Verga e Contraverga: O que é? Norma a Dimensões NBR

Você já ouviu falar em verga e contraverga? Muitas vezes, notamos algumas fissuras em torno das aberturas nas paredes de alvenaria durante a obra. Embora pareçam muito comuns, segundo os especialistas, fissuras são um dos grandes problemas vivenciados na construção civil, e uma das principais responsáveis por transtornos e aumento de gastos para a sua correção.

No entanto, o problema pode ser facilmente prevenido com eficiência através da adição de elementos estruturais como a verga e contraverga, além dos cintos de armação no momento da construção da alvenaria.

Assim, para que essas fissuras ou trincas evoluam para problemas mais graves e se tornem uma grande dor de cabeça, esses elementos devem ser empregados sempre que houver portas e janelas nas paredes de vedação. Ou seja, sempre que houver separação de ambientes, externo ou interno, das edificações, para distribuir o peso e aliviar as tensões sobre as paredes, janelas e portas.

Portanto, para que o seu orçamento não estoure com problemas estruturais e correções, vamos explicar nesse artigo o que é verga e contraverga e a importância dessas estruturas, além de como devem ser implementadas para que a sua obra não acabe se transformando em um imóvel sem valor.

Vamos lá!

Como aparecem as fissuras?

A fissuras aparecem por conta de erros na colocação ou asência de verga e contraverga na alvanaria.
A fissuras aparecem por conta de erros na colocação ou asência de verga e contraverga na alvanaria.

Antes de explicar o que é uma verga e contraverga, precisamos entender como aparecem as fissuras nas paredes, seja na alvenaria, na parede emboçada ou já finalizada com pintura.

O fato é que as estruturas durante a construção estão sujeitas a muitas tensões agindo sobre elas, devido ao próprio peso, ventos externos, variações de temperatura responsáveis pela dilatação ou contração dos materiais, umidade, trepidações do solo, acomodações do terreno, entre outros fatores.

No caso de uma parede externa, sem cortes ou aberturas, essas tensões ocorrem no sentido vertical, de cima para baixo, se distribuindo uniformemente sobre toda a alvenaria. Por outro lado, quando a parede possui portas e/ou janelas, essas tensões são redistribuídas, se concentrando de forma mais intensa sobre as quinas e o centro das aberturas.

Normalmente, é por causa dessa redistribuição de força que as fissuras aparecem saindo dos cantos das portas e janelas em ângulos de cerca de 45 graus ou do centro, em ângulos de 90 graus.

Embora as fissuras possam ser superficiais, quando vistas no revestimento externo, elas podem também atingir tanto a argamassa de assentamento dos blocos ou tijolos ou até mesmo atingir os próprios, causando problemas estruturais sérios, como o colapso da estrutura toda.

Diferenças entre fissura, trinca e rachadura

É importante saber que fissura, trinca e rachadura não são exatamente a mesma coisa, sendo a principal diferença a espessura de cada uma delas, isto é, na extensão alcançada por elas. De acordo com a ABNT NBR 9575: 2010, sobre impermeabilização, esses elementos são classificados da seguinte form:

  • Microfissuras: abertura inferior a 0,05 mm.
  • Fissuras: aberturas com até 0,5 mm, estreitas e alongadas.
  • Trincas: mais profundas e mais evidentes, maiores de 0,5 mm e menores de 1,0 mm.
  • Rachaduras: maiores que 1,0 mm, em qualquer parte das paredes, podendo passar água ou vento.

Em geral, trincas menores não provocam maiores danos à não ser má aparência, mas quando atingem tamanhos maiores, podem absorver umidade, provocar mofo e degradar por completo o imóvel.

Normalmente, para corrigir o problema abre-se o local na parede para preencher as fissuras com um material veda-trinca ou remove-se o reboco para colocar uma tela metálica sobre a fissura e cobri-la novamente.

O mais importante é jamais subestimar os danos de uma fissura e tomar as devidas providências o quanto antes que a situação piore. No entanto, o melhor a fazer é prevenir essas aparições combatendo as tensões nas paredes com a utilização da verga e contraverga, em cima e embaixo, respectivamente, para dar o devido suporte às movimentações e cargas necessárias na alvenaria.

O que nos leva ao tópico seguinte: verga e contraverga.

O que é Verga e Contraverga?

Verga e contraverga são elementos estruturais da alvenaria para dar suporte aos vãos de portas e janelas.
Verga e contraverga são elementos estruturais da alvenaria para dar suporte aos vãos de portas e janelas.

A Verga e Contraverga são os elementos estruturais que devem estar presentes na alvenaria para dar suporte e redistribuir o peso e as tensões sobre as estruturas como portas e janelas.

A verga e contraverga funcionam como pequenas vigas de distribuição de cargas e tensões nesses vãos, feitas de aço e concreto, porém menores.

