cores
A importância das cores nas instalações hidrossanitárias

Conclusão

Certo, agora você já entende ao menos o essencial sobre instalações hidrossanitárias para não ficar boiando no assunto na próxima vez que esta conversa surgir, certo? Mas lembre-se, deixe o dimensionamento e a instalação para os profissionais devidamente qualificados, eles sim saberão realizar o serviço da melhor maneira possível!

E claro, se você realmente aprendeu algo com este artigo sobre instalações hidrossanitárias, não deixe de compartilhar ele com seus amigos e conhecidos, é sempre bom podermos espalhar conhecimento para as pessoas ao nosso redor!

Write A Comment