Você sabe a importância do orçamento de obras? Saiba como fazer!

Quando falamos em construir um imóvel, dificilmente você irá considerar, de imediato, o orçamento de obras importante. Afinal de contas, a preocupação do consumidor costuma se concentrar na obtenção de um bom projeto, e na contratação de profissionais capacitados. Calcular todo o material necessário, e seu custo, porém, é determinante para o sucesso de qualquer edificação.

Imagine que você inicia uma construção sem o orçamento adequado. Compra todos os materiais necessários, na loja mais próxima à obra, e entrega tudo aos responsáveis pelo empreendimento.

Com o passar do processo, o material pode acabar. Não apenas porque o cálculo pode ter sido feito incorretamente, mas também porque é comum o desperdício de insumos. Quando você verifica sua conta no banco, porém, não há mais o que gastar. E então, a obra pode se interrompida simplesmente porque o orçamento do que seria gasto não foi feito adequadamente.

Além dessa falta de dinheiro para o término da propriedade, há o atraso no prazo de entrega – o que pode provocar diferentes incômodos. Se a obra é de uma construtora, por exemplo, a empresa provavelmente vai sofrer uma série de reclamações dos consumidores que já compraram os imóveis. Se a obra é sua, e seu plano era sair do aluguel este mês, será necessário arcar com mais um tempo de locação até a conclusão do serviço.

Dessa forma, um bom orçamento de obras considera todos os gastos de uma obra. Não apenas os materiais necessários para a edificação, mas também a elaboração do projeto, a contratação dos profissionais, equipamentos e ferramentas necessárias para a construção, e até o pagamento de taxas e impostos na Prefeitura da cidade. Afinal de contas, qualquer imóvel requer autorização prévia do Órgão Público para ser erguido.

Contrate um especialista!

Por mais que você pesquise preços, e pense e repense todos os gastos, dificilmente vai obter um orçamento fiel para o seu projeto. Afinal, são muitos os fatores associados a uma obra, e o público leigo dificilmente conhece todos. Por isso, é fundamental contratar um engenheiro ou arquiteto para o serviço.

Primeiro, o profissional deverá realizar um planejamento detalhado da construção. Vai, por exemplo, desenhar a planta baixa do imóvel, com todas as divisões de cômodos, portas e janelas. Também deverá fazer a planta de situação, que localiza o loteamento no município, calcula suas dimensões e formato. O documento é fundamental para aprovação da construção na Prefeitura. Ao mesmo tempo, vai executar a planta de locação, que determina a posição da edificação dentro do lote.

Logo depois, o especialista poderá definir todas as instalações necessárias ao imóvel, como a elétrica e a hidráulica. Em seguida, vai calcular a quantidade de material necessária à obra, e o custo total dos insumos.

Como citamos, porém, o gasto com um engenheiro ou arquiteto também precisa ser incluído no orçamento de obras. Por isso, quando contratar um profissional, subtraia este custo das suas economias, ou do financiamento previsto, e informe o valor restante ao especialista. Com base no que você tem para gastar, ele poderá sugerir diferentes tipos de edifícios e materiais, adaptando-os à sua necessidade.

Classificações do orçamento de obras

Existem três classificações base de um orçamento, feitas de acordo com a fase em que o projeto de construção de encontra. Quando a fase é bem preliminar, tem-se a estimativa de custo. No caso do cálculo dos materiais previstos, há o orçamento preliminar. Como cálculo final dos insumos e dos valores que serão gastos, há o orçamento analítico, também chamado de detalhado.

Estimativa de Custos

Comecemos pela estimativa de custos. Por meio deste orçamento, o profissional responsável pela obra, ou até mesmo o consumidor, obtém uma prévia de gastos. Para isso, é necessário ter como base projetos semelhantes, realizados na mesma região. Neste caso, é interessante utilizar o CUB (Custo Unitário Básico).

O CUB é um indicador obtido por meio de pesquisa mensal do SINDUSCON (Sindicato da Indústria da Construção Civil) de cada estado brasileiro. O índice representa o valor médio por metro quadrado, valor este obtido com base no que é gasto por diversas construtoras.

Para facilitar a visualização desta estimativa, o CUB é dividido por tipo de imóvel (residencial, casa popular, comercial ou galpão); por número de pavimentos; número de quartos; e pelo padrão de acabamento. Selecionando cada uma das opções mais próximas ao seu projeto, você poderá ter a noção do custo médio do empreendimento.

De qualquer modo, o índice é muito básico. Afinal de contas, ele não considera informações como custos com o planejamento, impostos, valor do terreno, fundações, paisagismo e outros.

