Na hora da construção e decoração de seu imóvel, um componente específico merece atenção especial: os pisos para área externa. Isso porque, mais do que tornar o espaço bonito, funcional e convidativo, o material precisa ser seguro.

Podemos tomar como área externa de um imóvel qualquer espaço que não tenha quatro paredes à sua volta. Isso significa que uma varanda é considerada uma área externa. Assim como a garagem, pátio, jardim e até o espaço da piscina. Cada um desses locais demanda piso diferente, pois atendem a objetivos diferentes.

Todos eles, porém, podem ser combinados com a decoração dos restante da casa, para que toda ela seja harmônica. Dessa forma, a escolha dos pisos para área externa precisa ser feita com cuidado e planejamento. Tanto pelos moradores, quanto com o auxílio de um arquiteto e/ou decorador. Assim, o resultado será o mais incrível possível!

Como escolher o piso ideal?

O primeiro passo para escolher o piso mais adequado para área externa é refletir sobre os agentes naturais. Ou seja, a chuva, o vento e o calor do sol. Analisando esses fatores é possível concluir, por exemplo, que é necessário instalar sempre piso antiderrapante. Afinal, áreas externas estão normalmente sujeitas à chuva.

O chão, quando molhado, pode escorregar, especialmente quando os indivíduos utilizam sapatos como o salto alto. Assim, é fundamental garantir que o solo não escorregue. Do contrário, podem acontecer quedas, muitas vezes perigosas, uma vez que o impacto direto com o chão pode até mesmo causar fraturas pelo corpo.

Já pensando no sol, é preciso escolher um piso que não esquente tanto. Isso, claro, no caso de uma varanda ou jardim. Uma área muito quente pode ser desagradável, e inclusive prejudicar o desenvolvimento das suas plantas e flores. Afinal, muitas delas nem mesmo precisam do calor para crescerem saudáveis.

Se a incidência do espaço é grande, é importante também evitar pisos muito claros. Nesse caso, o excesso de luz poderá causar cansaço aos olhos. Principalmente se a iluminação acabar por ser direcionada para dentro de casa. O piso claro, de qualquer forma, pode ser utilizado, se essa ideia de muita luz for justamente o objetivo.

No caso de um espaço externo que acumula muita poeira, a ideia de um piso mais escuro, ou marmorizado, é também mais interessante. Isso uma vez que a cor ou texturas “disfarça” o acúmulo de sujidades. Para quem tem pouco tempo durante a semana, o ambiente sujo poderá causar incômodo.

Tenha sempre atenção à segurança!

Para quem quer manter um pouco da natureza por perto, com jardins ou não, existem opções que facilitam sua manutenção. Como pisos que possuem alguns trechos em concreto, mas deixam o restante em grama ou flores. A alternativa é interessante, por exemplo, para a fachada de casa, ou para uma garagem mais bonita.

É necessário pensar também em quem vai utilizar o espaço externo. Se o imóvel tiver o trânsito constante de crianças, animais e idosos, é preciso que o piso não seja rústico, como o feito de pedras, nem possua texturas ásperas. Afinal, esses indivíduos estão mais sujeitos a quedas, e em caso de pisos ásperos poderiam se machucar mais facilmente.

No caso da escolha da cerâmica ou porcelanato, é interessante ainda conhecer o índice PEI. Essa medida indica a resistência a atritos do produto, e normalmente aparece na caixa do material. O índice é medido de 0 a 5. Para espaços com trânsito constante e intenso de pessoas e automóveis, o piso deve possuir PEI entre 4 e 5. Do contrário, poderão ser danificados rapidamente por seu uso constante.

Cuidados na escolha

Além disso, é fundamental analisar se o solo possui declive ou não. Espaços que não são planos devem ter cuidado ainda maior na escolha do piso, uma vez que podem facilitar escorregões. Assim, é necessária a instalação de material com boa aderência e possuir ralos ou grelhas para o escoamento adequado da área.

Para muita gente, a instalação de um problema ainda poderia ser a melhor alternativa para resolver infiltrações. É importante destacar, no entanto, que isso não é verdade. Antes de instalar um pavimento, é essencial resolver qualquer infiltração ou qualquer outro problema que exista no solo.

