Traço para Reboco: Para que Serve, Tipos, Como Fazer

Se você já teve a oportunidade de tocar ou participar de alguma forma em obras pequenas, provavelmente já ouviu falar em traço para reboco ou argamassa. Se não é o seu caso, saiba que reboco é a etapa final do revestimento argamassado depois de subir as paredes de uma obra, para que elas recebam o seu acabamento, seja ele qual for.

Dentre todos os tipos e variedades de revestimentos que existem, o reboco ainda é um dos mais tradicionalmente usados. Mas, o mais importante é saber como escolher os materiais que irão compor o seu traço para reboco.

Em geral, o traço para reboco é uma argamassa dosada em obra feita de uma mistura base de cimento, areia e cal, com ou sem aditivos. Porém, a opção mais comum nos grandes canteiros de obra hoje são as argamassas prontas industrializadas que garantem a dosagem correta de seus componentes (traço), bastando apenas adicionar água de acordo com as orientações do fabricante.

Essa argamassa final deve ser aplicada após o chapisco e depois das paredes emboçadas, manualmente chapando a massa na parede ou projetando com auxílio de uma máquina projetora. Para entender melhor como isso funciona, preparamos o artigo abaixo sobre tudo o que você precisa saber sobre traço para reboco. Confira!

Afinal, qual é a função do traço para reboco?

A função do traço de reboco é nivelar a parede para recber o revestimento final.
A função do traço de reboco é nivelar a parede para recber o revestimento final.
Apesar de muita gente se referir ao reboco como todo o processo de revestimento, o reboco é o tipo de argamassa que será preparada para ser aplicada na etapa final de revestimento da parede. Ou seja, o “traço para reboco” é esta mistura de argamassa, geralmente feita de cimento, cal e areia, às vezes com aditivos específicos, dependendo de onde será aplicada.

Obs: Para não confundir, chamaremos de apenas reboco a etapa final de revestimento e traço para reboco a dosagem da mistura de argamassas.

Por exemplo, se o traço para reboco for aplicado nas paredes externas, terá que usar um impermeabilizante, devido ao contato com as diferentes variações de clima. Isso porque a sua função principal é servir de isolante, ao formar uma superfície impermeabilizante para evitar infiltrações de água e umidade, e lisa o suficiente para receber os devidos acabamentos (pintura, textura, azulejo ou papéis de parede).

Além disso, o reboco é capaz de proporcionar maior acústica e propriedades térmicas para o conforto no ambiente, fazendo com que a temperatura interna seja sempre mais amena que do meio externo. Além das suas funções principais, o traço para reboco (argamassas) também tem como objetivo o:

  • Revestimento de vedações junto às camadas de chapisco, emboço e reboco;
  • Assentamento dos blocos de concreto ou cerâmico;
  • Encunhamento das últimas fiadas de bloco;
  • Nivelamento de superfícies pelo contrapiso;
  • Preenchimento de vazios e ajustes como rasgos na parede;

Etapas do Revestimento Argamassado

O traço de reboco é a etapa final dos revestimentos de argamassas.
O traço de reboco é a etapa final dos revestimentos de argamassas.
De acordo com a norma da NBR 15.575:2013 – Desempenho de Edificações Habitacionais, já em vigor, são necessários cuidados específicos para a forma como as etapas de revestimentos deverão ser executadas.

Segundo a norma, os requisitos para que o sistema de vedação seja eficiente com relação ao seu desempenho e atenda sua vida útil, conforme projetado, a etapa final em que o reboco se faz necessário, precisa ser realizadas com critérios pré-definidos objetivando suas funções principais de estancar a água, fornecer conforto térmico, acústico e durabilidade.

Assim, o sistema de revestimento argamassado e vedação deve ser composto de três etapas distintas de revestimento: chapisco, emboço e reboco, com cada função e definições específicas executadas separadamente, a fim de se obter paredes com superfícies lisas e planas.

De um modo simples, o chapisco é responsável por garantir aderência às demais camadas, o emboço faz a regularização da superfície e evita a penetração de água e agentes agressivos, enquanto o reboco garante o aspecto final da alvenaria para receber o revestimento.

Todas as aplicações devem obedecer à ordem correta e exigem atenção, pois são determinantes para a qualidade final da obra. Utilizar o traço para reboco devidamente dosados, verificar se a base está limpa e livre de impregnações, além de respeitar o tempo de cura entre o intervalo de uma camada para a outra são alguns cuidados que devem ser considerados.

