O orçamento de obras é parte integrante de um planejamento de obras, senão a mais importante antes de começar qualquer obra ou reforma.

É neste orçamento que nós conseguimos ver o que é possível realizar no projeto, o quanto aquela obra vai nos custar, quanto vamos pagar pelos serviços, pelo material, equipamentos, mão-de-obra, etc.

Ou seja, o orçamento de obras é a soma de todo quantitativo que envolve o projeto, seja uma reforma ou uma construção.

Sendo assim, se você estiver planejando construir ou reformar, vamos te mostrar como fazer um orçamento de obras do início ao fim, incluindo a planilha de orçamento de obra, que não pode faltar. Confira!

O que é o Planejamento de Obras

O planejamento de obras é um sistema complexo que envolve várias atividades que se relacionam entre si, como por exemplo:

  • orçamento;
  • projeto;
  • mão-de-obra;
  • serviços;
  • materiais;
  • equipamentos.

E esse planejamento de todos esses recursos aplicados diretamente ao projeto, devem estar sempre previamente definidos dentro de um plano de condições de:

  • prazo;
  • custo;
  • qualidade;
  • risco.

Planejar o futuro e gerenciar o presente em função de um planejamento passado e complexo existem várias variáveis que interferem positivamente ou negativamente no decorrer do tempo de execução do projeto.

Planejar é traçar objetivos e metas, visando o sucesso do projeto, ou seja, é o futuro planejado. Gerenciar é realizar os objetivos e as metas, alcançando o sucesso planejado, ou seja, é o presente gerenciado a cada dia.

O que é um orçamento de obras?

O orçamento de obras é a somatória de gastos para a execução de um projeto, desde a sua concepção até após a entrega do empreendimento, conforme um planejamento de obra previamente estabelecido.

Vale lembrar que orçamento de obras é diferente de orçamentação, que nada mais é que o processo de elaboração do resultado final de custos de uma obra, sendo que o orçamento de obras é justamente esse resultado, ou seja, o produto final dessa orçamentação.

No caso de uma obra, o seu sucesso está diretamente relacionado à finalização de suas atividades dentro do prazo estimado e do custo planejado. No entanto, não é nada difícil encontrar obras não finalizadas ou mal acabadas por conta da falta de previsão de certos gastos significativos no orçamento.

Portanto, um bom orçamento de obras deve estipular a soma dos custos diretos, custos indiretos, impostos e o lucro esperado pelo construtor. Só assim há garantias de que tudo saia conforme o planejado.

Classificações do orçamento de obras

Em geral, dependendo das fases em que se encontra o projeto é possível alterar o orçamento conforme a definição de seu escopo e detalhamento, classificando-o em estimativa de custo, orçamento preliminar e orçamento analítico ou detalhado.

Veja abaixo:

Estimativa de Custos

A estimativa de custos já se define pelo nome. É uma avaliação aproximada do custo de um projeto baseando-se em experiências anteriores, como projetos realizados em um mesma região ou em tabelas desenvolvidas por empresas privadas ou públicas.

No entanto, este tipo de orçamento é apenas uma base para que se tenha uma ideia de quanto será gasto. Para este cálculo, um indicador muito utilizado em obras de edificações é o CUB (Custo Unitário Básico), obtido através de uma pesquisa mensal pelo SINDUSCON de cada estado. O CUB representa o valor médio por metro quadrado de cada estado obtido por meio de coleta dos valores praticados pelas construtoras.

Sendo que os custos no CUB estão divididos em:

  • Tipo de construção;
  • Número de pavimentos;
  • Número de quartos;
  • Padrão de acabamento.

No entanto, o CUB não é uma ferramenta precisa para realizar um orçamento, pois não contempla custos com projetos, fundações, valor do terreno, paisagismo, elevadores, ar-condicionado, impostos, lucro, dentre outros.

Orçamento preliminar

Como o próprio nome já indica, o orçamento preliminar tem um grau de detalhamento um pouco maior do que a estimativa de custo, pois nessa fase já se pode estimar as quantidades e os custos de pequenos trabalhos e materiais de base.

