O uso de impermeabilizantes nos elementos de concreto como por exemplo a manta líquida é essencial para impedir infiltrações e patologias referentes à presença de umidade, como o aparecimento de fungos, mofo, bolor, além dos descascamentos de pinturas e corrosão de armaduras no concreto. As lajes de cobertura e as outras regiões externas que ficam expostas às chuvas, são os locais mais propícios para infiltração de água em uma edificação.

Encontra-se atualmente no mercado uma variedade de produtos usados para impermeabilização de elementos de concreto, que são divididos quanto à sua natureza (rígidos, semi-flexíveis, flexíveis), onde podem ser aplicados e também quanto a seu comportamento, durabilidade, solidez, versatilidade, custo-benefício, e sua garantia geral no decorrer dos anos.

A manta líquida é uma técnica de impermeabilização flexível versátil, usada tanto em áreas externas como internas, de fácil aplicabilidade e com secagem rápida, agilizando os próximos processos. Assim como qualquer produto, é necessário conhecer as suas particularidades para usá-lo de forma adequada, de modo, que impeça grandes problemas no futuro.

Nesse artigo iremos comentar sobre o uso da manta líquida e suas peculiaridades. Ficou curioso? Continue lendo e aprenda mais sobre esse método.

O que é Manta líquida

A manta líquida é um tipo de impermeabilizante com alto teor de sólidos construído a base de resina acrílica. Ela, logo após ser seca, gera sobre as superfícies aplicadas uma camada impermeável elástica, flexível e resistente ao sol e à chuva. Isto é, ela possui a capacidade de impermeabilizar a superfície onde será introduzida.

A manta líquida normalmente é aplicada sobre telhados e lajes de cobertura parar conservar a estanqueidade de vedação superior. A sua aplicação é realizada à frio diretamente sobre os elementos de concreto, obedecendo à metodologia de preparo e limpeza da superfície.

Diferença entre manta asfáltica e manta líquida

Manta asfáltica e manta líquida, embora tenham nomes parecidos e sejam produtos utilizados para a mesma finalidade, que é exatamente impermeabilizar elementos da edificação, são sobretudo distintas na composição e forma de aplicação.

A manta asfáltica é uma das técnicas de impermeabilização mais vistas e utilizadas em todo o território nacional e é composta por material de origem asfáltica com estruturantes em poliéster ou fibra de vidro. Comercializada em rolos como um produto pré-moldado e aplicada com a ajuda de um maçarico sobre a superfície que previamente recebeu uma camada de primer, a manta asfáltica recebe um cuidado no momento da sobreposição da manta de no mínimo 10 cm nas juntas.

A manta líquida, por outro lado, é um material flexível de composição acrílica, vendido em forma de emulsão líquida, para aplicação à frio diretamente sobre a superfície que se queira impermeabilizar com auxílio de rolos e trinchas. Por esse motivo, esta é uma técnica de impermeabilização que é moldada in loco.

A manta líquida também é recomendada para lajes de cobertura do mesmo modo que a manta asfáltica. No entanto, só é possível aplicar a manta líquida em lajes expostas sem trânsito, telhas de fibrocimento, marquises, e paredes externas. Desde que não tenha tráfego na região, a manta líquida pode ficar exposta.

Passo a passo: aplicação da manta líquida

Aqui vai um tutorial simples e rápido para você que quer aplicar a manta líquida:

1º passo – Limpeza da superfície

Assim como qualquer tipo de técnica de aplicação de impermeabilizante, o primeiro passo sempre será a limpeza e regularização da superfície. Muitas das vezes é nessa etapa que a maioria das equipes inexperientes negligenciam, no entanto, alguns tipos de impurezas, como por exemplo graxa e desmoldantes, são capazes de danificar diretamente os produtos aplicados.

2º passo – Preparação para aplicação

É de suma importância que a superfície onde será aplicada a manta líquida esteja totalmente seca. Sendo assim, caso haja a necessidade de lavagem da superfície é indicado esperar que a superfície seque completamente antes da aplicação. Em caso de lajes concretadas recentemente, a indicação da maioria dos fabricantes é que se espere pelo menos 15 dias. As fissuras também precisam ser tratadas. No caso de cantos, rodapé e ralos, todos precisam ser arredondados, procedimento conhecido na obra como meia-cana.

3º passo – Aplicação

A aplicação da manta líquida é realizada com mais de uma demão. O produto é vendido em embalagens de 4 e 12 kg, feitos para aplicação direta sobre a superfície com o auxílio de um rolo ou uma trincha. A maior parte dos fabricantes indicam que a primeira demão seja diluída em água, na proporção de 10%. A aplicação é realizada com o total de 3 demãos, feitas de forma cruzada (horizontal e vertical), com o intervalo de 3 horas entre cada demão.

Cuidados durante a aplicação

A manta líquida não pode ser usada em superfícies abaixo de 10ºC ou acima de 35ºC de temperatura, pois corre o risco de comprometer os procedimentos químicos da cura do produto.

Se estiver chovendo, o local precisa estar protegido com uma lona para impedir o contato direto com a água. Para retomar a aplicação, é preciso esperar os dias de estiagem para que a superfície esteja seca de novo. Já em caso de áreas com tráfego, é necessário realizar o revestimento superficial, para prevenir futuras falhas no sistema de impermeabilização.

Principais vantagens da manta líquida

A manta líquida é um produto impermeabilizante elástico que é adaptado in Loco, que forma uma camada contínua de proteção contra os efeitos da umidade. Sendo assim, uma das vantagens desse modelo de sistema é exatamente a simplicidade na hora da aplicação, principalmente em lugares onde o acesso é mais limitado, e não exige um maquinário e equipamento pesado, nem equipes grandes.

A manta já é vendida pronto para o uso, ela não precisa ser preparado ou misturado com outros reagentes e catalisadores. De modo geral, os grandes pontos positivos desta técnica estão associados à facilidade de aplicação e a rapidez para liberação do local.

Principais desvantagens da manta líquida

A manta líquida só consegue ser usada em superfícies cimentícias. Sendo assim, o uso desta técnica para impermeabilização de coberturas em meios mais amplos acaba sendo limitado: não é permitido usar a manta líquida em telhados cerâmicos, por exemplo. Outro contratempo contínuo também é a relação com água. Ao longo da aplicação e também no decorrer da vida útil do sistema, a presença de água danifica o sistema acrílico de modo geral, e existe a chance do produto voltar ao estado natural de emulsão.

Assim como qualquer material de fácil aplicação, a manta líquida também está exposta a um dos grandes problemas relacionados à sistemas de impermeabilização: a falta de experiência da mão de obra. Exatamente pela funcionalidade, equipes e empresas sem experiência se arriscam na execução da manta líquida, e, logicamente, há um risco das normas e boas práticas não serem seguidas.

Se você esta considerando usar manta líquida na sua obra, faça uma pesquisa de preço de todos os custos relacionados a ela e também analise outros meios de impermeabilização, considerando no final o mais viável e acessível a sua construção. Verifique se a empresa que realizará o serviço possui experiência e conhecimento na área, é necessário evitar possíveis problemas para não ter dores de cabeça depois.

Restaram dúvidas sobre manta líquida? Se sim, é só deixá-la nos comentários abaixo e nós estaremos prontos para lhe responder! Agora, caso tenha conseguido retirar suas dúvidas com este artigo, então não deixe de compartilhar com seus amigos e conhecidos, nunca se sabe quem você pode acabar ajudado no percurso!

Escreva um Comentário