Os tipos de Bambu são tão variados quanto sua aplicabilidade.  Há espécies de bambus gigantes, da sorte e outros ornamentais, usados para decoração, paisagismo, construção, artesanato, inclusive, como matéria prima para papel ou ramo alimentício.

Devido essa diversidade, o cultivo doméstico, inclusive, a produção agrícola desta planta vem se tornando cada vez mais comum no país e para trazer mais inspirações sobre isso, apresentamos alguns tipos de bambus para jardim, vasos, móveis e outras propostas detalhadas mais abaixo.

Com tamanhos, espessuras e cores diferentes, cada tipo de bambu atende uma finalidade para sua casa, jardim ou até mesmo para seu meio profissional e geração de renda.

Trazendo características orientais e até supersticiosas, tais como o bambu da sorte, por exemplo, essa planta garante também a purificação do ar, filtrando elementos como o formaldeído, benzeno e tricloroetileno do ambiente.

Entre tantos benefícios e beleza, vale a pena ter uma versão de bambu em casa e para isso, conheça mais sobre essa planta versátil, suas espécies, utilidades, cuidados e como plantar.

 

Bambu para Jardim e Cerca Viva

Os tipos de bambu mais comuns em jardins são os arbustivos de pequeno e médio porte. Podem ser cultivados tanto em jardins externos como em jardins de inverno, esta última proposta torna a decoração interna da casa ainda mais autêntica.

Cercas vivas e paredes de bambu também são alternativas muito originais para trazer mais beleza a sua área externa, integrando esta tendência natural ao estilo da sua casa.

Bambu de jardim

Entre as espécies, as mais indicadas para paisagismo em jardim são:

Bambu Japonês (Metake)

Com colmos finos e folhagem verde escura, esse bambu tem crescimento rápido, atingindo uma altura de até 5,5 metros.

A rega é recomendada de três em três dias, já a iluminação pode ser a sol pleno ou luz difusa.

Além de compor o paisagismo do jardim, fica ideal quando utilizado como cerca viva, visto sua capacidade de contenção de ventos e barreira acústica.

Bambu Japonês

Bambu Barriga-de-Buda (Ventricosa)

O nome deste bambu raro se dá devido à protuberância entre seus nós. Apesar de atingir até 13 metros em fase adulta, este bambu é tolerante à poda, garantindo sua disposição até em jardins de inverno.

A rega pode ser regular, a dica é conferir a umidade do solo e deixar secá-lo para molhar novamente.

Seu crescimento mais lento permite inclusive que ele seja cultivado como Bonsai.

Bambu Barriga de buda

Bambu Negro (Phyllostachys)

Mais exótico, o Bambu Negro possui a haste bem escura, chegando até a tonalidade preta após dois anos. Esse diferencial tornou esta espécie uma das preferidas entre os tipos de bambu para ornamentação de jardins.

Ele chega até 3 metros de altura e as folhas pontiagudas verde-claro trazem todo um contraste com seu caule.

Evitar o alagamento durante as regas e cultivá-los em sol pleno ou meia sobra faz parte dos poucos cuidados que essa bela planta exige.

Bambu Negro

Bambu Múltiplas Folhas (Multiplex)

Com visual característico de arbusto, esse tipo de bambu Múltiplas Folhas representa sua denominação literalmente.

As folhas pontiagudas cobrem todo seu caule fino, formando uma barreira densa, ideal para cercas vivas e fechamento de muros.

Chega até 4 metros de altura, porém aceita poda em qualquer etapa de formação.

O Bambu Múltiplas Folhas é propicio à climas tropicais e subtropicais, necessitando de regas moderadas e média iluminação.

Bambu Múltiplas Folhas

Bambu para Vaso

Alguns tipos de bambu indicados para cultivo em jardim, como o Bambu Japonês, Barriga-de-Buda ou Negro também podem ser utilizados em vasos, porém, necessitam de podas constantes para não atingir uma altura exagerada.

Outras espécies de pequeno porte facilitam ainda mais o plantio do Bambu no Vaso, que garante uma ornamentação muito original para casas, escritórios e clínicas.

Além de compor a decoração, integrar um bambu ao ambiente interno pode ajudar a purificar o ar e trazer boas energias, segundo a cultura oriental.

Para ter um bambu no vaso é fundamental seguir alguns cuidados, como o tamanho do recipiente, que deve ter o dobro do diâmetro da raiz da planta, inclusive, possuir furos abaixo para evitar alagamento. O solo deve ser drenado, o substrato padrão é um ótimo elemento para esse cultivo.