Orçamento analítico

O orçamento analítico é a ferramenta mais detalhada e precisa dos custos envolvidos na construção. É nesse tipo de orçamento que se inclui cada serviço utilizado na obra discriminando as quantidades de materiais, equipamentos e mão de obra por meio de projetos adicionais detalhados.

Desse modo, inclui-se os custos diretos (materiais, equipamentos e mão de obra) e também os custos indiretos (custos com o escritório central, salários administrativos, impostos, lucros, etc). Veja com mais detalhes abaixo:

Custos Diretos

Os custos diretos são aqueles que estão diretamente relacionados com o serviço a ser executado na obra, como os materiais, equipamentos e mão de obra. Para este cálculo, realiza-se uma composição de custos, incluindo todas as quantidades e índices de insumos e mão de obra.

Assim, devem ser abordados os insumos que incidem sobre algum serviço com suas quantidades, índices, custos unitários e custos totais. Dessa forma, é bem mais fácil obter um valor mais exato para a realização das etapas da obra.

Existem algumas tabelas de composição de custos prontas que podem ser usadas. Elas são produzidas por empresas públicas e privadas para estabelecer um padrão dos serviços levantados em obras. Como por exemplos, o SINAPI, realizado pela Caixa Econômica Federal e IBGE, e a TCPO, mantida pela editora Pini.

Custos Indiretos

Os custos indiretos são os que não estão necessariamente relacionados aos serviços executados no canteiro de obras, como a administração central da empresa ou escritório, custos com despesas administrativas, com taxas de seguro e riscos.

Vantagens de um orçamento correto

  • Sabe exatamente onde, quando e o que será gasto;
  • Ajuda na hora de compor o orçamento, colocando os gastos corretos;
  • Consegue saber qual etapa da obra gasta mais e requer maior atenção;
  • Consegue saber qual material ou qual serviço é mais caro, assim procura mais desconto;
  • Ajuda a planejar a obra como um todo.

Vantagens de um orçamento de obras bem feito

Como fazer orçamento de obras: passo a passo

Fazer um orçamento de obras adequado é fundamental. Primeiro, para planejar os custos da construção, para que eles caibam no orçamento. Em segundo lugar, o orçamento garante uma previsão de quando todo o trabalho será finalizado. Assim, torna-se possível planejar a venda do imóvel, a mudança dos novos moradores ou outro.

Veja, a seguir, o passo a passo para fazer um orçamento de obras. Agora, se você é um consumidor, e deseja praticidade, procure um profissional ou empresa especializada em engenharia. Os responsáveis irão lhe entregar um orçamento completo e detalhado.

1. Realizar a estimativa de quantidades

O primeiro passo para fazer um bom orçamento é fazer o levantamento do quanto será necessário para a obra. Quais serão as quantidades de cada material? É comum que as quantidades já sejam estabelecidas pelo projetista do imóvel. Neste caso, o processo é mais simples, e você já poderá passar ao passo dois.

Porém, se o engenheiro não estimar os materiais, será preciso realizar alguns cálculos. Por exemplo: quantos tijolos serão necessários a cada metro quadrado da construção? Qual volume de argamassa será utilizado? E dos demais materiais?

As quantidades variam por construção, porque tudo depende de como o imóvel foi projetado. Algumas obras, por exemplo, utilizam tijolos maciços. Naturalmente, o número de tijolos e o volume de argamassa necessárias, neste cenário, é maior do que uma obra que utiliza tijolos vazados de cerâmica.

É importante que TODOS os materiais sejam estimados, para todas as etapas da construção. A cada etapa, eles serão diferentes e terão várias quantidades, da fundação à execução do edifício.

Lembre-se, também, de especificar a produtividade da obra. Ou seja, em quantas horas os trabalhadores conseguirão executar cada etapa da construção. Os custos com mão de obra precisam aparecer no orçamento, pois terão grande peso no que será gasto com a edificação.

