Existem tantos tipos de estacas e tantos tipos de fundações que acaba tornando confuso saber qual é qual e pra que serve cada uma.

Por isso, a necessidade de conhecer os diferentes tipos de estacas da construção civil e como elas funcionam, é de uma necessidade obrigatória.

Nesse artigo teremos os seguintes tópicos:

  • O que é fundação profunda?
  • Estacas de fundação, o que são?
  • Tipos de estacas da construção civil;
  • Como escolher a melhor estaca?
  • Conclusão.

Tudo pronto? Vamos lá!

O que é fundação profunda?

Como as estacas fazem parte da categoria de fundações profundas, vamos primeiro conhecer melhor sobre esse tipo de fundação para melhor entender a função das estacas.

As fundações profundas são responsáveis por transmitir a carga da superestrutura para a fundação por meio de resistência de ponta, pela resistência de fuste ou por ambas.

Porém, para que a fundação seja considerada profunda, é necessário que ela tenha no mínimo três metros de comprimento ou estar assente a uma profundidade maior do que o dobro da sua menor dimensão em planta.

As fundações profundas são separadas em estacas, tubulões e caixões. Nesse artigo só falaremos sobre as estacas.

Estacas de fundação, o que são?

Pelo fato do Brasil possuir variados tipos de solos, além também de existirem diferentes tipos de edificações, não é de surpreender que existam estacas de vários tipos específicos para cada caso.

Por isso, que é necessário o engenheiro conhecer as características do local e da edificação para antes decidir qual melhor tipo de estaca escolher.

Como já dito anteriormente, as fundações são responsáveis de transmitir a carga de uma estrutura para o solo. No caso das estacas, basicamente, elas transferem o peso através de duas formas, pelo atrito lateral entre a estaca e o solo e pela resistência da ponta da estaca.

Tipos de estacas da construção civil

Existem vários tipos de estacas, desde as moldadas in loco até as pré-moldadas e entre outras.

A seguir, iremos descrever várias delas.

1 – Estaca moldada in loco

É um nome um tanto engraçado, mas não tem nada de “louco” nela. In loco é uma expressão em latim que significa “no lugar” ou no “próprio local”.

Basicamente, se cria uma estaca no próprio local, a partir do enchimento de concreto ou argamassa dentro de uma perfuração já feita posteriormente. A terra provinda da escavação pode ser retirada ou descolada durante o processo executivo. Essa estaca pode ser usada em solos coesivos, não coesivos e com presença de nível d’água, desde que utilizem técnicas de encamisamento.

2 – Estaca Franki

O processo de uso dessas estacas é através de bate estacas; um peso ficará batendo em uma espécie de bucha com brita e areia, até que se atinja a profundidade requerida. Depois de feito isso, a bucha será solta e irá formar uma base alargada de concreto. Então, a armadura é instalada e, à medida que o revestimento cravado é retirado, o fuste é concretado.

As estacas Frank não devem ser utilizadas em terrenos com matacões, construções vizinhas precárias e terrenos com camadas de argila mole e saturada.

3 – Estaca Strauss

A estaca Strauss é realizada por meio da escavação feita por uma sonda simultaneamente à introdução de um revestimento de metal formado por segmentos rosqueados, isso é feito até que a profundidade almejada seja alcançada.

Então, a armação é colocada, e no mesmo tempo que ocorre a concretagem, o revestimento é retirado.

Você é engenheiro(a)? Não está ganhando o quanto deveria?
Conheça essa oportunidade no mercado. Vistoria Cautelar de Vizinhança

Clique aqui

Essa estaca é recomendada em espaços confinados que apresentem pouca vibração. Ela não deve ser utilizada em areias submersas, argilas muito moles, saturadas ou quando existe a presença de lençol freático.

4 – Estaca raiz

A fundação do tipo raiz pode ser utilizada em qualquer tipo de solo. É uma estaca moldada no local, possui variação de diâmetro de 10 a 50 cm, com profundidade de cerca de 60 metros.

A escavação de uma estaca raiz é realizada por perfuração rotativa ou roto-percussiva. Durante todo o processo de escavação é utilizado revestimento metálico.

Essas estacas são muito úteis em fundações que precisam perfurar rochas ou solos com bastante matacões.

5 – Estaca pré-moldadas ou de deslocamento

Esse tipo de estaca não promove a retirada do solo, pois são constituídas por um ou dois elementos estruturais (aço, madeira, concreto armado ou protendido). A vantagem delas é que já chegam prontas no canteiro de obras, portanto, possuem maior controle de qualidade. A cravação é feita por meio de percussão, prensagem ou vibração.