Do contrário, em pouco tempo o assoalho instalado poderá ser danificado pela condição não resolvida. A água acumulada num espaço que possui metal, por exemplo, pode provocar a oxidação do solo e gerar a ferrugem. O concreto, por sua vez, pode logo sofrer com o lodo, que diminuirá muito a segurança da superfície além, é claro, de prejudicar seu visual.

Tipos de piso para área externa

As alternativas para pisos para área externa são muitas. Cada uma delas é a mais adequada a um espaço específico, e também para combinação com a decoração já existente do imóvel. Por isso é tão interessante contar com o auxílio de um arquiteto para a escolha do mais adequado ao ambiente.

Você pode, por exemplo, optar por um pavimento de madeira. O material cria uma sensação aconchegante no espaço, além de ser mais clássico. Para isso, é possível instalá-lo com peças semelhantes a cerâmicas, grandes quadrados que juntos vão criar uma bela superfície.

Criar decks de madeira é igualmente interessante, pois não precisa modificar completamente a superfície, apenas cobri-la parcialmente. A definição do espaço para lazer é também mais clara por meio de um deck, já que a opção é charmosa e confortável ao toque dos pés.

Os pisos desse tipo possuem as mais variadas texturas e cores, e podem se encaixar perfeitamente seu objetivo. Uma madeira mais clara pode oferecer resultado mais sóbrio, enquanto peças mais claras são pouco mais convidativas a aproveitar aquele espaço para o lazer.

Para áreas molhadas, o piso de madeira requer constante envernização. Do contrário, a água poderá apodrecer a madeira, e causar problema tanto visuais, quanto ao bem-estar do imóvel. O verniz ainda protege o material contra o sol.

Já os pisos com texturas, sentidas ao toque, são interessantes para áreas mais amplas, e para quando o desejo é criar desejos, padrões, no piso. Nesse caso, é possível contar com uma série de materiais, como a cerâmica e o cimento. São indicados, inclusive, para áreas molhadas, uma vez que as texturas promovem característica antiderrapante ao chão.

Que tal usar o cimento?

Dentre todos os pisos para área externa, provavelmente o cimento, ou concreto, é dos mais populares. Afinal, ele possui as características básicas para espaços externos: é mais áspero, logo, antiderrapante; consegue oferecer superfície lisa e confortável para o caminhar; tem limpeza fácil; e tem boa porosidade, evitando o acúmulo de água.

Dessa forma, o cimento é indicado para as mais diferentes áreas. Garagens, varandas, jardim. Basta apenas escolher a melhor forma de aplicá-lo.

As placas cimentícias, por exemplo, são grandes quadrados de cimento, que possuem fácil aplicação no solo. Elas criam um visual mais rústico no espaço, e podem ser aplicadas de duas formas diferentes. Primeiro, completamente juntas, criando uma estrutura mais homogênea. Ou então com pequenos espaços entre si, geralmente preenchidas por grama. O resultado, nesse caso, é atraente e elegante, principalmente se aplicado na entrada do imóvel.

Cimento liso e intertravado

O cimento liso, aplicado diretamente sobre o solo, é uma opção mais básica. Ela pode servir bem para garagens e locais de grande tráfego. Afinal, a superfície lisa tende a ser mais resistente aos impactos constantes de circulação. A limpeza dessa modalidade de piso é ainda mais fácil, pois basta apenas utilizar água e, se desejado, sabão.

O cimento é um material mais rudimentar, e por isso não possui cores – sua base é o cinza. Ele pode, no entanto, ser pintado com a tonalidade desejada pelo consumidor. Desde que combine com o restante da decoração do imóvel, o resultado é interessante.

De qualquer forma, uma das opções mais interessantes feitas com cimento é o chamado piso de concreto intertravado. Essa alternativa consiste numa série de pequenos blocos de cimento, colocados juntos e que se seguram mutuamente. Isso significa que não é necessário utilizar nenhum material para ligar as peças.