As vergas, por exemplo, ficam na parte de cima do vão da porta, janela ou qualquer outra abertura, no sentido horizontal, e recebe as tensões que vem de cima, distribuindo-as para as paredes laterais da abertura, aliviando a carga sobre ela.

Já a contraverga fica na parte de baixo da janela ou aberturas que exigem um peitoril, sendo a principal diferença entre elas, o seu posicionamento. No caso de mais de uma abertura em uma mesma parede, a verga e contraverga devem ser contínuas, abrangendo todos os vãos.

Tanto a vergas e contraverga podem ser pré-moldadas em concreto ou fabricadas “in loco”. Quando fabricadas na obra, recomenda-se o uso de bloco canaleta para servir de forma para essas pequenas vigas. Já a verga e contraverga pré-moldadas são usadas em obras de grande porte, em os vãos são submetidos à tensões mais elevadas.

Verga e Contraverga: Comprimento e altura

Normalmente, ambas a verga e contraverga devem ter um comprimento maior que a abertura na parede e 20 cm de altura, para ficarem niveladas com o bloco ou tijolo. Além disso, devem ser apoiadas dos dois lados por no mínimo 30 cm de cada lado, para que distribuam corretamente suas cargas.

Para que elas tenham o desempenho esperado, é fundamental ultrapassar o vão da janela ou porta nos dois lados, no comprimento descrito acima ou na proporção de 20% em relação ao tamanho do vão.

Por exemplo, se o vão tiver 2 m, a verga e contraverga devem ultrapassar em 40 cm as laterais do mesmo para ambos os lados. Se for de 1,5 m, deve ultrapassar 30 cm, e assim por diante.

Já com relação à altura, normalmente aplica-se a regra dos 10%, ou seja, para uma verga e contraverga de 2 m, a altura deve ser de 20 cm.

Atenção: Em caso de vãos acima de 2 m, recomenda-se fazer um cálculo estrutural com profissional habilitado. Ambas, verga e contraverga, devem ser colocadas nas janelas, para evitar o aparecimento de fissuras.

Quando usar bloco canaleta

No caso de uma obra com muitas repetições de vãos, recomenda-se o uso de verga e contraverga pré-moldadas, por ser mais vantajoso e rápido. Nos demais casos, o bloco canaleta de fabricação “in loco” pode ser utilizado, apesar de opcional.

O bloco canaleta substitui as formas de madeira, geralmente utilizadas tradicionalmente de maneira precária nas obras, principalmente residenciais. No entanto, saiba que o uso do bloco canaleta não dispensa a madeira para escoramento, que necessita de cuidados e utilização correta.

Além disso, o bloco tipo canaleta é indicado apenas para vãos de até 2m, sendo que os maiores exigem elementos pré moldados em concreto armado com distribuição adequada de armaduras longitudinais e estribos.

Como colocar verga e contraverga

A verga e contraverga são elementos que não podem faltar na sua obra.
A verga e contraverga são elementos que não podem faltar na sua obra.

Como vimos, a verga e contraverga podem ser feitas diretamente no próprio local onde vão ficar, sendo necessárias as formas de execução, as escoras, e alguns dias de espera para secar e assentar para depois serem retiradas. Isso acaba demorando uma semana ou mais.

Outra opção é pré-fabricá-las no canteiro da obra sendo deslocadas e instaladas na parede ou janela, posteriormente. No entanto, isso também dificulta o transporte, dependendo do local na obra.

Por isso, muita gente prefere utilizar os blocos canaleta para formatar a viga e ser preparada com mais rapidez e praticidade. No caso das armaduras, em vãos de até 2 m ela pode ser feita com dois vergalhões de 6,3 mm, colocados a três centímetros do fundo e cerca de 2 cm um do outro, se estendendo cerca de 20 cm além das extremidades do vão, conforme dito anteriormente.

Veja mais detalhes de cada uma a seguir:

Contraverga

A contraverga é usada apenas nos vãos de janela que necessitam de peitoril. Para colocar a contraverga, assente os blocos alinhando tudo com a régua e fazendo os ajustes necessários. Em seguida, aplique concreto no interior do bloco até atingir 3,0 cm de altura e disponha dois vergalhões de aço com 6 mm de diâmetro cada, com distância de 1,5 cm entre eles.

Os vergalhões devem ser de, pelo menos, 40% maior do que o comprimento do vão da janela. Os 20% adicionais, apoiados de cada lado, ficarão sobre a alvenaria, unindo tudo junto. Por fim, preencha o bloco com concreto até 4,0 cm para completar a canaleta, e coloque outros dois vergalhões com as mesmas características, completando com concreto.

