Tipos de orquídeas

Advertisements

As orquídeas são flores delicadas e queridas. De beleza exuberante, a planta faz parte de uma das maiores famílias de vegetais que existe, chamada de família Orchidaceae. São mais de 35 mil tipos de orquídeas pelo mundo, com cores e visuais diferentes, sempre com belo efeito ornamental.

Tanta variedade deve-se ao cruzamento das espécies. Como é delicada e muito bela, os cultivadores da planta constantemente misturam a genética de muitos tipos, criando assim novas plantas, tão bonitas quanto suas originais. Algumas ainda possuem uso culinário, com suas pétalas utilizadas como ingredientes, ou para a produção de produtos como a baunilha. Muitas delas ainda produzem perfumes, uma vez que seu cheiro é agradável e suave.

Gosta da planta? Pois listamos algumas de suas espécies mais comuns, assim como dicas de como cultivá-las. Acompanhe nesse texto!

Tipos de orquídeas

Um dos tipos de orquídea mais cultivado pelos amantes dessas flores é o Dendrobium. As plantas desse gênero florescem na primavera, em formato de cachos floridos. Elas tem cultivo fácil, e demandam água constante principalmente em seu período de crescimento.

Já as flores do gênero Oncidium são conhecidas como “chuva-de-ouro”, pois possuem tons fortes de amarelo. Suas flores são pequeninas e com perfumes marcantes, que perfumam a casa mesmo que estejam apenas em um pequeno vaso.

O gênero das Phalaenopsis, por outro lado, tem flores semelhantes a asas de borboleta. Essa variação pode florescer até três vezes por ano, com as belas pétalas durando até três meses. Assim, ela é a melhor opção para quem prefere ter o colorido e perfume das plantas na maior parte do ano. Afinal, muitas das outras espécies florescem apenas por um curto período de tempo anual.

Há também a orquídea Cattleya. Ela é a mais vendida no Brasil, pois se adapta facilmente a qualquer ambiente e clima. Suas flores são maiores que as anteriores citadas, e permanecem coloridas por tempo e entre dez dias e um mês.

A Vanda também tem flores, e se destaca pelo visual diferente de suas raízes e folhas. A planta cresce para cima, formando com suas folhas algo semelhante a um pinheiro de Natal. No topo, onde ficaria a clássica estrela da árvore, então, saem as coloridas flores da planta. Enquanto isso, suas raízes são aéreas o que torna a espécie ideal para o posicionamento suspenso em cas. Ou seja, pendurado na parede, ou numa pilastra. Para regar a planta, basta apenas umidificar as suas raízes. Quando várias dessas plantas são posicionadas juntas, o resultado é um belo jardim suspenso.

Outras espécies comuns

A Paphiopedilum, por sua vez, é conhecida como “orquídea sapatinho”. Isso graças ao seu formato, uma vez que a parte debaixo da flor cria uma bolsa, um labelo muito semelhante aos sapatinhos de bebê. Suas flores são solitárias e, se o objetivo for um jardim florido por orquídeas, é necessário cultivar várias dessas plantas. As pétalas mantém-se vivas por aproximadamente vinte dias.

O atrativo da Cattleya Walkeriana é seu delicioso perfume. Com formato arredondado, sua flor tem tons em branco, rosa, lilás e similares, tornando-a uma das preferidas para demonstrar carinho à outra pessoa. Para o cultivo dessa espécie, no entanto, é importante manter o ambiente com temperatura entre 10º a 18º graus. Isso a torna um pouco complicada para o tratamento comum no Brasil, uma vez que o clima é, por quase todo o ano, bastante quente.

O “amor perfeito das orquídeas”, ou Miltônia Ceo Apple, é também delicada e bela. Seu diferencial está nos desenhos formados na maior pétala da flor, um padrão que “mancha” o meio da flor. os desenhos formados são sempre interessantes.

Já a orquídea Stanhopea tigrina X wardii floresce em cachos, e por isso demanda espaço. Suas pétalas são mais finas e compridas, e seus tons normalmente variam entre o amarelo e o alaranjado.

A orquídea brasileira, ou Cattleya Julio Conceição, também possui formato alongado. Ela, no entanto, tem a cor branca, e um cultivo bastante fácil. Por isso, é muito procurada como presente.

Além dessas, diversas outras fazem sucesso e são cultivadas em casa por aqueles que amam flores. Na hora de escolher a sua espécie, converse com seu paisagista e/ou com o florista responsável pelo espécie. Explicando seu objetivo e preferências, eles poderão te auxiliar na escolha da flor mais interessante para você.

Como cuidar de orquídeas?

O cultivo de orquídeas, de forma geral, é algo que demanda cuidado. Apesar de espécies como a Phalaenopsis e Paphiopedilum erem fáceis de cuidar, elas também requerem atenção. Afinal, todas as orquídeas são delicadas, e um descuido pode danificá-la permanentemente.

Se for possível cultivar as flores junto à uma árvore, o trabalho se torna mais fácil. Afinal, a planta consegue “se apoiar” na segunda, recebendo nutrientes mais facilmente para seu desenvolvimento. O cultivo em vasos demanda cuidado maior, principalmente com a drenagem do solo – não deve nunca haver excesso de água. A falta de líquido também será prejudicial. O desafio é encontrar a dosagem certa à espécie.

Seja qual for a orquídea, no entanto, é fundamental que suas raízes permaneçam sempre arejadas. Por isso, os vasos escolhidos devem possuir furos no fundo. É preciso ainda posicionar substratos, ou seja, uma boa base para a planta. Entre os mais indicados estão o carvão, madeira e casca de coco.

Até mesmo o regar do vegetal merece cuidado. Uma orquídea deve sempre ser regada por cima, em suas folhas. A água, então, vai escorrer aos poucos, chegando sozinha às raízes. O substrato do espécime deve ser mantido com umidade moderada.

Veja também outros artigos sobre cuidar de orquídeas:

Como cuidar de orquídeas em apartamento

Como cuidar de orquídeas em vaso

Outros cuidados importantes

Para seu melhor desenvolvimento, é interessante manter a planta em um local com incidência solar apenas em uma parte do dia. O vegetal precisa do sol para se desenvolver, mas se receber calor em excesso poderá morrer. Elas também devem permanecer em espaço arejado.

Na dúvida, existem alguns sinais que indicam a saúde a planta. Suas folhas, por exemplo, devem ter um tom verde brilhante. Se verde escuras, é sinal que não há luz suficiente; se avermelhadas, marrons ou amarelas, há luz demais. Manchas nas folhas indicam uma praga; folhas enrugadas são indicações de falta de água; buracos na folhagem são resultado de ataques de fungos.

Por isso, é fundamental ter atenção diário às orquídeas: como um bebê, elas elas requerem cuidado constante e vigilante para se desenvolverem com saúde.

você pode gostar também
2 Comentários
  1. Marcia Quilis Diz

    Faltou fotos de cada tipo

    1. matheus Diz

      Oi Marcia, vamos providenciar. Agradecemos seu comentário!

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.