Como Plantar Orquídeas em Troncos? Veja Aqui!

Sabemos que orquídeas podem ser cultivadas em vasos, até porque elas são vendidas dessa forma. Muita gente também consegue obter sucesso ao cultivá-las dentro de casa, mas é comum também transferir a orquídea do vaso para a uma árvore na área externa no jardim ou na calçada em frente casa. Se o habitat natural dela for esse, há como plantar orquídeas em troncos e continuar a ter floradas lindas.

Orquídeas em troncos devem ser epífitas para prosperar, pois as árvores lhe servem de abrigo e suporte para fixarem as suas raízes. Ao contrário que muitos imaginam, orquídeas epífitas não são parasitas, pois absorvem os nutrientes necessários da umidade do ar, das chuvas e da matéria orgânica naturalmente decomposta de folhas caídas das árvores e vegetação ao redor.

Portanto, elas não consomem a seiva das árvores nem prejudicam o seu desenvolvimento, mas é importante que a árvore lhes forneça o sombreamento e luminosidade necessários, assim como uma superfície rugosa para se fixarem de forma adequada.

Se o local for propício, as orquídeas em troncos podem prosperar e se desenvolver com ótima aparência. Caso contrário, logo irão apresentar sinais de insatisfação, como mudanças de coloração nas folhas e pausas no florescimento.

No entanto, essa troca de ambiente deve ocorrer sempre após a floração, somente quando todas as flores estejam secas e tenham caído. Pois será nesta fase, o início de um novo ciclo, com o processo de desenvolvimento das folhas, brotos e raízes, ao se preparar para uma próxima florada.

A espécie de orquídea mais comum que podemos encontrar em troncos é a orquídea “olho de boneca” ou Dendrobium nobile, devido à rusticidade de suas touceiras que dão inúmeras flores.

Quer aprender como plantar orquídeas em troncos? Então, venha conosco!

Dicas para plantar orquídeas em troncos

É possível cultivar orquídeas em troncos simulando o seu habitat natural.
É possível cultivar orquídeas em troncos simulando o seu habitat natural.

Se o seu desejo é plantar orquídeas em troncos de árvores no jardim da sua casa para agregar no visual, fique sabendo que a ideia é excelente. Nada como ter orquídeas espalhadas pela casa, seja em vasos ou presas às árvores.

No entanto, para que elas se desenvolvam saudáveis e continuem florescendo todos os anos, é preciso seguir algumas dicas. Veja a seguir:

1. Escolha o local mais adequado

Quem está acostumado a cultivar orquídeas sabe que são elas que escolhem o lugar onde querem ficar para crescer, e não o contrário. No caso do cultivo de orquídeas em vasos, é mais fácil, pois você pode mudá-las de lugar até encontrar o local mais adequado.

Já no caso de orquídeas em troncos fica mais complicado, pois elas precisam se fixar e não vão poder ficar mudando de local. Além disso, se for o tronco de uma árvore, talvez as opções de local sejam mais imitadas ainda, à não ser que o seu jardim seja mesmo uma floresta cheia de árvores.

Por via de regra, o local deve ser claro, de preferência com luz indireta e se possível, que tenha irrigação regular. Ou seja, a árvore ou o local onde ficará o tronco deve fornecer sombreamento e fixação, ao mesmo tempo que abrigo de ventos fortes, umidade e luminosidade suficientes (sol indireto).

Caso ela não goste do local, ela logo demonstrará a sua insatisfação sem cerimônias, através da coloração fraca de suas folhas, taxa de crescimento baixo sem emissão de novos brotos e retenção de flores.

Por exemplo, a florada de orquídeas em troncos costumam durar mais de um mês em algumas espécies, portanto, caso elas floresçam e as flores murcharem em seguida, é sinal de que ela não está gostando do local.

2. Como escolher o tronco certo

Para ter as orquídeas em troncos, o mais prático é plantar em árvores no jardim ou nas calçadas em frente de casa. Dê preferência à árvores de casca rugosa, para facilitar a fixação das raízes e retenção de nutrientes e de, no mínimo, 60 centímetros de diâmetro.

É importante também escolher um tronco que não descame de tempos em tempos, como ocorre em algumas espécies de árvores, dificultando a sua fixação. Dentre as espécies mais indicadas estão árvores frutíferas e espécies como Salix babylonica (chorão), Delonix regia (flamboyant), Ficcus spp. (falsas seringueiras) e Chorisia speciosa (paineira).