Muitos trabalhadores cobram por dia, outros por hora. Conheça as especificidades dos quais você irá contar, e considere-as também para o orçamento. Caso ainda não possua mão de obra, faça uma estimativa dos dois modos de cobrança. Isso vai tornar o resultado do orçamento o mais fiel possível ao real.

2. Divida os custos e insumos por etapa da obra

Assim como citamos, os custos e materiais necessários para cada etapa da obra vão variar. Por isso, é importante, na hora de fazer os cálculos, distribuir cada estimativa em sua etapa adequada. Com este cuidado, será mais simples avaliar o quanto será gasto em cada momento. Como resultado, o consumidor pode organizar e adequar o seu orçamento segundo as necessidades da construção.

Você pode dividir a sua obra nas seguintes etapas:

  • Serviços preliminares;
  • Fundação do imóvel;
  • Estrutura;
  • Construção da alvenaria;
  • Instalações elétricas;
  • Instalações hidráulicas;
  • Piso;
  • Revestimentos;
  • Esquadrias (janelas, portas, portões, venezianas etc.);
  • Pintura; e
  • Limpeza da obra.

3. Monte as CPU’s

Você já deve ter percebido que, a cada etapa do orçamento, os cálculos se tornam cada vez mais específicos, mais detalhados. As CPU’s têm a mesma função. As CPU’s são as Composições de Preço Unitário. Para montar cada composição, é preciso estabelecer o que será gasto de cada material, em cada etapa da construção.

Por exemplo: suponha que na fundação do imóvel, será necessário utilizar 10 metros cúbicos de argamassa. Assim, você irá definir o quanto de cada material será necessário para compor a argamassa, formando estes 10 metros cúbicos.

Ao fim do cálculo, você poderá também definir o necessário para formar 1 metro cúbico do insumo — o que vai servir como base para qualquer cálculo extra de material. Ou seja, será possível definir o preço unitário do serviço.

4. Estabeleça o custo indireto da sua obra

Apesar dos materiais e mão de obra serem partes fundamentais, eles não são os únicos custos de uma obra. Na verdade, também é preciso considerar os custos indiretos no orçamento.

Os custos indiretos são os insumos que serão necessários para a execução da obra, mas não podem ser comprados em uma loja de materiais de construção. Isso inclui:

  • Gastos com energia elétrica para as máquinas no canteiro;
  • Água para a preparação da argamassa e higiene dos trabalhadores;
  • Telefone;
  • Internet;
  • Materiais de escritório para o projeto;
  • Combustível para as máquinas;
  • Aluguel de máquinas;
  • Alimentação dos trabalhadores;
  • Transporte dos trabalhadores; etc.

6. Monte o seu BDI

A BDI nada mais é do que as Bonificações e Despesas Indiretas. Ela consiste em transformar todos os valores calculados anteriormente em percentuais em relação ao custo direto da obra. Além disso, é preciso definir o percentual que lucro e impostos representam no custo total da edificação.

Também conhecida como LDI (lucro e despesas indiretas), essa medida é aonde está o lucro da obra. No caso de obras próprias não há esse item. O BDI pode ser de 10%, 20%, 30%, 40%, 100% dependendo do tipo de obra, cliente, mercado. Essa etapa é a final para a montagem do preço.

Lembre-se que PREÇO = CUSTOS + LUCRO.

No caso de reforma ou construção própria não existe esse passo. Você não vai cobrar lucro de você mesmo, vai?

7. Finalize com a planilha de orçamento de obra

Para finalizar o orçamento de obras, coloque em uma planilha todas as informações que você obteve. Organize todos os dados de modo simples e compreensível, e apresente-os ao seu cliente. Conhecendo cada gasto e previsão, o usuário terá segurança muito maior em executar a obra.

Como montar uma Planilha de Orçamento de Obra

Você pode também pensar que obras e reformas pequenas não necessitam de um orçamento. Se você não quer adquirir um software para te ajudar a criar o seu orçamento, pelo menos coloque em uma planilha de orçamento de obra em Excel ou em uma folha rascunho.

