Na construção civil o concreto é um dos principais elementos, e é exatamente sobre ele que trata a NBR 7211 – Agregados para concreto – Especificação.

A NBR 7211 descreve as especificações para os agregados para concreto, de maneira brusca e direta, os agregados são os componentes que, ao serem misturados com o cimento, formam o concreto do qual conhecemos. Brita, areia e demais aditivos que são misturados ao cimento, todos estes constituem como agregados para o concreto.

Aqui neste artigo iremos focar em lhe passar uma análise sobre os principais tópicos presentes na NBR 7211, passando por todos os itens que são englobados. Esperamos que assim você consiga entender melhor do que se trata a Norma, além de sua real importância.

Ao final deste artigo você verá que a NBR 7211 trata-se de uma Norma de fácil interpretação, bem mais fácil do que a maioria das Normas presentes na construção civil, então basta acompanhar tudo até o final. E claro, ao final deste artigo você poderá baixar a Norma para uso próprio.

A NBR 7211

A primeira coisa que você deve entender sobre a NBR 7211, é que ela é uma Norma pequena, possuindo apenas 15 páginas, ou seja, você consegue lê-la rapidamente.

Ao todo a Norma é disposta em 8 itens, analisaremos cada um deles abaixo.

1 – Objetivo

O primeiro item da Norma é o padrão para todas as demais Normas, é onde descreve os objetivos para aquela Norma em específico. Ao todo são apresentados 6 objetivos que competem a NBR 7211, sendo que o primeiro e principal deles pode ser descrito como:

“Esta Norma especifica os requisitos exigíveis para recepção e produção dos agregados miúdos e graúdos destinados à produção de concretos de cimento Portland.”

2 – Referências Normativas

Este item dita todas as demais Normas que complementam a NBR 7211 que, por se tratar de uma Norma bastante ampla para um dos principais elementos da construção civil, dispõe de várias Normas auxiliares, como você poderá ver abaixo:

  • ABNT NBR 5737:1992 – Cimentos Portland resistentes a sulfatos – Especificação
  • ABNT NBR 6467:1987 – Agregados – Determinação do inchamento de agregado miúdo – Método de ensaio
  • ABNT NBR 6953:1989 – Lastro-padrão – Determinação da resistência à compressão axial – Método de ensaio
  • ABNT NBR 7218:1987 – Agregados – Determinação do teor de argila em torrões e materiais friáveis
    ABNT NBR 7221:1987 – Agregados – Ensaio de qualidade de agregado miúdo – Método de ensaio
  • ABNT NBR 7251:1982 – Agregado em estado solto – Determinação da massa unitária – Método de ensaio
  • ABNT NBR 7389:1992 – Apreciação petrográfica de materiais naturais, para utilização como agregado em concreto – Procedimento
  • ABNT NBR 7809:1983 – Agregado graúdo – Determinação do índice de forma pelo método do paquímetro – Método de ensaio
  • ABNT NBR 9773:1987 – Agregado – Reatividade potencial de álcalis em combinações cimento agregado – Método de ensaio
  • ABNT NBR 9775:1987 – Agregados – Determinação da umidade superficial em agregados miúdos por meio do frasco de Chapman – Método de ensaio
  • ABNT NBR 9917:1987 – Agregados para concreto – Determinação de sais, cloretos e sulfatos solúveis – Método de ensaio
  • ABNT NBR 9935:1987 – Agregados – Terminologia
  • ABNT NBR 9936:1987 – Agregados – Determinação do teor de partículas leves – Método de ensaio
  • ABNT NBR 9938:1987 – Agregados – Determinação da resistência ao esmagamento de agregados graúdos – Método de ensaio
  • ABNT NBR 9939:1987 – Agregados – Determinação do teor de umidade total, por secagem, em agregado graúdo – Método de ensaio
  • ABNT NBR 10341:1988 – Agregados – Determinação do módulo de deformação estático e coeficiente de Poisson de rochas – Método de ensaio
  • ABNT NBR 12042:1990 – Materiais inorgânicos – Determinação do desgaste por abrasão – Método de ensaio
  • ABNT NBR 12695:1992 – Agregados – Verificação do comportamento mediante ciclagem natural – Método de ensaio
  • ABNT NBR 12696:1992 – Agregados – Verificação do comportamento mediante ciclagem artificial água-estufa – Método de ensaio
  • ABNT NBR 12697:1992 – Agregados – Verificação do comportamento mediante ciclagem acelerada com etilenoglicol – Método de ensaio
  • ABNT NBR 14832:2002 – Cimento Portland e clínquer – Determinação de cloreto pelo método do íon seletivo
  • ABNT NBR NM 26:2001 – Agregados – Amostragem
  • ABNT NBR NM 27:2001 – Agregados – Redução da amostra de campo para ensaios de laboratório
  • ABNT NBR NM 30:2001 – Agregado miúdo – Determinação da absorção de água
  • ABNT NBR NM 46:2003 – Agregados – Determinação do material fino que passa através da peneira 75 µm, por lavagem
  • ABNT NBR NM 49:2001 – Agregado miúdo – Determinação de impurezas orgânicas
  • ABNT NBR NM 51:2001 – Agregado graúdo – Ensaio de abrasão “Los Angeles”
  • ABNT NBR NM 52:2003 – Agregado miúdo – Determinação de massa específica e massa específica aparente
  • ABNT NBR NM 53:2003 – Agregado graúdo – Determinação de massa específica, massa específica aparente e absorção de água
  • ABNT NBR NM 66:1998 – Agregados – Constituintes mineralógicos dos agregados naturais – Terminologia
  • ABNT NBR NM 248:2003 – Agregados – Determinação da composição granulométrica
  • ABNT NBR NM ISO 3310-1:1997 – Peneiras de ensaio – Requisitos técnicos e verificação – Parte 1: Peneiras de ensaio com tela de tecido metálico
  • ASTM C 123:1998 – Standard test method for lightweight particles in aggregate
  • ASTM C 1218:1997 – Standard test method for water-soluble chloride in mortar and concrete
  • ASTM C 1260:2001 – Standard test method for potential alkali reactivity of aggregates (mortar-bar method)