Copas de árvores menores e de poucas folhas favorecem o crescimento de gêneros de orquídeas que necessitam de bastante sol como as Cattleyas, Dendrobium, Laelia, Vanda, Catasetum e Cyrtopodium. Já as árvores mais frondosas atendem às necessidades das flores típicas de meia sombra como Miltonia, Oncidium e Phalaenopsis.

Mas caso você não tenha árvores propícias no jardim ou de espécie alguma, pode também utilizar troncos secos, encontrados pelo chão de florestas, restos de podas, em madeireiras, ou mesmo em lojas de materiais de construção.

Só tome o devido cuidado para não utilizar troncos que liberam resinas, como os de pinus. Isso porque as orquídeas detestam resina e outros produtos químicos usados para tratar a madeira. Além disso, as raízes das orquídeas não se fixam em troncos resinados.

Cuidado também com os troncos que imitam xaxim, feitos de fibra de côco compactada com cola. Essas placas devem ser de fibra de côco natural, sem adição de química, muito mais leves e porosas.

Da mesma forma, atente para troncos podres, que podem adoecer suas raízes ou desmanchar não resistindo por muito tempo. Portanto, opte sempre por madeira de boa qualidade, como galho de peroba, por exemplo.

3. Plante na fase correta

Normalmente, as orquídea à venda estão todas floridas plantadas em vasos, pois as pessoas querem levar para casa a planta com as flores abertas. No entanto, mesmo que o intuito da compra seja plantar orquídeas em troncos, deixe para transportá-la depois da floração, depois que todas as flores tenham caído.

Essa é a melhor hora de transportar a orquídea de local (após a florada), pois neste período ela entra na fase vegetativa, ou seja, começa a desenvolver as folhas, brotos e raízes, e assim, sua energia se voltará a se adequar ao novo local. Essa fase marca o início da preparação para a próxima fase reprodutiva (nova florada) e o crescimento neste período está a todo o vapor.

Se você transportá-la de local na fase de floração, isso vai acabar interrompendo o processo e fazendo com que ela perca as flores, pois toda a sua energia se voltará para se fixar e se adaptar ao novo local e não manter as flores.

4. Como fixar orquídeas em troncos de árvores

Para fixar orquídeas em troncos de árvores, você pode fazer de algumas maneiras diferentes, desde que em todos os casos você providencie um material de suporte para ajudar na fixação de suas raízes.

Placas de fibra de coco ou ainda cachepôs prontos são boas opções, mas também é possível fixar a planta dentro da própria bifurcação do tronco colocando substrato entre as raízes e o tronco.

Uma outra opção seria usar como suporte o mesmo vaso em que ela já está acomodada, se for de plástico. Para isso, faça um corte vertical da borda até o fundo, no meio do diâmetro da parte superior do vaso e prenda-o no tronco, para que suas raízes aos poucos migrem para apoiar-se nele.

Ao fazer este corte no vaso, o substrato original não deve ser desmembrado, e ao manter e acomodar o substrato junto ao tronco, a planta terá a umidade necessária para adaptação ao novo local.

Ao prender o vaso no tronco, assegure-se que o material usado (barbante, uma tira tipo gaze de curativo) cerque o vaso e não tenha contato com direto com as raízes para não abafá-las, cortá-las ou ferí-las, dificultando seu desenvolvimento.

5. Como fixar orquídeas em troncos ou placas

Se as árvores não são uma opção, você pode optar por fixar as orquídeas em troncos soltos ou placas penduradas na parede ou enterradas em outros vasos maiores com terra. No caso das placas que são penduradas na parede, normalmente elas possuem um cachepô ou orifício para acomodar a planta.

Para o plantio, basta utilizar o substrato adequado, como no plantio de orquídeas em vasos, atentando apenas ao local onde vai pendurar a placa (meia sombra). Já no caso do tronco seco em vaso como estaca, é possível preparar um vaso misto, com outras plantas na base.

Mas como as orquídeas não gostam de sol direto, as plantas que deverão compor a base do vaso devem ter as mesmas necessidades, como gostar de meia sombra. Algumas opções de plantas seriam a Maria-sem-vergonha ou beijinho (Impatiens walleriana), que pegam facilmente, não precisam de grandes cuidados, florescem o tempo todo e tem um colorido maravilhoso.

