A sapata associada é tida como uma das fundações rasas ( ou seja, as que possuem uma profundidade menor do que 3 metros) existentes na construção civil. Nós já falamos antes das fundações profundas com as estacas, agora focaremos nas fundações rasas, mais especificamente na sapata associada.

Atualmente há diversos tipos de fundações rasas, ou seja, diversos tipos de sapatas, cabendo ao engenheiro responsável pela obra escolher qual irá utilizar. Mas, para entender o que é a sapata associada, teremos de voltar um pouquinho e entender o que é uma sapata.

O Que É Uma Sapata?

NBR 6122 define as sapatas como: “elemento de fundação superficial, de concreto armado, dimensionado de modo que as tensões de tração nele resultantes sejam resistidas pelo emprego de armadura especialmente disposta para esse fim”

Já a NBR 6118 as define como: “estruturas de volume usadas para transmitir ao terreno as cargas de fundação, no caso de fundação direta.

Ou seja, a sapata é uma das fundações mais comuns no Brasil, em seus inúmeros tipos. É ela quem irá sustentar o peso de sua construção, irá distribuir sua carga para o solo, uma sapata bem executada garante bastante segurança para a obra, e uma sapata bem executada consiste basicamente em um concreto de qualidade, da ferragem utilizada e devidamente escolhida por meio de cálculo estrutural, assim como a malha de ferro em seu interior.

Sua base pode ser quadrada (mais comum), retangular ou até mesmo trapezoidal, e a definição para sua utilização dá-se através de sondagens no solo, e caso estas sondagens indiquem que há a presença de uma argila rija naquele solo, entre outros fatores.

E, dentre os diversos tipos diferentes de sapatas que existem, iremos focar neste artigo exclusivamente na sapata associada.

A Sapata Associada

Em primeiro lugar o próprio nome dela (Sapata Associada) já nós dá indício de sua característica principal, a sua associação. Ela nada mais é do que uma sapata formada por associação, ou seja, um conjunto de duas sapatas.

Normalmente cada sapata é dimensionada de modo a receber cargas de um único pilar, entretanto, quando a distância entre dois pilares é pequena, e consequentemente a distância entre duas sapatas também o é, é comum que haja uma associação destas sapatas, uma união para que se tornem uma. É exatamente aí que a sapata associada entra em cena.

Mas a regra é clara, sempre que possível devem ser dimensionadas sapatas isoladas, ou seja, uma para cada pilar da estrutura. Mas, no caso de dois pilares que estejam muito próximos um do outro, pode não ser possível que as sapatas isoladas sejam dimensionadas devido a interferência física que uma possui na outra. Neste caso em específico é feita a sapata associada, uma estrutura de fundação rasa feita para suportar cargas de dois pilares em uma única sapata.

Características e Cuidados das Sapatas

As sapatas costumam levar vantagem quando comparadas a outros tipos de fundações rasas, tais como blocos e radiers.

Dentre todas as fundações rasas, a sapata é aquela que oferece uma maior resistência a obra. E, devido a elas serem versáteis e possuírem diversos formatos de base diferentes (retangular, quadrada, trapezoidal), isso facilita que ela apoio isso faz com que elas consigam apoiar pilares mesmo que eles não possuam formatos convencionais.

Além disso, as sapatas também oferecem um baixo custo para produção, uma rapidez em sua execução, além do fato de não necessitarem de materiais especiais para sua construção e equipamentos para a escavação, sendo que a escavação pode ser feita até mesmo manualmente.

Mas, para que todas as vantagens fornecidas pelas sapatas possam ser aproveitadas, é necessário que alguns cuidados sejam tomados. Apesar delas não necessitarem de equipamentos especiais em sua execução, é indispensável que tal execução seja feita por profissionais qualificados. Todas as sapatas devem estar devidamente niveladas, e uma camada de concreto magro deverá ser aplicada na área escavada, para evitar que a base da sapata entre em contato direto com o solo, o que faria com que a umidade ataque sua armadura podendo comprometer toda a estrutura. Utilizar sobre a fundação já pronta uma camada de argamassa com impermeabilizante também poderá ajudar neste sentido. As fôrmas devem ser montadas por um profissional competente e que sabe o que faz, pois, tendo em vista que existem sapatas de base trapezoidal, as formas devem ser muito bem feitas para não o concreto não acabe vazando.

E na execução de uma sapata associada o cuidado deve ser maior ainda, tendo em vista que aqui ela irá receber carga de não um, mas de dois pilares.

Execução de uma Sapata

Abaixo nós iremos te ajudar com um passo a passo para executar uma sapata. Apesar de ser uma execução mais ampla, para todos os tipos de sapata, é importante lembrar que a sapata associada é basicamente a junção de duas sapatas, ou seja, uma vez que você entenda o processo de execução da sapata isolada, terá entendido o processo da sapata associada.

E, para executar a sapata, novamente vamos citar a NBR 6122, sempre ficando atento a pequenos detalhes, mas que são importantíssimos, tais como que nenhuma sapata deve possuir dimensões inferiores a 60 cm, a sapata que possuir a cota mais baixa deverá ser executada primeiro, é necessário a utilização de um concreto magro com no mínimo 5 cm de espessura, entre outros aspectos que você deve se atentar. Mas, sem mais delongas, vamos ao passo a passo:

  1. A primeira coisa a se fazer é começar a cavar, ou seja, iniciar a escavação de acordo com o projeto, no local indicado e até a cota indicada;
  2. Uma vez que o local em que a sapata será colocada já está escavado, então é hora de aplicar o concreto magro (com uma espessura mínima de 5 cm), tanto no fundo quanto nas laterais. As laterais devem ser apenas chapiscadas;
  3. Em seguida é hora de posicionar as fôrmas (que já foram devidamente construídas de acordo com especificações de projeto), confere-se também a marcação dos pilares e o nível da sapata;
  4. É posto então espaçadores na superfície onde o concreto magro foi aplicado, de maneira a evitar que não atenda ao cobrimento do aço;
  5. Seguindo orientações do projeto, a armadura é posta, os arranques dos pilares são fixados com o auxílio de aramos de aço;
  6. A sapata é concretada;
  7. Após passado o tempo de cura do concreto, as fôrmas são retiradas e a sapata é “enterrada”.

Após todos os passos devidamente executados, sua sapata estará pronta para o uso. Caso queira dar uma olhada nesse passo a passo em formato de vídeo, basta conferir abaixo:

E, caso queira dar uma olhada na execução de uma sapata associada, basta conferir ao vídeo abaixo:

Após ler o artigo e ter visto os vídeos, você agora possui conhecimento sobre as sapatas em geral, e sabe para que serve uma sapata associada.

Devemos sempre bater na tecla de que uma sapata associada somente deverá ser utilizada quando não for realmente possível a utilização de uma sapata isolada (mediante a obra possuir pilares muito próximos), tendo em vista que o melhor seria se todas as suas sapatas forem isoladas.

A escolha do tipo de sapata, bem como suas dimensões e ferragens, é toda feita pelo engenheiro calculista responsável, sendo sempre necessário lembrar que a fundação é o início de toda obra, e que deve sempre ser executada apenas por profissionais qualificados.

Escreva um Comentário