Para tanto, a parede deverá ser preparada, retirando todas as sobras de formas de madeira, pontas de ferros ou arames ou qualquer outro objeto que possa comprometer o sistema.

1 – Como aplicar o Chapisco

O chapisco é a primeira etapa de revestimento. Ele é aplicado diretamente sobre a alvenaria, de modo a aumentar a rugosidade e melhorar a aderência do próximo revestimento, uniformizando a superfície quanto à absorção de água.

Esse revestimento é conhecido como o preparo de base, podendo ser aplicado manualmente com colher, rolo ou com auxílio de máquinas projetoras. A sua espessura deve variar entre 3 a 7 mm, sendo recomendado o uso de betoneira ou misturadores para uma melhor homogeneidade da massa, bem como a utilização de aditivos plastificantes para diminuir a desagregação da água e o agregado de areia.

Trata-se de uma argamassa com traço na proporção de 1:3 de cimento e areia média, para tornar a superfície mais áspera e porosa, com tempo de cura de três dias. Além disso, apesar do chapisco ajudar muito na fixação do emboço e do reboco, alguns pedreiros dispensam a etapa, utilizando apenas a técnica de “Reboco Paulista”.

Entretanto, o chapisco é fundamental para as estruturas de concreto armado (vigas e pilares), que costumam ser lisos e sem ranhuras, para evitar o desemplacamento do reboco nestas áreas.

2 – Como aplicar o Emboço

O emboço é a segunda camada na etapa de revestimento, responsável pela estanqueidade e pela integridade mecânica do revestimento. O seu objetivo é eliminar as irregularidades da alvenaria e do chapisco, a fim de proporcionar um aspecto plano e verticalidade suficientes e necessários para receber o reboco.

Assim, o emboço deve ser aplicado com pelo menos 24 horas após o chapisco, utilizando taliscas para nivelar, geralmente entre 2 e 4 cm de espessura constante por toda a parede, para evitar erros no cálculo estrutural, que resultem em risco para a segurança.

O emboço é constituído por traço de 1:2:6 (cimento Portland ou branco, aglomerante, cal hidratada e areia areia natural ou artificial média) para revestimento externo e 1:2:8 para revestimento interno, podendo ser utilizados aditivos ou incorporadores de ar conforme a necessidade.

Após aplicado, é feito o chapeamento do emboço (alisamento com colher de pedreiro), seguido do sarrafeamento (alisamento com uma régua ou guia de madeira).

2 – Como aplicar o Reboco

É a terceira e última etapa do processo de revestimento argamassado, e só pode ser aplicado 21 dias após o emboço. É importante respeitar esse prazo, mesmo que o emboço pareça seco e pronto para receber o acabamento.

Caso seja desrespeitado o prazo, o reboco pode acabar tampando a “respiração” da parede, deixando o reboco mais fraco e sujeito a desemplacar, apresentar trincas ou estragar por causa da umidade.

A sua aplicação deve ser feita após a instalação das portas e janelas da obra. Nesta etapa, o traço para reboco consiste em uma camada fina, com espessura entre 5 e 10 mm, de água, cimento Portland ou branco, cal hidratada e areia natural ou artificial em diversas granulometrias, dependendo do local de aplicação e do tipo de acabamento desejado. Em algumas situações, utiliza-se plastificantes e incorporadores de ar.

A sua finalidade é proporcionar um melhor acabamento final, podendo usar uma desempenadeira com espuma para dar o acabamento uniforme com menos porosidade. Por fim, é possível pintar a parede depois de 28 dias.

O mais importante é atentar pela qualidade do material utilizado no traço para reboco, assim como a sua dosagem correta, a fim de evitar rachaduras, infiltrações e imperfeições futuras. Há casos em que um estudo criterioso em laboratório é recomendado, conforme cada tipo de areia empregada e resistência desejada definida em projeto.

O estudo, aliado a outras práticas adotadas no sistema de vedações, evitará futuras manifestações patológicas como fissuras e trincas, geralmente provenientes do uso excessivo do aglomerante cimento ou pela falta de cura.

Tipos de traço para reboco

Existem dois tipos de traço para reboco: comum ou industrializado.
Existem dois tipos de traço para reboco: comum ou industrializado.
A colocação traço para reboco ou argamassa nas paredes, realizada após o chapisco e emboço, pode ser de dois principais tipos:

  • Traço ou Argamassa Pronta/Industrializada: necessitam apenas acrescentar água.
  • Traço ou Argamassa Dosada em Obra: que podem ser Comum ou Tradicional e Argamassas com aditivos (para melhorar o desempenho ou reduzir algum dos componentes).