Uma coisa é certa, será mais fácil acompanhar a sua obra e garantir que tudo saia como planejado. Para fazer um planilha de orçamento de obra precisamos seguir 7 passos essenciais, a fim de evitar qualquer erro, são eles:

    • Atribuir uma composição de preços para cada serviço levantado do projeto;
    • Levantar os custos indiretos e custos de acessórios;
    • Inserir os impostos e definir o lucro desejado;
    • Encontrar nosso preço de venda;
    • Calcular nosso BDI;
    • Aplicar o BDI linearmente em toda a planilha;

Realizar o fechamento da planilha com o preço de venda.

Campos básicos de uma planilha de orçamento de obra

Uma planilha de orçamento de obras deve conter os seguintes dados:

  • BDI utilizado na planilha = 30%;
  • Encargos Sociais adotado = 122%;
  • Código: sequência lógica da obra ou apenas um critério de controle da empresa;
  • Descrição: descrição dos serviços;
  • Unidade do serviço: medida que foi considerado, área, volume, metros, unidade ou verba;
  • Quantidade: todas as quantidades levantadas com projeto, memorial descritivos;
  • Preços unitários de cada serviço: valores de materiais, mão de obra, custos indiretos, lucro e impostos;
  • Preço total: multiplicação do preço unitário pela quantidade do serviço.

Existe também a tabela da SINAPI que pode te ajudar nessas questões orçamentárias, veja abaixo:

Tabela SINAPI

A Caixa Econômica Federal e o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) disponibilizam mensalmente as Tabelas Nacionais de Custos e Índices da Construção Civil (SINAPI) em PDF paradownload.

A gestão do sistema é realizada pela Caixa Econômica e o IBGE de forma compartilhada. A Caixa Econômica é responsável pela base técnica de engenharia (especificação de insumos, composições de serviços e projetos referenciais) e pelo processamento de dados, já o IBGE desenvolve a pesquisa mensal de preço, metodologia e formação dos índices.

As tabelas SINAPI só estão disponíveis para download no formato PDF, impossível de automatizar com planilhas de orçamento em Excel.

2 Exemplos de planilhas de orçamentos de obras para download

01

02

Planilhas de Orçamento de Obra Atualizadas

Recentemente nós publicamos por aqui mesmo no site um artigo com diversas planilhas de orçamento de obra para que você possa baixá-las e usar.

Ao todo são 9 planilhas atualizadas que você poderá usufruir, são planilhas que irão te ajudar em:

  • Orçamento de obra;
  • Custo por metro quadrado;
  • Custos de materiais de construção;
  • A planilha Sienge para orçamento;
  • Orçamento para pintura;
  • Quantitativo de materiais em obra.

Ou seja, vale muito a pena dar uma conferida em todo este material auxiliar que preparamos exclusivamente para você!

Softwares para Orçamento de Obras

Mas claro, nem só de planilhas vive o homem, ainda mais nestes tempos de tecnologias.

É pensando justamente em ajudar a otimizar seu trabalho com o orçamento de obras que nós trazemos alguns softwares para orçamento de obras que você poderá tirar bastante proveito. Fique atento a todas as opções abaixo, certamente uma (ou mais) delas irá te ajudar bastante.

1 – OrçaFascio

“Orçamento de obras 8X mais rápido”, é exatamente isto que este software 100% Web promete, sem contar que ele segue a risca as regras do TCU – Tribunal de Contas da União.

Este software também é capaz de aproveitar uma determinada composição para criar novas, ou seja, ele é capaz de criar a cópia de um determinado orçamento, ou então os dados de vários orçamentos para assim fazer um novo, atualizando e reaproveitando trabalhos antigos.

Trata-se de uma ferramenta bastante leve, simples e fácil de se utilizar.

