Sabe aquelas manchas brancas sobre a superfície de um piso ou parede? E o pior, por mais que você tente limpar elas, elas retornam? Caro leitor, se sua residência ou construção estiver com esses tipos de sintomas, sinto muito, pois isso é o que chamamos de eflorescência. E não, não tem nada de essências de flores aí.

Como já deve saber, a água é uns dos grandes vilões das obras que não possuem muita impermeabilidade. Por isso, as temidas infiltrações, chuvas ou simplesmente a umidade local podem levar a vários tipos de patologias, como aceleração da carbonatação do concreto ou a eflorescência – este último será o principal assunto desse texto. No processo de eflorescência, a água dissolve sais como hidróxido de cálcio, presentes tanto no cimento e na cal, causando as citadas manchas.

Você já pode estar cansado (a) de saber disso, mas o fato dos tijolos, argamassas, rejunte, pedras ornamentais, materiais cerâmicos e concreto, serem materiais porosos não ajuda muito, já que quanto mais poroso é, mais riscos de infiltrações têm.

Mas o que a água faz de tão ruim para causar a eflorescência?

Ora, quando a água evapora, os sais presentes nele se solidificam e reage com o dióxido de carbono, presente naturalmente (ou quase naturalmente…) no ar, formando vários depósitos ou manchas esbranquiçadas com um aspecto estranho na superfície do material, parecido com bolor.

Pelo que foi dito até a agora, a eflorescência parece algo saído de um filme de terror. Mas não tema, pois esse texto irá lhe informar melhor desse perigo!

Se quiser saber mais sobre essa patologia, prevenções e possíveis soluções para acabar com esse problema continue lendo sem precaução!

Entendendo a eflorescência

Entendendo a eflorescência

Eflorescência em um piso.

Eflorescência, nada mais é, depósitos de cristais de cor esbranquiçada criado pelos sais que estavam dissolvidos na água e que, ao evaporar, causam manchas na superfície. Essa patologia pode surgir na superfície de revestimento, como pisos (tanto cerâmicos quanto não cerâmicos) paredes e tetos.

Essas manchas, como já fora dito anteriormente, são geralmente de cor brancas, com um aspecto de mofo. Entretanto, os tons de cores podem variar entre esverdeados ou mais escuros, já que depende muito do tipo de sal ou certos fungos que estão ou não misturados na água.

Bem, o resultado não é lá muito bonito, a cor branca causa uma aparência de desgaste na obra, como se fosse uma construção abandonada ou algo do tipo.

Para melhor entendimento sobre esse curioso fenômeno, devemos entender as causas, pelos quais são:

  1. Alto teor de sais solúveis;
  2. Locais com alta temperatura ou ambiente muito úmido (afinal, a água é uns dos agentes causadores);
  3. Excesso de água na preparação da argamassa e concreto e até mesmo em execução de alvenarias;
  4. Fazer pintura antes de o reboco perder toda a umidade (que pode levar cercar de 28 dias);
  5. Impurezas na areia;
  6. Fissuras.

Como impedir a eflorescência?

como impedir a eflorescência

Como quase tudo na vida, o melhor a se fazer para evitar futuros prejuízos, danos irreversíveis ou progresso de alguma patologia, é por meio da prevenção. Para casos aonde a eflorescência já tenha ocorrido, é possível impedir o seu avanço. Confira a seguir o que pode fazer contra:

1. Escolhe bem os seus materiais

Se o objetivo de um artista é fazer com que a obra mantenha sua beleza pura por bastante tempo, ele deve escolher os materiais feitos especificamente para isso.

Tal ato também é válido na escolha do cimento ideal para evitar a eflorescência.

Os cimentos mais recomendado são aqueles com menor porosidade (como o Cimento Pozolânico ou CP-IV) ou algum cimento com baixa concentração de hidróxido de cálcio (como o Cimento de Alto Forno ou CP-III).

2. Sem permeabilidade, sem muitos riscos

Se a água é uns dos maiores responsáveis pela eflorescência, então devemos evitá-la de algum modo… Impermeabilizando a superfície!

Você é engenheiro(a)? Não está ganhando o quanto deveria?
Conheça essa oportunidade no mercado. Vistoria Cautelar de Vizinhança

Clique aqui

É possível o uso de mantas impermeáveis rígidas ou flexíveis que impedem ou reduzem que a umidade do solo entre o contato com os revestimentos. Outra opção seriam os aditivos impermeabilizantes que conseguem reduzir a quantidade de absorção de água.

3. Manutenções preventivas

Da mesma forma que nós humanos vamos para o médico para prevenir certos tipos de doenças, o mesmo acontece com as obras.

Então, para prevenir a ocorrência da eflorescência, é necessária a verificação de fissuras em rejuntes, revestimentos, ou ainda, analisar se as juntas de movimentação estão danificadas, já que todos esses fatores contribuem para a manifestação da eflorescência e outros tipos de patologias. Portanto, a realização de manutenções preventivas contribui para a prevenção de aparecimento de fissuras, além claro de não se esquecer de realizar as trocas de acordo com informações do fabricante.

Removendo o mal pela raiz

Além de existir métodos preventivos e inibidores de eflorescência, também existem meios que podem removê-la. Afinal, não queremos uma baita mancha branca nas nossas paredes, estragando todo o visual do ambiente e até mesmo podendo agravar o estado da estrutura da construção. Os métodos de remoção da eflorescência podem ser:

1. Ácidos

Na remoção de manchas, ácidos sulfâmicos e acéticos conseguem realizar o trabalho duro, contudo, é necessário consultar a quantidade e aplicações corretas do produto para que não piore ainda mais a situação. A negligência pode acabar aumentando o número de manchas ou provocar a corrosão da superfície.

Assim que for terminado o uso do ácido, é importante lavar o local com bastante água até que todo o excesso do produto tenha saído.

2. Removedores de eflorescência

Os ácidos, muitas vezes, são bastante agressivos e podem causar efeitos indesejados (corrosivos) ou irritantes para a pele humana (mesmo em pouca quantidade). Por isso, no mercado existem removedores já prontos para uso.

Mas existe um certo problema.

Dependendo do nível de degradação, talvez seja necessária a realização de uma camada nova de revestimento, seguindo todos os cuidados necessários na execução.

Aliás, uma coisa interessante a se salientar, é buscar a origem do problema. Muitas vezes podemos sim retirar com sucesso a eflorescência, mas se o problema persistir, talvez a realização de investigações seja necessário para descobrir a origem da água que provoca a eflorescência.

Encerrando

Aprendeu tudo que queria saber sofre a patologia chamada de eflorescência? Maravilha!

Mas saiba que você não é o único que desconhecia sobre esse terrível vilão da estética de construções! Por isso, é importante o compartilhamento desse texto, para que mais pessoas saibam desse grande problema e assim consigam solucioná-lo sem pânico.

Write A Comment