Verga

A verga para portas e janelas precisa de uma escora de madeira com a mesma altura do vão apoiada na contraverga ou no piso. Por isso, a cura do concreto precisa estar pronta para que o mesmo ganhe resistência necessária. Depois, é aplicada a argamassa sobre a escora, colocando os blocos canaleta e repetindo o processo feito na contraverga.

Cinta de amarração

A cinta de amarração é outro elemento estrutural que também não pode faltar na obra de alvenaria. Normalmente, são usadas em em edificações planas ou em construções onde não se prevê a construção de uma laje. Elas “amarram” a alvenaria ou os tijolos, para dar mais solidez à estrutura.

As cintas de amarração costumam ficar apoiadas sobre as paredes, com para distribuir e uniformizar as cargas sobre elas. Em geral, devem ser aplicadas onde há duas ou mais aberturas, para funcionar como uma verga contínua.

Além disso, também servem para prevenir os recalques diferenciais, principal causa de trincas e fissuras, que acontecem quando uma parte da obra rebaixa mais que outra, gerando esforços estruturais e podendo até arruinar toda a estrutura.

Ela deve ser construída em toda a extensão da estrutura, acima da alvenaria. No caso de estruturas térreas, recomenda-se construir 2 cintas de amarração, uma à altura de 1,10m e outra na altura de 2,20m.

A boa prática recomenda fazer uma cinta de amarração na última fiada (encunhamento) das paredes (respaldo) com tijolos tipo canaleta e duas barras de ferro, preenchidos com concreto. Lembrando de deixar passagens para canos e conduítes (eletrodutos).

Os vergalhões podem ser mais finos, porém o ferro 3/8 é o mais utilizado para garantir maior sustentação e segurança. O traço ou composição do concreto é o mesmo usado nas estruturas, mantendo-se a mesma resistência dos concretos das lajes e vigas.

Veja também: Tipos de laje: Treliçadas, Nervuradas e Maciças.

Mesmo que a parede da estrutura seja bem feita e pareça sólida, sem a cinta de amarração é uma questão de tempo o aparecimento de problemas graves. Portanto, não queime etapas na sua obra para não correr riscos.

Encunhamento

Outro elemento muito usado na construção civil é o encunhamento. Na verdade, o termo refere-se ao acabamento de vedação que recebe a última fiada da alvenaria ao encontro de uma verga e contraverga.

O encunhamento pode ser feito em diversos materiais como: blocos maciços, espuma expansiva, argamassa, etc, para que a alvenaria fique devidamente fixada à estrutura de concreto.

Detalhe verga e contraverga: DWG

Veja a ilustração das estruturas como são construídas e estão localizadas entre si, abaixo:

Verga e contraverga: detalhe
Detalhe do desenho estrutural da verga e contraverga na alvenaria.

Verga e Contraverga: SINAPI

Como você viu, as formas de produzir cada verga e contraverga, além das contas de amarração são bastante variadas. Para facilitar, o SINAPI – Caixa Econômica Federal criou uma composição de preços, classificando esses elementos estruturais da seguinte maneira:

  • Vergas pré-moldadas para janelas e portas;
  • Vergas moldadas in loco, em concreto, para janelas e portas;
  • Vergas moldadas in loco, com utilização de blocos canaleta, para janelas e portas;
  • Contravergas pré-moldadas;
  • Contravergas moldadas in loco, em concreto;
  • Contravergas moldadas in loco, com utilização de blocos canaleta;
  • Cintas de amarração de alvenaria moldadas in loco, em concreto;
  • Cintas de amarração de alvenaria moldadas in loco, com utilização de blocos canaleta.

Norma relacionada às vergas e contravergas

A norma relacionada a verga e contra-verga é a ABNT NBR 6118:2014

Essa norma apenas se aplica quando se tem os vãos grandes. Quando  vãos menores, não há normas

Conclusões finais

Como você já pode notar, realizar uma obra não é coisa tão simples assim. Pois é necessário ter o conhecimento de vários elementos estruturais, funções e colocações adequadas para se obter bons resultados e cumprir com todas as exigências de qualidade e segurança nas obras.

Além disso, a Segurança do trabalho na Construção Civil é coisa séria e fundamental para se evitar acidentes.

No caso da verga, contraverga e cinta de amarração aqui explicadas, elas representam segurança para as estruturas fundamentais para manter as edificações seguras, equilibradas e niveladas, a fim de evitar maiores danos.

Sendo assim, jamais pule etapas economize nesses elementos estruturais fundamentais para o sucesso do seu projeto e bem estar de todos envolvidos. Não se esqueça também de contar com a qualidade dos materiais e o profissionalismo do pessoal.

Gostou? Esperamos que todas as suas dúvidas quanto verga e contraverga tenham sido sanadas. Aproveite e volte para nos contar como foi a sua experiência. Até a próxima!

você pode gostar também

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se concorda com isso, clique no botão ao lado. AceitarLer mais