2 – Pra Construir

O Pra Construir não fornece o cálculo de orçamento de obras, porém mesmo assim pode ser um ótimo software para se utilizar. Com ele você poderá realizar um comparativo de preços dos mais variados produtos e insumos, o que irá lhe ajudar a realizar um orçamento mais econômico e também mais rápido.

Nele você também terá acesso a calculadoras específicas onde poderá determinar a quantidade de materiais para as mais diversas etapas de uma obra, como paredes, colunas, lajes, fundações, etc. E o melhor de tudo? Ele é gratuito! Então é só baixar (pode ser pelo Google Play ou pela App Store) e começar a testar.

3 – Best Bid

Software para orçamento de obras com foco em projetos elétricos

Este é um software cujo foco é todo para o orçamento de projetos elétricos, ou seja, independente de qual software acima você decidir usar, nós aconselhamos a utilizar este em conjunto.

Trata-se de um software bastante fácil de se utilizar, e que se aplica a obras comerciais, residenciais, industriais e também em reformas. Talvez a principal desvantagem do Best Bid é que ele somente está disponível em inglês, o que não é nenhum problema caso você entenda um pouco da língua, e também é possível que você solicite uma versão de testes antes de efetivamente comprá-lo.

4 – PriMus

O PriMus trata-se de um software intuitivo, do tipo que você não precisa ficar horas na internet assistindo tutoriais para aprender a como utilizá-lo. Nele você terá a opção de abrir diversos orçamentos ao mesmo tempo, tal como faria em uma mesa de trabalho, podendo copiar dados de um documento e jogar no outro com um simples comando de “Arrastar e Soltar”.

Você também poderá agrupar seu orçamento em diversas categorias, observando o custo de cada tipologia de trabalho separadamente, como por exemplo o custo exato para a estrutura, o acabamento, o mobiliário, etc. Esta divisão por categorias pode te ajudar bastante a ter um controle maior sobre o orçamento de obras.

Aproveite os 30 dias gratuitos pelos quais o software é disponibilizado e o use ao máximo.

5 – Veja Obra

Software para orçamento de obras

Um dos softwares mais simples de se utilizar, seu foco é todo no controle financeiro da obra em questão, apresentando sempre uma transparência aos gestores e para os clientes da empresa. A ideia aqui é poder apresentar de forma clara os custos e também os lucros de cada projeto, com visualização de caixa mensal e dos pagamentos já recebidos e por receber.

Basta acessar o site do Veja Obra e você poderá testá-lo gratuitamente por 30 dias, antes de efetivamente comprá-lo.

6 – Sienge

Software Sienge para orçamento de obras

O software para orçamento de obras do Sienge é um dos mais completos disponíveis no mercado, sendo que seu diferencial é sua capacidade de poder se integrar a outros módulos, fazendo com que você deposite todas as principais informações em um único lugar e de maneira acessível. Ou seja, você não está limitado apenas ao controle do orçamento, mas também possui uma visão ampla de toda a empresa.

Você também poderá configurar composições e etapas específicas para cada tipo de obra, poderá realizar um orçamento com um maior ou menos nível de detalhamento, sem contar que poderá também separar seu orçamento em unidades construtivas, como fase, bloco, etc. Você poderá até mesmo orçar serviços com verbas ou composições dentro de uma mesma planilha, além de ter mais de 30 formatos diferentes para emitir relatórios de orçamento.

Treinamento de orçamentos

Você quer se tornar um especialista em orçamentos e também em custos das obras? Existe um treinamento oficial para te ajudar com isso. Clique aqui se tiver interesse no assunto.

Conclusão

Se você tiver passado por todo este guia completo sobre orçamento de obras, então certamente sairá daqui com um conhecimento grande neste assunto! Mas claro, quaisquer dúvidas que possam ter restado é só perguntar nos comentários abaixo que estaremos aqui prontos para te ajudar!

E, caso tenha gostado do conteúdo e realmente aprendido algo, não deixe de compartilhar com todos ao seu redor!

Até a próxima!

Escreva um Comentário