Orçamento preliminar

Já o orçamento preliminar é uma opção interessante apenas se realizada pelo engenheiro ou arquiteto. Isso porque, a estimativa tem nível maior de detalhamento, pois considera, por exemplo, as quantidades necessárias de insumo e a mão de obra requisitada para o projeto. Para isso, a alternativa estima as espessuras das paredes e lajes, a quantidade de concreto por metro cúbico e mais.

Orçamento analítico

Finalmente, no orçamento analítico é possível obter todos os dados dos custos com a construção. De qualquer forma, é interessante passar pelos anteriores, para ir “afunilando” aos poucos as informações.

Neste orçamento, ficam estabelecidos os custos com materiais, mão de obra, equipamentos, impostos e projeto. Ele é feito com base na pesquisa diretamente na loja de materiais, na empresa que oferece mão de obra, e na Prefeitura, que irá cobrar taxas administrativas. O resultado é uma tabela bastante esmiuçada, com o valor final de gasto indicado.

Composição de custos

A determinação dos custos de orçamento de obras varia muito, especialmente considerando a região do País e o projeto do imóvel. Ela deve ser feita com base nos desenhos das plantas já citadas, e precisa levar em conta todas as dimensões das estruturas da obra. O tipo de material escolhido é igualmente determinante – um piso de cerâmica, por exemplo, costuma sair mais barato do que um pavimento de porcelanato.

Todas as quantidades de material serão calculadas de acordo com a extensão da obra. Assim, fica determinado o número de tijolos e da argamassa necessários por metro quadrado, e de outros insumos. É importante destacar, contudo, que é comum o desperdício de uma parcela destes produtos, pois eles se quebram ou se apresentam em má qualidade. Assim, o cálculo é realizado para mais.

A produtividade da mão de obra é igualmente estimada. Quantas horas o pedreiro leva para erguer uma parede? Com base neste tempo, quantas horas serão necessárias para a conclusão da estrutura? Quanto tempo levará o acabamento? Geralmente, o pagamento dos profissionais é feito de acordo com a diária de trabalho. Logo, conhecer o tempo previsto cria maior noção do gasto com os trabalhadores.

De qualquer modo, o ponto chave de um bom orçamento de obras é a pesquisa. Solicite ao especialista contratado a estimativa em diferentes lojas de material, empresas e trabalhadores. Comparando diversas informações, você terá mais facilidade em obter o negócio mais interessante à sua obra, e ao seu bolso.

Vantagens do orçamento de obras

Controle das finanças

São diversos os benefícios obtidos quando um bom orçamento de obras é realizado. A começar pela segurança das suas finanças. Quando você conhece o gasto previsto, consegue verificar se ele se encaixa ou não em seu orçamento. Se sim, ótimo, é o melhor momento para dar início à construção.

Caso seja maior do que as suas economias, porém, o orçamento poderá indicar a necessidade de aguardo para realização do sonho da casa própria. Ou quem sabe, a necessidade de um empréstimo que, se puder ser pago em dia, poderá tirar sua conta do vermelho.

Segurança

Esse controle de gastos é também um método de segurança. Imagine que você contrata uma construtora para a execução da edificação, e compra todos os insumos previstos. Em pouco tempo, porém, você recebe a solicitação de mais materiais, porque os primeiros foram insuficientes.

Se seu orçamento e planejamento foram feitos com zelo, esse pedido de insumos extras poderá ser questionado. Afinal, o que está ocorrendo: o material está sendo “desviado”? Os profissionais estão agindo com descuido, e desperdiçando materiais? Se situações assim ocorrerem, a empresa será obrigada a arcar com o extra.

Economia de valores

Outra vantagem da estimativa correta é a economia, feita no momento de contratação dos profissionais e compra dos insumos. O orçamento define o tempo e os insumos necessários para a obra. Logo, o consumidor pode visitar a loja de materiais de construção e negociar a compra de grandes quantidades. De modo geral, a compra feita de uma só vez gera descontos, e a economia de valores – que podem ser utilizados posteriormente para o aprimoramento da obra, ou mesmo para outro âmbito da vida.

Previsão da obra

Finalmente, há a possibilidade de previsão de quando a obra será finalizada. Isso é fundamental para garantir a entrega dos apartamentos aos compradores, ou a mudança que vai te tirar do aluguel. O planejamento com calma garantirá a maior facilidade de execução dessas situações, permitindo ao consumidor segurança financeira e ao seu bem-estar.

Lembre-se, contudo, de contratar profissionais e empresas de confiança. Assim como de obter materiais de qualidade. Estes pontos são essenciais para a segurança e durabilidade do seu imóvel.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.