Bambu para vaso

Mini Bambu (Fargesia adpressa)

Atingindo apenas 60 cm de altura na fase adulta, o Mini Bambu fica perfeito em vasos para ser cultivado como touceiras ou de forma isolada.

Com ramos finos e folhagem volumosa, esse bambu também é usado como forração do solo, permitindo uma composição muito atraente com outros tipos de bambu ou plantas.

Pode ser mantido em meia sobra e regado quando o solo estiver seco.

Mini Bambu

Bambu da Sorte (Dracena sanderiana)

Um dos tipos de bambu mais utilizados em vaso e na decoração interna, o Bambu da Sorte permite uma variação tanto de cultivo, quanto da sua forma.

Ele pode ser plantado na terra como também cultivado em água (hidropônico), o que torna sua apresentação ainda mais interessante. Quando ainda em formação, muitos são trançados manualmente, formando uma escultura viva cheia de estilo.

Sua altura, geralmente é controlada pelo tamanho do vaso disposto, entretanto, se livre pode atingir até 1,5 metros.

Não requer muita luminosidade e a rega deve ser regular. Caso seja cultivado de maneira hidropônica, basta cobris 2,5cm do caule com água sem cloro ou flúor, que deve ser trocada semanalmente.

O nome, Bambu da Sorte segue uma tradição chinesa do Feng Shui, a qual diz que o número de hastes da planta representa a atração por algum sentimento, tais como, duas hastes para o amor, três para felicidade, cinco para saúde, oito para abundância e nove para boa fortuna e felicidade.

Bambu da sorte

Bambu Mossô (Phyllostachys Pubescens)

Apesar de atingir quase 20 metros de altura, o Bambu Mossô é um dos mais utilizados em paisagismo por decoradores e design de interiores.

Quando cultivado no vaso e podado regularmente, essa proporção de tamanho pode ser adequada conforme a preferência.

A haste mais grossa desse tipo de bambu pode chegar até 15 cm de espessura, já suas folhas finas, pontiagudas e pequenas contrastam trazendo mais leveza ao Mossô.

Por precisar de uma iluminação natural mais direta, é recomendado deixar o vaso com o Mossô perto de portas ou janelas. A rega deve ser quando o solo estiver seco.

Bambu Mossô

Bambu para Construção

Um substituto ecologicamente correto da madeira e tão eficiente quanto, o Bambu compõe várias etapas da construção, sendo empregado desde estruturas, revestimentos, e claro, decoração.

Devido sua maior reposta ecológica, a utilização de vários tipos de bambu vêm sendo valorizada cada vez mais, visto seu curto período de plantio até a fase adulta, que dura em média de 3 a 6 anos. Isto garante um reflorestamento mais breve, já que ele cresce 30% mais rápido do que qualquer outra espécie de madeira.

Outras vantagens desta opção para construção é que o bambu agride menos o solo, é resistente a vários tipos de fungos e insetos, inclusive, quando utilizado como revestimento, nem precisa de acabamento, visto à beleza natural da sua composição.

Confira os principais tipos de bambu utilizados para construção civil.

construção com bambu

Bambu Imperial (Vulgaris)

Com coloração verde-amarela, este bambu chega a 12 metros de altura com espessura de até 12 cm de diâmetro.

O rápido crescimento permite que seja reflorestado em um curto período de tempo. A estrutura principal do seu caule é um colmo vazio fechado por nós.

Na construção é o tipo de bambu mais usado como revestimento in natura, inclusive, é muito comum na fabricação de móveis e artesanato.

imperial

Bambu Gigante (Dendrocalamus giganteus)

Sua estrutura que chega até 60 metros torna o Bambu Gigante um excelente elemento para construções.

Como substituto da madeira, pode ser usado isolado ou combinado com outros materiais; seja em pisos, painéis, forros, vigas e no teto.

Durante sua formação precisa de no mínimo três horas no sol e rega a cada três dias. Também é muito comum para composição de tuneis naturais e fechamento de grandes espaços.

Essa espécie possui uma variante denominada Bambu Áspero, que vem com a diferença nos nós (separações dos colmos).

gigante

Bambu Guadua

O verde vivo da haste do bambu Guadua torna ele um excelente elemento para acabamentos na construção.

É um tipo de bambu muito utilizado em templos e espaços zen como ornamentação, inclusive, sua grande estrutura chega até 15 metros e 15 cm de diâmetro.

Ainda possui espinhos nas gemas e confere benefícios ao solo como a redução da erosão, drenagem, retenção de água, diminuição da temperatura do ambiente, entre outros.