Muitas Normas para serem utilizadas de auxílio para com a NBR 7211, mas a boa notícia é que você não necessita de saber sobre todas estas Normas acima, elas são mais como um auxílio para dúvidas que você tiver, quando na realidade só precisa entender mesmo a própria NBR 7211.

3 – Definições

A NBR 7211 fala bastante de agregado miúdo e agregado graúdo, você sabe dizer o que cada um significa? Qual a diferença entre ambos e as dimensões que os caracterizam?

Pois esta parte da NBR 7211 dita justamente isto, a definição destes e demais termos que você verá ao decorrer da Norma.

4 – Requisitos Gerais

O item 4 da NBR 7211 dita os requisitos gerais dos agregados que serão fornecidos ao consumidor, tais requisitos são:

  • Nome do produtor;
  • Proveniência do material;
  • Identificação da classificação granulométrica de acordo com o indicado em 5.1 e 6.1;
  • Massa do material ou seu volume aparente;
  • Data do fornecimento.

5 – Agregado Miúdo

O item 3 da NBR 7211 lhe apresentou as definições, já o item 5 é o responsável por ditar tudo o que você precisa saber sobre os agregados miúdos.

Este item da NBR 7211 é o responsável por ditar parâmetros para Granulometria, Substâncias Nocivas, Durabilidade e Ensaios Especiais envolvendo agregados miúdos. Ao todo são 4 tabelas que você terá acesso (Limites da distribuição granulométrica do agregado miúdo, Limites máximos aceitáveis de substâncias nocivas no agregado miúdo com
relação à massa do material, Limites máximos para a expansão devida à reação álcali-agregado e teores de cloretos e sulfatos presentes nos agregados e Ensaios especiais para agregado miúdo) para entender melhor como tudo funciona, inclusive quais as Normas auxiliares você deverá recorrer para entender certos aspectos por detrás desta parte da NBR 7211.

6 – Agregado Graúdo

No item 5 tivemos os agregados miúdos, e agora é hora da NBR 7211 tratar dos agregados graúdos!

A exemplo do item anterior, esta parte da NBR 7211 cobre aspectos relacionados aos agregados graúdos, tais como Granulometria, Substâncias Nocivas, Durabilidade e Ensaios Especiais. E claro, aqui você também terá acesso a tabelas de auxílio para um maior entendimento (Limites da composição granulométrica do agregado graúdo, Limites máximos aceitáveis de substâncias nocivas no agregado graúdo com relação à massa do material e Ensaios especiais para agregado graúdo).

7 – Inspeção

A Inspeção para a NBR 7211 deverá estar sempre de acordo com a ABNT NBR NM 26 – Agregados – Amostragem.

8 – Aceitação e Rejeição

Para aceitar ou rejeitar um determinado lote de agregado, você deverá contar novamente com o auxílio da ABNT NBR NM 26 – Agregados – Amostragem. Um lote somente deverá ser aceito quando cumprir com todas as prescrições previstas por esta Norma.

Conclusão

Acima nós passamos com você por todos os tópicos abordados pela NBR 7211 e, como você pode ver, trata-se de uma Norma com um entendimento bastante simples, não se deixe assustar pela quantidade absurda de Normas auxiliares que ela possui, isso não reflete em nada a complexidade da NBR 7211.

E caso queira complementar sua leitura sobre outras Normais também importantes para o setor da construção civil, então não deixe de conferir nossa categoria de Normas que temos aqui mesmo no site. Lá você irá ter acesso as principais Normas que englobam o setor da construção civil, bem como nossa análise sobre cada uma destas Normas, vale a pena conferir!

E, como nosso último presente para você, caso queira fazer o download da NBR 7211 basta clicar na Norma abaixo, e você já pode dar inicio as leituras sobre esta Norma.

Download NBR 7211

Escreva um Comentário