O traço para reboco comum ou tradicional é composto de ligantes minerais com: cimento Portland ou branco, cal hidratada, areia e água dosados e rodados no canteiro de obra.

Já o traço para reboco pronto são misturas pré-dosadas na indústria na mesma composição do traço para reboco tradicional, que permitem a incorporação de materiais coadjuvantes que alteram as suas propriedades, como a adição de aditivos e pigmentos.

Esta pré-mistura é encaminhada à obra para ser adicionada à água no momento de sua utilização, podendo ser entregues a granel (silos) ou ensacadas. Ambos os tipos podem ser estruturados ou armados com a utilização de telas ou malhas metálicas, malhas de fibra de vidro ou PVC.

Componentes para o traço de reboco

O traço para reboco deve ter cimento, cal, areia e água.
O traço para reboco deve ter cimento, cal, areia e água.
No Brasil, não existem regras formais sobre a dosagem correta de traços para reboco, dificultando a escolha ideal. Um problema que, somado a falta de experiência e conhecimento técnico do responsável pela obra, pode acarretar em fissuras no reboco, esfarelamento, desplacamento de camadas de revestimento e baixa aderência às superfícies, etc.

Para evitar esses problemas, é necessário dar atenção alguns elementos básicos durante a dosagem do traço para reboco e sua aplicação: os componentes, os tipos de uso e traço e a qualidade de fontes de em que adquire a informação. Pois, como não existe uma norma que determine a dosagem dos traços para reboco, a quantidade de tabelas de traço é muito variada, gerando muita confusão.

A dosagem do traço para reboco é feita com relação aos volumes de seus componentes materiais, como o cimento, cal, areia e água. Veja cada cada um deles abaixo:

Cimento:

Um material que exerce papel importante na aderência, na resistência mecânica da parede e na estanqueidade à água das juntas.

Cal Hidratada:

O elemento tem alto poder de retenção de água que propicia maior potencial de acomodar movimentações, ela deixa o traço para reboco menos suscetível às fissuras, ao diminuir a resistência.

Aditivos:

Os aditivos tem a mesma função que a cal, mas geram maior economia e eficiência no canteiro.

Areia:

O traço para reboco, em geral, utiliza areia lavada média (módulo de finura em torno de 2 a 3). Para chapisco, pode-se utilizar areia lavada grossa e os rebocos utilizam areia peneirada. O importante é evitar areias com excesso de finos (muito pó), que podem prejudicar o desempenho da argamassa.

Água:

A água é o elemento mais “complexo” para a mistura do traço para reboco. Nas argamassas comuns o volume de água utilizado será em torno de 20% do volume dos demais materiais, evitando acrescentar toda a água de uma vez, apenas aos poucos.

Tipos de uso e traço para reboco

De modo geral, as argamassas devem ser dosadas na proporção volumétrica de 1:3 para aglomerante (cimento+cal) e 1:4 para agregado. Veja alguns exemplos de dosagem de traço para reboco em usos específicos:

Dica: Um saco de cimento de 50kg tem aproximadamente 36L, se o traço para reboco está sendo trabalhado em latas (18L cada), um saco equivale a duas latas de cimento.

Tabela de Traços de Argamassa: paredes e tetos

Recomenda-se umedecer as superfícies caso estejam muito secas para absorver grande quantidade de água. Os traços para cada uso são os seguintes:

  • Traço para Chapisco: Utilizar cimentos tipo CP-I ou CP-II e areia grossa, com traço 1:3.
  • Traço para Emboço 1:2:8, com camada de 1 a 2,5cm.
  • Traço para Reboco 1:2:9, com camada em torno de 1cm.
  • Traço para Reboco com Vedalit 1:6, sendo 100mL de aditivo para 50kg de cimento ou 50mL para cada lata de cimento.
  • Traço para Reboco com Alvenarit 1:6, sendo 200mL de aditivo para 50kg de cimento ou 100mL para cada lata de cimento.
  • Traço para Reboco com Sikanol Alvenaria: Interno 1:8; Externo 1:6, 100 a 300mL de aditivo para 50kg de cimento ou 50 a 150mL para cada lata de cimento.
  • Traço para Reboco com Bautech Plast C: Interno 1:8; Externo 1:6, 100mL de aditivo para 50kg de cimento ou 50mL para cada lata de cimento.
  • Traço para Reboco com BotaMIX Alvenaria: Interno 1:8; Externo 1:6, 200 a 250mL de aditivo para 50kg de cimento ou 100 a 125mL para cada lata de cimento.
  • Traço para Reboco com Argaplast: Interno 1:8 a 9; Externo 1:6, 100 a 250mL de aditivo para 50kg de cimento ou 50 a 125mL para cada lata de cimento.

