Como fazer Cimento? Veja nosso guia completo!

Você sabe como fazer cimento? O material é um dos principais produtos colantes de piso, serve para o reboco de paredes e nos últimos anos, até, tem se tornado comum em pavimentos “crus”, sem nenhum outro revestimento. Com tantas utilizações assim, é fundamental saber como preparar a mistura.

Antes de tudo, é importante dizer que o cimento é um único produto. Um pó cinza, um aglomerante hidráulico. Ele pode ter origem argilosa, calcária, ferruginosa ou silicosa. Sozinho, o cimento é bem pouco utilizado.

Na verdade, ele geralmente é misturado a outros componentes, como a água, areia e pedras. Essa mistura dá origem ao concreto, a massa também popularmente chamada de cimento. Também é comum conhecerem o concreto por argamassa.

Neste texto, você vai poder descobrir os vários tipos de cimento. Também listamos o modo de fazer de cada um, e as indicações do concreto para as mais diversas construções. Acompanhe!

Tipos de cimento

A principal classificação do cimento é feita com base na sua função. Isso significa que um cimento com função colante é diferente daquele utilizado para o reboco da parede. As mudanças são percebidas na proporção de materiais de cada mistura e, por vezes, até nos tipos de materiais utilizados para a produção da argamassa.

Argamassa de alvenaria

Um concreto de alvenaria é o utilizado para revestimentos impermeáveis, e também pisos. Ele consegue prevenir infiltrações e danos à estrutura do imóvel, e por isso é bastante comum. Para produzir essa argamassa, o responsável pela obra mistura uma porção de cimento para cada três de areia. A massa também recebe aditivo impermeabilizante.

Concreto colante

Um cimento colante tem grande poder de fixação, e é bastante utilizado em grandes obras. Grandes inclusive na altura, já que a segurança desse concreto impede que partes da edificação se soltem e causem acidentes. É preciso comprar o produto pronto. Ele é vendido como uma argamassa de alta performance.

Emboço

Na hora de produzir o emboço, é preciso misturar uma porção de cimento, duas de cal e oito de areia. Este tipo de concreto é o ideal para nivelamento de paredes irregulares. Os tijolos dessas paredes podem tanto ser maciços, quanto furados.

Blocos de concreto

Blocos de concreto têm se tornado cada vez mais comuns nas construções, pois são autoportantes. Ou seja, uma edificação deste tipo não precisa contar com vigas e pilastras. Afinal, os blocos suportam sozinhos todo o peso do imóvel. Eles são fabricados por meio de uma porção de cimento para cada seis porções iguais de areia.

Alvenaria de elevação

Chama-se de alvenaria de elevação o cimento o utilizado para o assentamento de tijolos de muros e edificações mais altas. Sua mistura conta com uma porção de cimento, duas de cal e sete de areia. No caso do assentamento de blocos de concreto, a receita leva uma porção de cimento para cada seis porções de areia.

Chapisco

Os chapiscos são conhecidos por “arranhar” a pele quando um indivíduo desavisado encosta na parede. Além dessa função decorativa, porém, ele também é muito utilizado para aumentar a aderência da superfície. Para produzi-lo, o pedreiro mistura uma porção de cimento para cada três porções de areia.

Reboco

Na hora de fabricar o reboco, é preciso usar uma porção de cimento, nove porções iguais de areia e duas porções iguais de cal. A massa é fina e geralmente utilizada para o acabamento das paredes.

Manutenção e limpeza do cimento

Manter o cimento bem cuidado é algo que só precisa ser feito quando a superfície não recebe nenhum outro tipo de revestimento. Por exemplo: quando a parede não é pintada, ou quando o chão é deixado rústico. Nessas situações, é ótimo poder dizer que as superfícies não acumulam muitas sujidades. Afinal, elas são lisas.

Em todo o caso, é possível fazer a limpeza do espaço com o uso de água e sabão neutros. Não é interessante utilizar produtos abrasivos, pois eles podem “machucar” a superfície. Caso o consumidor deseje manter o brilho da parede ou piso, é possível aplicar cera líquida ou verniz. Essa aplicação deve ser feita a cada 5 meses.

O que é o concreto armado? Polido? Queimado?

Além da mistura do cimento e sua classificação segundo suas funções, é possível dividir os tipos de concreto de outro modo. Neste caso, os produtos geralmente são utilizados para reforçar a construção, ou então como uma forma de decoração do espaço.

Concreto Armado

O concreto armado é um modo de construção bastante rígido e seguro. Ele é muito utilizado para a construção de prédios, viadutos e outras obras de grande porte, pois aumenta a capacidade de sustentação das edificações.

Para utilizar o concreto armado, o responsável pela obra posiciona uma malha de aço no chão da construção. Depois, essa malha é coberta com concreto, e então se torna muito mais rígida quando seca.

Concreto Intertravado

Peças de concreto intertravado são utilizadas para a formação de pavimentos. Elas consistem em blocos, que são posicionados juntos no solo. Nenhum tipo de material colante é utilizado para a união destes blocos. Em vez disso, sua proximidade é o que os mantém juntos — por isso o nome intertravado. Eles são práticos e sustentáveis, pois permitem a passagem da água para o solo. Geralmente, formam calçadas, praças e outros espaços públicos.

