Slump Test – O que é, Como fazer, Por Que É Importante?

Advertisements

O concreto é um dos principais materiais utilizados na Construção Civil. É ele que dá origem a uma série de piso, que liga tijolos e blocos, que sustenta parte de toda a estrutura de um imóvel. Como não é produzido na natureza, e sim na fábrica, porém, é fundamental ter certeza da qualidade do material antes de utilizado. Afinal, se não for bom, ele pode comprometer toda uma estrutura. Para verificar essa capacidade, são realizados testes de qualidade, como o slump test.

O concreto

O concreto é produzido por meio da mistura entre cimento, água, pedra e areia. Nesse processo de produção, o cimento é hidratado pela água, e então recebe os demais agregados. Juntos, os materiais formam uma massa espessa e resistente.

Uma das principais preocupações no momento de formação do concreto é com a qualidade da água, assim como sua qualidade. Afinal,e é o líquido quem dará origem à reação química que junta todos os ingredientes. Logo, é importante utilizar uma água livre de sujidades.

Sua quantidade ideal é fundamental porque, se muito pouco, o líquido não vai realizar toda a reação química necessária; se muito, irá diminuir a resistência da mistura, uma vez que ela ficará mais “mole” e porosa.

As proporções ideais entre todos os componentes que formam o concreto são definidas por normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas). É a associação que também define normas para o acréscimo de alguns materiais à mistura e criação de concretos especiais. Materiais como isopor, pigmentos, fibras ou aditivos.

Com base em seu uso, o concreto pode ainda ser dividido entre dois tipos: o estrutural e o não estrutural. O primeiro é utilizado como parte da estruturação de um imóvel, ou seja, funciona como um componente que o mantém de pé.

Já o concreto não estrutural tem resistência menor, e é utilizado, por exemplo, em lastro para pisos. Logo, não sustenta o imóvel. Esse tipo é também é chamado de concreto magro, e é produzido com quantidade diferente de componentes.

Além da resistência, o concreto tem como principal vantagem a possibilidade de moldá-lo como o desejado. É esse material, por exemplo, que forma blocos que podem sustentar um imóvel sem a ajuda de qualquer viga. Quer dizer, blocos autoportantes.

Consistência é fundamental

Para que o concreto seja de boa qualidade, é fundamental que seus componentes sejam misturados homogeneamente. Esse processo vai definir a consistência do produto, que diz respeito também à sua mobilidade, a facilidade em manipulá-la.

A consistência de uma massa é modificada de acordo com a umidade inserida no concreto. Quando essa quantidade de líquido muda, muda também a plasticidade da mistura, assim como seu nível de deformação perante a pressão.

Assim, para garantir que a consistência do concreto é a ideal para aquela construção, existem testes específicos. Cada um deles vai determinar a necessidade ou não de modificação da mistura, para que ela se torna a mais resistente possível. Entre os principais testes realizados está o slump test.

O exame é realizado por meio de uma série de etapas. A primeira delas consiste em inserir a massa de concreto dentro de uma forma tronco-cônica. A massa deverá ser posicionada primeiro em uma camada. Para levá-la ao funda da forma, é preciso aplicar exatamente 25 golpes com a haste de socamento, uma barra de ferro específica para o procedimento.

Finalizados os 25 golpes, duas outras camadas de concreto devem ser inseridas na forma, com o mesmo número de golpes para cada uma. É importante que a camada de cima não penetre a colocada anteriormente no utensílio.

Mais passos do slump test

Após compactar a última camada, o testador deve retirar o excesso de concreto de cima da forma. Em seguida, é preciso alisar a superfície com uma régua metálica, e então retirar o cone que servia de forma.

O último passo do slump test consiste em inverter o cone e posicionar a forma ao lado do monte de concreto. Depois, é necessário medir a diferença de tamanho entre o topo do monte de concreto e o molde utilizá-lo para fazê-lo. Essa diferença, medida em centímetros, dirá respeito ao abatimento do concreto. Esse abatimento vai definir a trabalhabilidade, a facilidade em trabalhar com a massa na obra.

Confira uma ilustração do processo do slump test:

Resultado de imagem para slump test

Para aplicação em muros de arrimo e em sapatas reforçadas, o abatimento da massa deve ficar entre 5 e 12,5 centímetros. Para sapatas massivas, muros e subestruturas, a medida ideal é definida entre 2,5 e 10 centímetros. Já para pavimentos, o abatimento da massa deve ficar entre 5 e 7,5 centímetros. Para colunas de edifícios, a medida necessária deve estar entre 7,5 e 15 cm, assim como para lajes, vigas e muros. Por fim, a construção massiva pesada precisa ter medida de abatimento entre 2,5 e 7,5 cm.