Outra opção seria plantar bromélias de sombra, como Nidularium, Vriesia e Aechmea, que possuem flores lindas e coloridas, e gostam de estar em ambientes sombreados, como as orquídeas.

A grande vantagem de colocar orquídeas em troncos dentro de vasos é poder trocá-las de local, caso não se adaptarem ou você mude de casa. Se elas tiverem fixadas nas árvores, isso fica mais difícil.

6. Como fazer o transporte

Outro cuidado importante que devemos tomar ao transplantar orquídeas em troncos é com as raízes e o substrato que vai ser fixado junto ao tronco. Ambos devem ser envolvidos em um pano fino, como gaze ou atadura de algodão, que possuem tramas abertas.

Esse tipo de tecido, apesar de absorver bem a água, mantém o substrato arejado, deixa as raízes respirarem e facilita que elas se desenvolvam por entre os vãos para se enraizar nos troncos, além de ser biodegradável.

Uma vez envolvidos pelo tecido, amarre a planta no tronco na vertical com as hastes para cima, sem apertar muito com as próprias tiras da atadura, mas mantendo o substrato firme dentro do tecido para que ele não se espalhe e nem aperte as raízes, como se fosse um saquinho.

Caso o local de plantio costume ser mais quente, coloque um pouco mais de musgo ou esfagno no substrato para manter a umidade nas raízes. Fazendo isso, a sua orquídea não vai sofrer com essa transição, por estar envolvida pelo substrato, não estar com as raízes expostas e conseguir manter a umidade mais facilmente.

7. Mantenha as regas adequadas

Feito o transporte da planta, as regas devem ser feitas sempre que o substrato estiver seco, mas a frequência vai depender do tempo que isso vai levar para secar. Caso aconteça do substrato secar e você esquecer de regar, tudo bem, a orquídea vai continuar crescendo mesmo que mais lentamente.

O importante é não regar demais, pois as orquídeas não gostam de ficar com suas raízes encharcadas. Elas gostam de umidade, mas não em excesso, pois isso pode apodrecer as raízes. Em regal, as regas devem ser de uma vez ou duas por semana.

8. Quando saber se a orquídea pegou

Bem, o primeiro sinal de que as orquídeas em troncos estão se desenvolvendo bem é o surgimento de novas raízes. Neste caso, raízes saudáveis possuem pontas bem verdes.

No entanto, como todo o sistema radicular está envolvido pelo substrato e o pano fino, pode ser difícil ver todas as raízes. Mas muitas podem já estar se fixando no tronco. Agora, certeza mesmo não há como ter, pois o tempo de pega varia bastante e em geral, pode levar mais de um ano.

Mas se você tiver feito o plantio direitinho, continue regando e cuidando com muita paciência. Com o tempo ela vai reagir e vai se adaptar, se fixando bem no tronco.

Depois disso, o último estágio é remover a gaze, que ocorrerá por volta de 18 meses, tempo em que as raízes já estarão bem fixadas nos troncos. O próprio tecido já deve também estar bem deteriorado ou apodrecido. Assim, você vai poder retirá-lo, deixando as raízes livres para que a planta agora se vire sozinha.

9. Faça o controle das orquídeas

O controle das orquídeas, como anotar a data da compra, de cada florada, do transplante, regas, é essencial para o desenvolvimento adequado dela. Pois assim, voc6e evita tirar conclusões erradas sobre tempo de floração e adubação, por exemplo.

Portanto, controle tudo que puder e deixe o resto por conta da natureza. O mais importante é o nome científico, pois na hora de adubar, controlar pragas, separar mudas, você precisa saber a sua espécie correta para obter as informações de como proceder.

Para facilitar, existem plaquinhas que servem para escrever alguns dados e ser espetadas junto à planta. Assim, fica tudo mais fácil!

10. Nunca retire orquídeas da natureza

Nunca retire ou compre mudas de orquídeas silvestres que foram tiradas diretamente da natureza. Essa prática tem destruído as populações nativas de orquídeas das suas matas de origem, principalmente aqui no Brasil.

Por mais que seja comum ver bancas em beira de estradas, especialmente perto do litoral, que vendem orquídeas e bromélias clandestinamente, não se recomenda comprar esses exemplares.

Existe muitos orquidários que cultivam espécies e híbridos para comercializar, produzidas em laboratórios e cultivadas em estufas de forma responsável, sem precisar retirá-las da natureza.