Concreto Polido

Pisos de concreto polido têm aspecto brilhante e são extremamente resistentes. O polimento é utilizado para tornar a opção duradoura e resistente a impactos, e ainda nivela a superfície. Esse tipo de pavimento também é antiderrapante, evitando acidentes por quedas e escorregões.

Cimento Queimado

Fazer um pavimento de cimento queimado significa contar com um piso bastante elegante e bonito. Para produzi-lo, o responsável pela obra nivela um piso de concreto. Então, antes que essa superfície seque completamente, ela é pulverizada com uma camada de cimento seco. A opção também pode ser utilizada nas paredes do imóvel.

Argamassa para obra

O tipo mais comum da argamassa utilizada em obras é a argamassa de alvenaria. Para fazê-la, é preciso colocar a areia na masseira, e então misturar o cimento. Os ingredientes devem ser unidos primeiro sem a água. Se o responsável pela obra indicar, é possível acrescentar o cal nas proporções adequadas à construção.

Assim que tudo estiver bem misturado, é preciso acrescentar a água. O líquido deve ser colocado no centro da argamassa, aos poucos. A massa não deve ficar nem muito mole, nem muito dura.

Também é importante produzir apenas a massa que será utilizada naquele momento. Se ela endurecer, não será possível recuperá-la, e haverá o desperdício de material.

Cimento queimado

Como explicado nos tópicos anteriores, é bastante simples fazer o cimento queimado. A opção é incrível para pisos e paredes, e até bancadas podem ganhar um belo visual. Na hora de executar a superfície, é preciso contar com cimento industrial, resina de alto desempenho, areia e água.

Caso deseje colorir o cimento, eliminando o tom acinzentado, o consumidor pode acrescentar pó xadrez à massa, com o tom desejado. As medidas de cada material variam de acordo com o tamanho do espaço a ser coberto.

Antes de executar o cimento queimado, é preciso preparar o contrapiso do espaço. Isso significa remover qualquer outro revestimento e nivelar o espaço. Também é preciso limpar a superfície.

No passo seguinte, é necessário jogar a água sobre o contrapiso e aplicar a resina sintética. Essa aplicação deve ser feita com rolo denso, e servirá para aumentar a aderência do cimento.

É preciso posicionar as juntas de dilatação no solo. Depois, misture a areia e o cimento a seco, coloque água aos poucos e forme a argamassa desejada. A massa deverá ser distribuída e nivelada sobre o piso com cuidado.

Deixe a superfície secar por um tempo — geralmente 30 minutos. Caso vá utilizar o pó xadrez, espalhe o produto sobre a superfície com a massa ainda úmida. Esse pó não precisa ser misturado com o cimento. Se o seu piso for continuar cinza, elimine o xadrez e polvilhe uma camada do pó cinza (cimento) sobre o pavimento. Cerca de 30 minutos depois, o piso deverá ser novamente nivelado.

Calçadas de cimento

Construir uma calçada de cimento requer quatro etapas principais: delimitação da área; compactação do contrapiso; aplicação do concreto; e nivelamento da superfície.

Na hora de delimitar o espaço, é importante marcá-lo no chão. Depois, você precisará posicionar paletes ou placas finas de madeira, criando uma forma. Assim, o cimento não ultrapassará o espaço delimitado.

Já a compactação do solo deve ser realizada com cuidado. O solo deve ter retirado grandes pedras, e também nivelado. Em seguida, basta aplicar uma camada de concreto, com cerca de 3 cm ou 5 cm. Nas entradas de carro, essa camada deve ter 7 cm.

Finalmente, é preciso nivelar a superfície. Caso a calçada seja feita em uma ladeira, é importante nivelá-la, mas mantê-la áspera. Isso vai facilitar o tráfego e evitar acidentes. Para passar o alisador, faça movimentos lentos de cima para baixo na superfície.

Com esse processo concluído, retire as estacas de demarcação do espaço. Lembre-se de assinalar que o cimento está fresco, isolando a área ou posicionando alguns objetos que chamem a atenção. Assim, você evitará que as pessoas estraguem o trabalho.

Vantagens e desvantagens da argamassa

A principal vantagem de uso do cimento é a sua resistência. O produto foi pensado para suportar grandes impactos, independentemente de onde for aplicado. Além disso, ele é bastante durável e, se produzido da forma correta, pode suportar grandes impactos físicos.

Normalmente, as superfícies de concreto também são antiderrapantes. A menos, é claro, que algum produto para alisamento do espaço seja aplicado. Em todo o caso, há enorme prevenção de acidentes.

Sem contar que, a aplicação de qualquer tipo de cimento é muito simples. Basta preparar o solo ou parede e garantir que a massa seja a ideal para o objetivo e superfície desejados. Os pacotes de cimento vendidos no mercado ainda possuem instruções, inclusive com as proporções adequadas para a produção do concreto.

Agora você já sabe como fazer cimento e conhece os vários tipos de concreto. Você também pode ler mais sobre o assunto neste texto. Converse com o seu arquiteto, e boa obra!

você pode gostar também

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.