Quando atende a essas especificações, o concreto é perfeito para a obra. Se não, deverá ser trocado por um que atenda os as medidas necessárias de abatimento. Afinal, é preciso possuir a consistência perfeita para garantir o sucesso e a segurança de uma construção. O mais adequado é realizar esse teste assim que o caminhão betoneira chega à obra.

Outros testes de qualidade do concreto

Além do slump test, é interessante realizar outros testes para a verificação da trabalhabilidade da massa de concreto e outras propriedades. Afinal, quanto mais conhecer do material com que trabalha, maior segurança o indivíduo terá em entregar bons resultados.

Nesse caso, é possível realizar também o ensaio de espalhamento. Esse teste analisa a fluidez do concreto, algo importante principalmente para quando ele será utilizado para ligação entre tijolos, por exemplo. Um concreto bem fluído vai garantir o melhor ligamento entre os componentes.

Para esse exame, é preciso que a massa seja espalhada em uma placa metálica. Com o resultado, o concreto pode ser classificado de três formas: em SF1, SF2 e SF3. Desde que se encaixe no que foi especificado pelo fabricante, a massa é interessante para uso.

Já nos ensaios Caixa L, Funil V e Anel , os testes são realizados em laboratório. Neles, a massa passa por uma simulação, em que a mistura deve fazer a passagem por algumas barras de ferro. Esse exame mostra a capacidade da mistura em transpor objetos, o que é fundamental para fazer a ligação segura entre tijolos. Afinal, se não adentrar bem as fissuras do bloco, dificilmente a massa vai cumprir seu papel de fixação.

Importância dos exames

O teste do ar incorporado, por sua vez, analisa a quantidade de ar no concreto. Se presente em demasiado, o ar pode prejudicar a consistência da massa, tornando-a menos resistente. Os valores no Brasil costumam variar entre 2% e 3% de ar na massa.

Para locais muito frios e com a ocorrência de neve, a situação é diferente: é preciso que o concreto conte com muito ar, para que consiga resistir aos ciclos de gelo e degelo do ambiente.

Todos esses ensaios têm realização determinada como obrigatória pela ABNT, independentemente do tipo de obra que está sendo realizada. O concreto deve sempre ser testado assim que estiver em estado fresco, e examinado novamente quando endurecido. Apenas após atestada toda sua qualidade o material poderá ser utilizado na construção.

Tipos de concreto

O tipo mais utilizado de concreto é o chamado concreto convencional. Útil para o solo, fundações ou par formas de lajes e pisos, a mistura é preparada com vibrador. Isso uma vez que sua consistência é seca, e sem o vibrador seria impossível realizar seu adensamento perfeito.

Já o concreto bombeável é mais fluído e, diferentemente do convencional, pode ser utilizado com o auxílio de bombeadores. A água é mais presente nesse tipo de massa.

O concreto armado, por outro lado, se diferencia na sua instalação, que é feita com o auxílio de armaduras de aço. Nesse caso, a armação é colocada no chão, por exemplo, e então coberta pela massa mole. A resistência dessa superfície se torna maior do que as demais, e por isso esse tipo é utilizado em estruturas como pilares, lajes e vigas.

Há ainda o concreto leve, que tem apenas dois terços da densidade de um concreto tradicional. Ele diminui o peso das estruturas e é muito utilizado em peças pré-moldadas, para o enchimento de lajes ou a fabricação de blocos.

Concretos: celular, pesado, aplicado e de alta resistência

O concreto celular também possui maior leveza que o comum, mas nesse caso porque é produzido por meio de uma aditivo de espuma. Ele é ideal para o nivelamento de pisos e o erguimento de paredes e divisórias.

O concreto de alta resistência inicial, no que lhe concerne, possui aditivos que garantem resistência maior que o comum. Ele é utilizado principalmente em estruturas protendidas. Por outro lado, o concreto pesado tem agregado em sua massa materiais como a magnetita, a barita e a hematita. Ele é ideal para a construção de câmaras de raios-x e de usinas nucleares, pois auxilia na proteção contra a radiação.

O concreto aplicado por meio de mangueiras de ar comprimido é chamado de jateado. O auto adensável é utilizado quando há necessidade de alta fluidez na concretagem das peças. Além desses, há muitos outros, que só podem ser indicados por especialistas da Construção Civil.

você pode gostar também

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.