Essas plantas podem ser compradas sem medo, mesmo não sendo nativas, pois passam por adaptação adequada. O extrativismo (retirada de espécies da natureza sem nenhum controle e sustentabilidade) está levando à extinção várias espécies de orquídeas.

Essas espécies não estão adaptadas e são muito frágeis. Quando trazidas para as cidades ou locais pouco favoráveis e muito diferentes do local de onde foram retiradas, sem adaptação prévia, elas podem morrer.

Por isso, não contribua para que este crime ambiental continue acontecendo. É o mesmo que extrair clandestinamente e contrabandear palmito, xaxim, animais silvestres, conchas de moluscos e corais marinhos.

Ao invés de comprar, denuncie à polícia ambiental para ajudar a fiscalizar. A preservação da natureza depende de todos.

Espécies de orquídeas em troncos mais indicadas

Algumas espécies de orquídeas em troncos são masi fáceis de cultivar.
Algumas espécies de orquídeas em troncos são masi fáceis de cultivar.

De um modo geral, todas as orquídeas epífitas podem ser plantadas em troncos. Porém, alguns gêneros são mais fáceis de cultivar que outros, com variação de algumas espécies.

Por isso, fique atenta, principalmente se você for iniciante em relação ao cultivo de orquídeas. Veja abaixo os gêneros de orquídeas e algumas espécies mais indicadas:

Orquídeas Phalaenopsis

As orquídeas em troncos Phalaenopsis são as masi fáceis de cultivar.
As orquídeas em troncos Phalaenopsis são as masi fáceis de cultivar.

O gênero de orquídeas Phalaenopsis é um dos mais indicados para se cultivar em troncos de árvores ou em vasos, pois a maioria de suas espécies costumam ser fortes, resistentes e gostam de calor, apesar de não aturar a incidência de sol direto.

Além disso, elas também costumam desenvolver raízes rapidamente, resistem bem à falta de umidade. E quando estão bem adaptadas, é possível passar uma semana ou mais sem regá-la, que suas flores continuam lindas e fortes.

Mas fique atenta, pois algumas orquídeas do gênero Phalaenopsis possuem restrições com relação ao corte da haste após a florada. Estas orquídeas quando florescem formam uma haste grossa, de onde saem as flores. Quando elas murcham e caem, a haste permanece.

Alguns orquidófilos cortam a haste logo depois da queda das flores, enquanto outros não cortam para que novas flores brotem da haste antiga. Elas costumam produzir uma haste com flores que duram aproximadamente 1 mês.

Após a floração, novas flores são formadas a partir desta mesma haste, novas flores são formadas. As flores desabrocham e permanecem por mais algumas semanas, mas depois de murcharem você pode cortar a haste antiga, que não vai mais formar novas flores. No ano seguinte, uma nova haste ser forma e o processo recomeça.

Orquídeas Oncidium

Oncidium em troncos também podem prosperar, como a orquídea Chuva de ouro
Oncidium em troncos também podem prosperar, como a orquídea Chuva de ouro

Além da Phalaenopsis, o gênero Oncidium também é capaz de se adaptar muito bem aos troncos, apesar de ter espécies mais frágeis. Existem até relatos de que algumas espécies até florescem antes mesmo de estarem completamente adaptadas ao tronco. Sendo que sua florada ocorre rigorosamente de 12 em 12 meses. Um exemplo é a orquídea Chuva de Ouro.

Orquídeas Dendrobium

A Dendrobium em troncos é uma das mais populares.
A Dendrobium em troncos é uma das mais populares.

O gênero Dendrobium é outra opção para o cultivo de orquídeas em troncos. Além disso, algumas espécies, como a Dendrobium nobile ou “Olho-de-boneca” é, sem dúvida, uma das orquídeas mais populares que existe, devido ao seu preço acessível. Seu cultivo também é fácil, apesar de exigir bastante umidade.

Pois então, agora que você já tem informação suficiente sobre o cultivo de orquídeas em troncos, quem sabe você não se inspira para começar uma coleção de orquídeas ou levar adiante o cultivo da que você já tem, dentro de casa em vasos ou no jardim.

E se você mora em apartamento, não se preocupe. É perfeitamente possível aprender como cultivar orquídeas em apartamento com os troncos de estaca nos vasos. Depois, volte aqui para nos contar o resultado!

você pode gostar também

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Se concorda com isso, clique no botão ao lado. Aceitar Ler mais