Junta de dilatação: o que é? Tipos? Como usar?

Na Construção Civil, uma das estruturas mais importantes é a junta de dilatação. Sem ela, de nada adianta um bom projeto de edificação, o uso de materiais de qualidade ou a execução por um especialista.

Também chamada de junta de movimento, a junta de dilatação nada mais é do que um espaço deixado entre azulejos, estruturas de concreto e outros. Sua função é permitir a dilatação e contração dos materiais de construção. Com essa possibilidade de movimentação, são prevenidas, especialmente, rachaduras nas estruturas.

O que a variação de temperatura pode causar?

Todo material possui uma variação de volume específica. Essa variação acontece devido à mudança de temperatura nas superfícies, e também por causa da movimentação sobre elas. Quanto mais quente o clima, maior é a dilatação do material. Quanto mais frio, maior sua compactação. O nível de dilatação também varia de acordo com a composição do produto.

Se paredes externas não contarem com juntas de dilatação, por exemplo, essas mudanças podem provocar fissuras e rachaduras. Como resultado, há grande chance de infiltrações, o que provoca problemas internos e ainda pode comprometer a segurança edificação.

Já a variação nos pisos pode provocar o “estouro” da superfície. Rachaduras e desprendimento das peças são igualmente comuns quando juntas não são instaladas. O mesmo para lajes, que ainda podem sofrer com o comprometimento da impermeabilização da superfície. A infiltração na laje é algo bastante perigoso, pois compromete a solidez de todo o imóvel.

Além destes, as vigas horizontais, que se apoiam em pilares, também requerem juntas de dilatação. Caso essas não sejam instaladas, podem ocorrer esforços exagerados sobre a estrutura. Como resultado, há trincas e fissuras, que comprometerão todo o sistema.

Ou seja: o uso de juntas de dilatação é fundamental para a segurança e durabilidade de qualquer construção. Isso inclui, além de imóveis, pontes, ferrovias, dutos e tubulações. No caso dessas últimas, as juntas são fundamentais, especialmente, caso os dutos conduzam fluídos à alta temperatura.

O cálculo do número de juntas e do tipo necessário para cada estrutura deve ser feito de modo individual. O engenheiro ou arquiteto devem considerar, sempre, fatores como a altura da construção, as variações de temperatura possíveis e o peso que a estrutura deverá suportar.

Onde a junta de dilatação deve ser utilizada?

Como citado até aqui, o uso das juntas de movimento essencial sempre que a estrutura vai sofrer qualquer tipo de variação térmica. Por isso, este “acessório” deve ser aplicado em quase todas as áreas da Construção Civil. E não apenas por causa das mudanças de temperatura, mas ainda devido à mudança de volume do concreto. Com a secagem da água da mistura, o concreto sem juntas pode rachar e ter toda a sua qualidade e durabilidade comprometidas.

A junta de dilatação também controla o movimento das estruturas de modo vertical. Isso acontece em construções como muros, fachadas e na junção de dois ou mais edifícios, como as casas geminadas. Há ainda pontes, viadutos e passarelas, que sem as juntas poderiam vir a desmoronar.

Tipos de juntas de dilatação

Existem alguns tipos de dilatação, indicados para diferentes estruturas. Elas devem ser avaliadas por um especialista em Engenharia, para que sejam adequadamente calculadas e instaladas. Veja, a seguir, alguns dos tipos mais comuns de juntas de dilatação.

Juntas abertas

Uma junta de dilatação aberta é indicada para vãos de até 65 mm, especialmente em pontes para veículos. Com essa opção, o espaço entre uma peça e outra de concreto não possui preenchimento. Por isso, há a possibilidade de passagem de detritos e água da chuva entre os vãos. Esse espaço impede que as parte de concreto se choquem a cada passagem de um veículo, o que poderia provocar seu desgaste acelerado.

Juntas fechadas

Juntas fechadas são preenchidas por diferentes materiais, como a cortiça, compostos plásticos ou peças metálicas. Elas são principalmente utilizadas em pontes e viadutos. Seu objetivo é impedir a passagem de água da chuva para o interior das construções.

Junta enterrada

A junta enterrada é pouco utilizada na Construção Civil, pois existem opções mais práticas — como as juntas de asfalto modificado, que citaremos a seguir. Ainda assim, ela é indicada para movimentações de até 30 mm na horizontal e de 1,3mm na vertical. A opção é chamada de “enterrada” pois, sobre ela, é instalada uma chapa de metal.

Juntas de asfalto modificado

O ideal é utilizar esse tipo de junta apenas de modo temporário. Elas suportam movimentação de até 4 mm na vertical, e de 40 mm na horizontal. Ao redor da junta, é aplicado um asfalto modificado, enriquecido com elastômeros e agregados siliciosos ou basálticos. Isso reforça a estrutura e diminui ainda mais as chances de rachaduras e desgastes.

Junta de compressão

Muito utilizada em pontes, edifícios e túneis, a junta de compressão suporta movimentações de até 50 mm na horizontal e 3 mm na vertical. Ela é composta por uma tira de borracha, que é fixada nas extremidades da junta.

Junta deslizante

Neste tipo de junta, são suportadas movimentações de até 100 mm. A estrutura é composta por duas placas de metal, que deslizam uma sobre a outra. Cada uma das placas é presa a uma das extremidades da junta.

Junta dentada

A junta de dilatação dentada é indicada para estruturas de grande porte e com tráfego elevado, especialmente de veículos. Ela pode suportar movimentações de até 500 mm na horizontal e é composta por duas placas metálicas. Essas placas são fixas nas extremidades das juntas, e possuem saliências e reentrâncias intercaladas. Assim, com a movimentação da junta, as peças podem se encaixar.

Como instalar as juntas de dilatação?

Existem diferentes modos de instalar as juntas de dilatação em uma estrutura. Eles variam de acordo com o tipo de junta, o tamanho da estrutura, e também conforme o fabricante do material. Por isso, é fundamental avaliar as instruções para cada item antes de utilizá-lo.

Independentemente da junta, porém, é preciso ter alguns cuidados. Para começar, a superfície em que ela será aplicada deverá estar nivelada e limpa. Ao fim da instalação, também é preciso, novamente, nivelar e limpar a área. Assim, ficarão prevenidas imperfeições ou pequenos degraus na superfície.

Além disso, é fundamental que a estrutura siga as normas estabelecidas de execução. Como a norma NBR 7187/2003 – Projeto de pontes de concreto armado e de concreto protendido – Procedimento, da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). Há também regras internacionais, para o caso da compra de material de fora do País.

Agora você já sabe bem mais sobre a junta  de dilatação. Ainda assim, não se esqueça de contar com o auxílio de um especialista! Apenas um profissional poderá garantir a melhor escolha e a segurança completa da sua construção.

você pode gostar também

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se concorda com isso, clique no botão ao lado. Aceitar Ler mais