Colocadas uma ao lado da outra, elas se travam sozinhas – por isso o nome “intertravado”. Nesse caso, é necessário apenas que seja criada uma base com laterais que vão segurar essas peças no lugar. Os blocos estão disponíveis no mercado em cores além do cinza: há materiais verdes, vermelhos, amarelos e mais.

O resultado da instalação desse piso é uma superfície semelhante a um quebra-cabeça. Ela é bastante atraente para jardins, caminhos, trilhas e, principalmente, espaços de grande tráfego. Isso uma vez que possuem grande resistência.

Pisos em cerâmica e porcelanato

Entre as alternativas mais requisitadas por sua beleza estão as cerâmicas e o porcelanato. Ambos os tipos de pavimento possuem diferentes “desenhos” e padrões, e por isso conseguem criar efeito bastante bonito, e diferentes a cada escolha.

Tanto piso de cerâmica, quanto os de porcelanato, são produzidos por meio da argila temperada. Após produzidos, recebem revestimento esmaltado, que então oferece um resultado mais elegante aos materiais. Como explicado até aqui, é importante também que as peças escolhidas tenham características antiderrapantes.

O uso da cerâmica no piso externo tem como principal vantagem sua característica de não reter o calor. Assim, mesmo que sofra com a constante incidência do sol, o material não esquenta, nem se torna desagradável ao toque. É por isso que o produto é dos preferidos para as varandas, onde é possível curtir momentos de lazer sem sofrer com a alta temperatura.

No caso do porcelanato, os tipos mais indicados são o porcelanato rústico, que é irregular, e por isso bastante antiderrapante, e o porcelanato natural, que não é polido. Nesse caso, é necessário instalar ainda ralos para o escoamento de água que venha a se acumular no local. Afinal, o material é impermeável.

Pisos para área externa: pedras e drenantes

Os pavimentos produzidos por meio de pedras, por sua vez, são os preferidos para áreas mais cheias de personalidade. Isso uma vez que as mais diferentes pedras podem ser utilizadas, com diferentes tamanhos e composições do piso. Algumas dessas opções, no entanto, absorvem calor, e devem ser evitadas em locais de tráfego constante. Ou em espaços reservados para o lazer.

A pedra São Tomé, por exemplo, é antiderrapante e oferece diversas formas de “montagem” do pavimento. Também tem ótima durabilidade e manutenção bastante fácil, sendo necessária apenas água para sua limpeza.

Já os pisos drenantes, ou hidráulicos, são indicados para áreas que permanecem constantemente molhadas. Isso significa instalá-los em volta das piscinas, próximo a jardins ou em locais que não tenham coberturas sobre si.

Esse tipo de tipos tem como principal característica permitir a drenagem da água. Logo, os líquido não ficam acumulados, evitando acidentes ou a criação de problemas como lodo.

Além disso, o solo sob o piso acaba por ser manter saudável. Por isso, caso futuramente o desejo for pela retirada do pavimento e uso para um jardim, por exemplo, o chão já estará razoavelmente preparado para receber as plantas.

Piso para garagem e piscina

Dentre todas as opções citadas até aqui, as pedras e os pavimentos em concreto são os mais indicados para garagens e piscina. Afinal, esses são os materiais com maior característica antiderrapante, algo essencial para manter a segurança dos indivíduos. Especialmente na área da piscina, constantemente molhada.

Além da prevenção contra escorregões, esses espaços devem ter pavimentos de fácil lavagem. O que, mais uma vez, tornam a cerâmica e o cimento os produtos mais indicados. É interessante evitar ainda materiais pintados na pós-instalação, pois o trânsito de pessoas e veículos, e a presença constante da água poderão “descolorir” a superfície. Logo, sua manutenção poderá demandar tempo e dedicação maior.

Assim, na hora de escolher entre todos os pisos para área externa, tenha atenção a quatro pontos principais: a segurança; as cores do piso; o objetivo de uso do espaço; e a harmonização com o restante do imóvel. Afinal, de nada adianta ter um imóvel com estilo moderno, e aplicar na entrada de casa um soalho rústico e destoante da ideia principal de decoração. Cuidado também com a durabilidade do produto. Seguindo essas dicas, o resultado será mais que acertado!

Escreva um Comentário