Assim como o Bambu Gigante, precisa de pelo menos três horas de sol por dia e rega regular.

guadua

Decoração com Bambu

Além de ser utilizado como acabamento em construções, revestimentos e também, na sua forma natural em jardins e vasos como apresentado acima, o Bambu pode formar matéria-prima para compor vários elementos decorativos e funcionais.

A sustentabilidade e resistência deste material, além do valor mais acessível comparado a outros elementos, garantem ao Bambu a versatilidade de integrar diversas composições.

Veja algumas inspirações de decoração, móveis e artesanatos com vários tipos de bambu.

 

Painel de Bambu

Esta peça confere muita personalidade à sua sala de estar, aliando os estilos minimalista e rústico em uma só composição.

Nesta versão, ele não necessita de nenhum acabamento específico, entretanto, um tratamento à base de verniz pode garantir mais resistência de acordo com o tipo de bambu.

painel

Cadeiras e Mesas de Bambu

Este material proporciona uma sensação de aconchego, devido à simplicidade da sua estrutura e também, por vir na forma bruta e remeter ainda mais à natureza.

Quando o bambu é usado em mobílias como cadeiras e mesas traz um estilo rústico contemporâneo, ideal para casas de praia, campo ou área externa da sua casa.

cadeira e mesas

Fontes de bambu e incensários

Por ser um elemento naturalmente energizante, o bambu também compõe objetos que visam transmitir boas sensações, como é o caso das fontes de água e incensários.

Outra ideia bem original é utilizá-los como vasos para o cultivo de outras plantas.

Ainda devido essa sua qualidade terapêutica, o bambu também é muito usado para tratamentos estéticos e massagens como é o caso da bambuterapia.

fonte

incensário

vaso

Revestimentos de bambu

Seja em paredes ou qualquer outro objeto da casa, como espelhos, luminárias, separações de ambientes entre outros, o bambu não necessita de nenhum acabamento ou pintura. Basta utilizá-lo na cor natural e adaptar suas formas a estes objetos e pronto, garantirá uma decoração exclusiva, acessível e cheia de significados com estes tipos de bambu.

O pergolado de bambu também é uma alternativa mais acessível e original de ornamentar seu jardim.

espelho

luminária

detalhes

Como plantar e principais cuidados com o Bambu

O bambu deve ser plantado na primavera em locais onde a temperatura mínima não chegue à 15C.

A maioria dos tipos de bambu precisa de luminosidade direta por algumas horas no dia, então se sua escolha for o cultivo na área interna, seja em um vaso ou jardim de inverno, prefira um local mais iluminado ou meia sombra, sempre arejado.

O solo deve possuir bastante drenagem, visto que os bambus não se dão bem em locais encharcados. Através dessas dicas confira o passo a passo do plantio de bambu.

 

  1. Prepare o solo com matéria orgânica. Em caso de plantio em vasos, para garantir a drenagem, utilize antes uma camada de pedras.
  2. Caso não possua mudas, você pode fazer o plantio vegetativo. Basta cortar um pedaço do colmo no rizoma (ramos que crescem entre os nós) e deixar esta parte introduzida na terra.
  3. Ao transplantar a muda ou colmo na terra, umedeça a raiz imediatamente.
  4. Se o plantio for do modo de touceiras, viabilize um espaço de 1 a 1,5 metros de cada muda, pois geralmente a propagação deles acontece rapidamente e de forma densa.

Entre os principais cuidados com esses tipos de bambu está a rega, que deve ser feita diariamente após o plantio e depois a cada três dias na fase já adulta. É importante verificar se o solo está umedecido, caso positivo, deixe para molhá-lo quando estiver seco.

As espécies de jardim ou vaso citadas acima permitem poda, possibilitando um controle das dimensões que a planta possa a tomar. A cada dois anos é recomendado este procedimento.

Para uso como matéria-prima, o bambu pode ser colhido a partir do 3º ao 5º ano de formação. Os tipos comestíveis, como é o caso do broto do bambu gigante áspero, já podem ser retirados do solo a partir de 3 meses.

A produção de bambu na agricultura tem se tornando muito popular, visto que além de todas as utilidades já apresentadas na construção, decoração, alimentação e paisagismo, o bambu também pode ser usado como matéria-prima para a produção de papel, cosméticos e instrumentos musicais.

O corte deve ser no primeiro nó, desse jeito ele brotará novamente e você terá mais desta planta cheia de benefícios, utilidades e muita beleza em casa.

Escreva um Comentário