Massa para reboco: Medidas para dosar traço para reboco

É preciso acertar na dosagem do traço para reboco.
É preciso acertar na dosagem do traço para reboco.
Um fator muito importante para fazer a massa do seu traço para reboco corretamente é a dosagem. Assim, o traço para reboco ideal deve ter em sua composição as quantidades correta de ingredientes, para que a massa fique na consistência correta e sua aplicação seja feita da melhor forma possível.

Já vimos que para o reboco ficar certo, é necessário que antes o processo de chapiscar e emboçar a parede tenha sido feito da forma correta. Veja agora as medidas corretas para dosar o traço para rebocos nas paredes internas e externas.

Traço para reboco de parede interna

A espessura média para o reboco interno deve ser de 15mm ou 1.5cm, sendo que o traço para reboco na parte interna da parede deve ser de 3+2+1 e aditivo. Isto é:

  • 3 baldes de areia
  • 2 de cal;
  • 1 de cimento e aditivo;
  • água.

Traço para reboco de parede externa

A espessura média para o reboco da área externa da parede deve ser de 20mm ou 2cm, sendo que o traço para reboco na parte externa da parede deve ser de 2+2+1 e aditivo.

  • 2 baldes de areia;
  • 2 de cal;
  • 1 de cimento e aditivo;
  • Água.

Passo a passo para executar o traço para reboco:

  • Execute as mestras do reboco, que vão definir a espessura do reboco e guiar o sarrafeamento da parede. Instale-as com o auxílio de um prumo e régua de alumínio.
  • Rode o traço para reboco na betoneira rodar o traço para reboco 1:6 (cimento:areia) com o auxílio de padiolas. A areia do traço para reboco deve ser lavada e peneirada. Use aditivos plastificante ou aditivo que substitui a cal, conforme a necessidade (50 ml a 100 ml por saco de cimento).
  • Aplique o traço para reboco na parede com o auxílio da colher e desempenadeira de pedreiro, seguindo a espessura das mestras.
  • Deixe o reboco “puxar”, descansando para perder um pouco de água, a fim de conseguir sarrafear a massa. Geralmente, isso demora de 45 min a 60 min para puxar, dependendo do clima. Se você der o acabamento na parede “verde”, o reboco vai trincar todo.
  • Inicie o sarrafeamento do reboco depois da massa seca com a régua de alumínio de 2,50 m, de cima para baixo seguindo as mestras e cruzando a régua entre as mestras para que o pano de reboco fique no prumo e bem acabado.
  • Desempenar o reboco com a desempenadeira de pedreiro para dar o acabamento em movimentos circulares, retirando os excessos que a régua de alumínio não conseguir retirar. Com a trincha, vá jogando água onde o reboco estiver mais duro e difícil de deslizar. Repita o processo até que o reboco fique liso e bem acabado.

Pronto! Agora você já sabe tudo sobre traço para reboco e pode dar um acabamento excelente para receber o revestimento que seja: tinta, textura, azulejo, papel de parede, o que a sua imaginação comandar! Depois volte para nos contar o resultado!

Referências externas:

Folheto Mãos à Obra, Associação Brasileira de Cimento Portland (ABCP).
CÓDIGO DE PRÁTICAS n⁰ 01 – ALVENARIA DE VEDAÇÃO EM BLOCOS CER MICOS, IPT – Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo S.A., EPUSP – Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (FINEP – Financiadora de Estudos e Projetos, HABITARE – Programa de Tecnologia de Habitação.
Guia das Argamassas Nas Construções, Associação Brasileira dos Produtores de Cal (ABPC).
No caso dos aditivos, o próprio fabricante fornece folhetos com traço específico para cada uso e orientações extras.
ABNT – NBR 15575-4:2013 Edificações habitacionais — Desempenho – Requisitos para os sistemas de vedações verticais internas e externas — SVVIE
ABNT – NBR 7200:1998. Execução de revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas – Procedimento
ABNT – NBR 13529:2013. Revestimento de paredes e tetos de argamassas inorgânicas – Terminologia.

você pode gostar também

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se concorda com isso, clique no botão ao lado. AceitarLer mais