As estacas pré-moldadas são ótimo para solos não coesivos e que tenham lençol freático próximo do nível do solo.

Entretanto, sua produtividade é inferior em comparação às estacas moldadas in loco.

6 – Estaca pré-moldada de concreto

Essas estacas são peças de concreto já pré-fabricado e são cravadas nos solos, além disso, podem ter diferentes formas geométricas, podendo ser maciças ou vazadas.

É possível realizar a cravação dessas estacas de três maneiras diferentes, por vibração, percussão ou prensagem.

Não é recomendado o seu uso em terrenos com matacões ou pedregulhos, terrenos em que a cota da ponta da estaca seja muito variável ou em construções vizinhas que estejam em estado precário.

Ademais, causam muito barulho.

7 – Estaca metálica

As estacas metálicas são composta por perfis metálicos, tubos de chapa dobrados ou trilhos metálicos.

Na hora da cravação, os elementos são cravados por meio de um bate-estaca.

São inviáveis em solos muito duros ou com presença de matacões.

8 – Estacas de madeira

As estacas de madeira são utilizadas em obras provisórias, já que se deterioram em razão de fungos e bactérias. O seu uso em obras permanentes só é viável se a estaca de madeira tiver proteção fungicida e bactericida.

A cravação destas estacas normalmente são feitas por meio de martelos de queda livre.

O seu uso não é recomendado em terrenos com matacões e se caso necessitar a penetração em camadas resistentes à ponta, este deve ser protegida com ponteira de aço.

9 – Estaca hélice contínua

É uma estaca moldada in loco, porém, a escavação é feita por meio de um trado helicoidal que possui um tubo acoplado ao longo do seu eixo.

Assim que termina a escavação, é realizada a concretagem através do tubo acoplado com simultânea retirada do trado helicoidal.

10 – Estacas a trado rotativo ou mecanizado

São também chamadas de estacavas escavadas, seu processo é mais barato e pode ser usado em diferentes tipos de solos, mesmo aqueles que tenham lençol freático (desde que seja utilizadas camisas metálicas).

Você é engenheiro(a)? Não está ganhando o quanto deveria?
Conheça essa oportunidade no mercado. Vistoria Cautelar de Vizinhança

Clique aqui

Elas são executadas por meio de trado helicoidal e o preenchimento é feito com concreto após o termino da escavação.

A perfuração é realizada por meio de rotação e a retirada do solo é feita a subida do trado. Quando atingir a profundidade necessária, se posiciona a armadura e assim inicia-se a concretagem da estaca. Ao reutilizar camisas metálicas, se deve retirá-las logo após a concretagem.

11 – Estaca prancha

As estacas pranchas são utilizadas em estruturas de contenção. Geralmente são executadas por perfis metálicos cravados justapostos.

Estas estacadas são recomendáveis em subsolos de edificações, construção de piers e cais, calados de portos, contenções submersas, acesso de túneis e etc.

A cravação é feito com um grande bate estaca, não sendo indicado para solos muito duros.

Como escolher a melhor estaca?

É necessário escolher bem a estaca para cada tipo de terreno que será construído a obra, caso contrário, pode haver muitos problemas.

Até mesmo caçadores de vampiros se importavam bastante em terem estacas especificas para a realização do eu trabalho, mas isso é não é assunto para agora.

Primeiramente, é necessário que este serviço seja feito por um engenheiro geotécnico. Ele irá averiguar as seguintes considerações entre várias antes da escolha da estaca:

  • Características do terreno;
  • Cargas da edificação;
  • Recursos financeiros;
  • Técnicas que serão utilizadas na construção;
  • Vários outros.

Para se conhecer as características do solo, é necessária a execução de sondagem do solo, para assim ter informações sobre a descrição e características das camadas do solo, posição de lençóis freáticos e também da estimativa de resistência do solo.

Para se conhecer as características e cargas do projeto, o engenheiro geotécnico irá analisar os projetos de arquitetura, principalmente, o projeto estrutural.

Conclusão

As estacas fazem parte da categoria de fundação profunda, sendo de extrema importância para vários tipos de obras.

Sem uma boa estaca, que seja bem escolhida para o terreno aonde a obra será construída, poderá ocorrer a completa ruína do projeto, inclusive, acidentes sérios.

Por isso que as estacas devem ser bem escolhidas, o solo deve ser bem analisado e também é necessário calcular a quantidade de carga que edificação irá sofrer, antes de escolher qual é a melhor para o projeto.

Write A Comment